star-trek-beyond-enterprise-destruction

Resenha de Trilha Sonora: STAR TREK BEYOND – Michael Giacchino


trek_beyond_cdMúsica composta por Michael Giacchino
Selo
: Varèse Sarabande Records
Formato
: CD
Lançamento: 22/07/2016
Cotação: star_4

Terceiro filme da nova saga iniciada com o reboot Star Trek (idem, 2009), a aventura de ficção científica Star Trek: Sem Fronteiras (Star Trek Beyond, 2016) traz o retorno da clássica tripulação da nave Enterprise, como o Capitão James T. Kirk (Chris Pine), o vulcano Spock (Zachary Quinto) e a Tenente Uhura (Zoe Saldana), em sua missão de exploração de cinco anos pelo espaço. Na trama, a Enterprise, atendendo a um pedido de socorro, acaba atacada e (mais uma vez) destruída, e sua tripulação, presa a um planeta desconhecido. Lá, serão obrigados a se dividir em duplas e a lidar com novas figuras, como a guerreira Jaylah (Sofia Boutella) e o temível vilão Krall (Idris Elba), responsável pelo ataque à nave. J.J. Abrams, diretor do longa de 2009 e da continuação Além da Escuridão: Star Trek (Star Trek Into Darkness, 2013), preferiu não voltar, por estar ocupado com outra saga espacial em Star Wars: O Despertar da Força (Star Wars: The Force Awakens, 2015). Em seu lugar, entrou o diretor taiwanês Justin Lin, antes mais conhecido por seu trabalho no cinema de ação, incluindo quatro filmes para a franquia Velozes e Furiosos.

Em seus longas anteriores, Lin havia estabelecido uma bem sucedida parceria com o compositor Brian Tyler, portanto, era de se esperar que ele assumisse a batuta no novo longa. Tyler é um grande trekkie (fanático por Star Trek) e, no início de sua carreira, já havia escrito o score de dois episódios da série Enterprise, assim, seria interessante ver qual a contribuição que ele traria para a música da saga. Entretanto, o sujeito logo acabou preterido em favor de outro colega trekkie, Michael Giacchino, que já havia escrito o score para os dois longas anteriores de Abrams, e certamente trabalhou para convencer Lin a trazê-lo de volta.

Claramente, o carismático Giacchino tem um grande carinho pela franquia e por seus trabalhos nela. Seus dois scores anteriores para os longas de Abrams fizeram sucesso com o público e a crítica, então, para que mudar? Assim, se seu trabalho acaba soando ligeiramente previsível, isso acaba não sendo exatamente um problema, uma vez que a música de Giacchino para Star Trek e Além da Escuridão mantiveram uma qualidade que se manteve aqui.

Enamorado pelo tema principal que compôs para a franquia, Giacchino o reutiliza aqui nas mais diversas ocasiões. Felizmente, seu tema é dinâmico, com pequenas partes que podem ser desconstruídas e reaproveitadas sempre que ele desejar. Na faixa inicial, Logo and Prosper, ele surge no já tradicional arranjo misterioso para trompas, texturas eletrônicas e um leve coro, que abriu todos os novos longas da franquia até o momento. Em The Dance of the Nebula, o tema ganha tons marciais, mantendo um senso de tensa antecipação que precede o encontro dos heróis com o vilão. Já em Hitting the Saucer a Little Hard, a primeira faixa de ação do disco, o tema surge desprovido de seus tons heroicos em meio à violentas orquestrações e muita percussão. Entretanto, ao fim da faixa, Giacchino rearranja seu tema como uma trágica elegia para coral, mostrando as consequências do devastador ataque à Enterprise. Depois, cada um dos motivos que o compõem retornam aos poucos em Franklin My Dear, enquanto na excitante Motorcycles of Relief, o ritmo de oito notas que acompanha a melodia principal ganha ares heroicos e corajosos.

Das novas contribuições que Giacchino trouxe ao rico universo musical da franquia, de longe a melhor delas é o tema da base espacial Yorktown. Trata-se de uma melodia grandiosa, emocional, esperançosa e otimista, a perfeita representação musical de seus ideais. Sua introdução se dá aos 1:33 de Thank Your Lucky Star Date, em cellos, mas certamente o cue onde mais se destaca é o imediatamente seguinte, Night on the Yorktown. Esta ótima faixa começa de forma pacífica, que logo se transforma numa tocante e otimista melodia para trompetes, sopros, cordas e harpas, emendando-se no tema de Yorktown em si, em orquestra e coro. É uma bonita faixa, que poderia até estar entre as melhores do ano, embora eu realmente preferisse que as transições do intimista ao grandioso e de volta ao intimista na segunda metade do cue fossem um pouco mais sutis. De toda forma, o tema de Yorktown retorna apenas na penúltima faixa do disco lançado pela Varèse, Par-tay for the Course, num piano gentil e caloroso.

Para os novos personagens Krall e Jaylah, Giacchino empregou orquestrações que mostram a agressividade dos personagens. O vilão é representado musicalmente como um autêntico senhor da guerra em A Swarm Reception, com trombones e violentos tímpanos. Seu tema propriamente dito, uma sinistra melodia, é melhor desenvolvido em Krall-y Krall-y Oxen Free*, uma faixa de suspense dura e dissonante. Já o motivo de Jaylah é apresentado em Jaylah Damage, no qual ganha percussão tribal acompanhando a orquestra, retratando não apenas sua personalidade “selvagem”, mas também sua solidão e curiosidade com personagens de outros cantos do espaço.

Mesmo assim, se a trilha não é especialmente forte no aspecto temático, ao menos continua a mostrar o talento de Giacchino para escrever música de ação criativa e interessante. A citada Hitting the Saucer a Little Hard começa como uma poderosa faixa de ação, antes de assumir ares trágicos na segunda metade do cue. Mocking Jaylah, por sua vez, é igualmente excitante, trazendo orquestrações enérgicas, coral e até mesmo uma breve participação da guitarra, além de embates entre o tema principal e o de Krall. Já a poderosa Crash Decisions é acompanhada por uma furiosa escrita para cordas, reminiscente de alguns ótimos trabalhos recentes de Giacchino no gênero, como O Destino de Júpiter (Jupiter Ascending, 2015) e Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (Jurassic World, 2015). Tal cue também é estruturado em torno de um heroico novo motivo para Spock (ouvido em metais aos 0:40), que surge em meio a rápidas performances do ostinato do tema principal e do tema de Krall. Finalmente, há a curta, porém violenta Cater-Krall in Zero G, que traz uma última performance do tema do vilão, finalmente superado por uma grandiosa participação do tema dos heróis em seu encerramento.

Sem dúvidas, a sessão da Hollywood Studio Symphony que mais se destacou nesta trilha foi a percussão. Giacchino emprega uma grande variedade de instrumentos do tipo, e das formas mais inesperadas. Isso se faz notar principalmente nas faixas de ação, em que o compositor coloca seus percussionistas (que incluem Don Williams, veterano músico de gravações de trilhas sonoras, e irmão de John) para trabalhar duro, seja para ressaltar a grandiosidade, seja para aumentar a tensão e o perigo. Em Motorcycles of Relief, por exemplo, tarolas fazem o acompanhamento da faixa, o que ressalta as origens militares da tripulação da Enterprise, e também me recordam levemente da música de ação que James Horner costumava empregar nos anos 1990 e início dos anos 2000 – o que nunca é uma coisa ruim. Além disso, mesmo em faixas menos expansivas o músico usa a percussão em orquestrações coloridas e interessantes, como na tensa e dissonante Shutdown Happens.

Por outro lado, com tanta ação e intriga, os momentos mais sutis e emocionais da trilha acabam quase deixados de lado. O belo tema para cordas e erhu que Giacchino escreveu para Spock e a cultura vulcana no primeiro filme, por exemplo, praticamente não é ouvido aqui, apenas numa brevíssima aparição em melancólicos cellos na faixa A Lesson in Vulcan Mineralogy. Em seu lugar, o compositor criou o citado novo motivo heroico para o personagem, introduzido na mesma faixa (embora sua conexão com o tema principal ao fim seja particularmente excelente).

Mas o que eu mais senti falta nesta trilha foi um melhor encerramento, por assim dizer. Ao invés de uma suíte para os créditos finais, o disco encerra-se apenas com a curta Star Trek Main Theme, uma rápida peça baseada apenas no tema principal (com uma breve participação especial do clássico tema de Alexander Courage para a série original). A suíte dos créditos ouvida no filme seria uma ótima forma de encerrar o disco e sumarizar os temas novos que acabamos de ouvir.

Mesmo assim, Giacchino mostra novamente não apenas o seu talento e sua habilidade cada vez maior para escrever músicas para blockbusters de ação, aventura e ficção científica, como também continua a escrever sua carta de amor para a franquia. Goste ou não dele, é inegável que o sujeito já deixou sua marca na saga: tendo escrito música para três longas, Giacchino é superado em quantidade de filmes apenas por Jerry Goldsmith e seus cinco longas. Particularmente, eu acho que ele possui outros trabalhos mais fortes e interessantes no gênero além da música para as aventuras da tripulação da Enterprise. Porém, seus três scores para Trek não deixam de ser trilhas muito consistentes e de qualidade. Com isso, seu trabalho em Star Trek Sem Fronteiras permanece como um dos melhores escritos para um blockbuster em 2016.

*Sou o único que acha que os nomes repletos de trocadilhos que Giacchino costuma dar para seus cues ficam mais bobos a cada trilha que ele faz?

Faixas:

1. Logo And Prosper  1:47
2. Thank Your Lucky Star Date  2:15
3. Night On The Yorktown  5:36
4. The Dance Of The Nebula  2:22
5. A Swarm Reception  2:30
6. Hitting The Saucer A Little Hard  6:10
7. Jaylah Damage  2:50
8. In Artifacts As In Life  1:51
9. Franklin, My Dear  2:50
10. A Lesson In Vulcan Mineralogy  5:17
11. MotorCycles Of Relief  3:17
12. Mocking Jaylah  3:26
13. Crash Decisions  3:16
14. Krall-y Krall-y Oxen Free  4:23
15. Shutdown Happens  4:35
16. Cater-Krall In Zero G  2:17
17. Par-tay For The Course  2:46
18. Star Trek Main Theme  3:45

Duração: 61:13

Tiago Rangel

10 opiniões sobre “Resenha de Trilha Sonora: STAR TREK BEYOND – Michael Giacchino”

  1. Tiago Rangel, gostei da resenha.
    É um prazer ouvir mais uma trilha do Giacchino para Star Trek.
    Achei muito massa terem chamado ele novamente.
    Fechando assim uma trilogia (por enquanto) Star Trek com seu nome.

    ótimo score.

    Curtir

    1. Não acho isso uma boa noticia. Embora ele seja muito bom, quando ele faz um score às pressas, fica aquém da seu talento. Zootopia é um exemplo disso.

      Eu queria ouvir o trabalho do Desplat. Seria muito interessante…

      Curtir

      1. Existem boatos de que ele escreveu a trilha (ou parte dela), mas que com a exigência do estúdio para que eles regravassem várias cenas e tentassem mudar um pouco o tom do filme (deixá-lo mais leve, feliz…) tiveram que substituir inclusive a trilha do Desplat. Pode-se supor que a retirada dele tenha acontecido por ele ter se negado a mudar a trilha, descaracterizá-la diante do objetivo inicial dele (e do filme) quando a criou. Então ele pediu para sair. O Giacchino sempre esteve à disposição, então foi contratado.

        Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s