Na Trilha: A TRILHA SONORA NO CINEMA


5750263858_1553d7a9d1_z

I- OS PRIMÓRDIOS

O cinema nunca foi “totalmente” mudo. Só não tinha fala. Som, sempre teve. É quase que instintivo, natural, do homem associar som à imagens e vice-versa. No cinema, só imagem ou só som causavam estranhamento, e assim como hoje, causa-nos desconforto assistir a uma projeção muda, a não ser que seja pelo interesse histórico. Acompanhar imagens sem música é incômodo, mas, que fique claro, isso não se justifica pelo costume que hoje temos em assistir filmes sonoros, televisão ou teatro; já na tragédia grega, o desenrolar da narrativa dramática não se dava sem acompanhamento de ditirambos e intervenções de um coro cantado (sobre a tragédia, consultar Aristóteles, Poética), assim como no teatro clássico e até o atual, seria inconcebível imagem sem som em produções normais. O mesmo ocorreu no cinema, desde sua criação pelos irmãos Lumière em 1895. O fato é que o som no cinema sempre foi importante, enfatizando, criando ou até redundando climas narrativos na imagem. No cinema mudo, havia um pianista nas salas de concerto encarregado de criar estes climas nas cenas, improvisando sobre um repertório próprio conforme sentia as imagens, e que geralmente cumpriam uma função meramente ilustrativa. Nas salas mais afortunadas podíamos até encontrar orquestras inteiras tocando, muitas vezes com partituras originais para o filme.  Mas então veio o sistema de sonorização no cinema, o famoso VITAPHONE, uma enorme e desajeitada máquina de projeção lançada em 1927 (que imortalizou o filme The Jazz Singer, com Al Jolson) que sincronizava o filme a um disco de 78 rotações, um pouco melhor que aquele usado no fonógrafo de Edison. Suas inconveniências eram grandes, a baixa qualidade da amplificação da época, o chiado do disco e a eminente possibilidade do disco riscar com o tempo e tirar o filme de sincronismo. Mas foi um sistema pioneiro que, prescindindo do músico in presentia, fez com que toda a conquista dos músicos até aquele momento precisasse recuar aos primórdios do som para o cinema, repensar a função dramática do som, que agora poderia incluir não só música, mas também diálogos e ruídos. A simples “ilustração” musical redundante passou a ser vista como um terreno promissor de possibilidades. Técnicos surgiram; os que já trabalhavam tiveram que reaprender, de acordo com os novos padrões estéticos, o som. No que diz respeito à trilha sonora propriamente dita, ou aquilo que chamamos “música para o cinema”, o processo foi dos mais interessantes, que merece ser analisado detalhadamente. Continuar lendo Na Trilha: A TRILHA SONORA NO CINEMA

SCORE NEWS: Lançamentos de 03 de Junho a 08 de Julho


CD

03 de Junho
Altered States – John Corigliano – La-La Land
D.A.R.Y.L. – Marvin Hamlisch – La-La Land
Night Moves
 – Jeff Grace – Milan
X-Men: Days of Future Past John Ottman – Sony

10 de Junho
Hidden MoonLuis Bacalov – Varese Sarabande
Continuar lendo SCORE NEWS: Lançamentos de 03 de Junho a 08 de Julho

Lançamentos de Trilhas Sonoras – 29/05/2014


CD

As seguintes trilhas sonoras já estão à venda nas principais lojas online internacionais:

Night CrossingJerry Goldsmith (Intrada Special Collection Volume ISC 280)

ShiverRichard Band (Intrada MAF 7133)

MaleficentJames Newton Howard (Disney 1908702)

Railway ManDavid Hirschfelder (Varese 302 067 252 8)

Strike Back – Scott Shields (Varese VSD-7239) Continuar lendo Lançamentos de Trilhas Sonoras – 29/05/2014

Resenha: X-MEN – DIAS DE UM FUTURO ESQUECIDO (Filme em Destaque)


dias-de-um-futuro-esquecidoX-MEN – DIAS DE UM FUTURO ESQUECIDO (X-Men – Days Of A Future Past, EUA, 2014)
Gênero: Ficção Científica
Duração: 132 min.
ElencoJames McAvoy, Michael Fassbender, Patrick Stewart, Ian McKellen, Jennifer Lawrence, Halle Berry, Hugh Jackman, Peter Dinklage, Ellen Page, Evan Peters,Lucas Till,Nicholas Hoult, Omar Sy, Shawn Ashmore, Anna Paquin, Bingbing Fan
Trilha Sonora Original: John Ottman

RoteiristasMatthew Vaughn, Simon Kinberg
DiretorBryan Singer
Cotação: ***½

Quem acompanhou quadrinhos de super-heróis no Brasil na década de 1980 certamente deve lembrar com carinho de um arco de histórias dos X-Men chamado Dias de um Futuro Esquecido, escrito por Chris Claremont e desenhado por John Byrne. Trata-se de um dos mais memoráveis momentos dos heróis mutantes e uma história que se passa num futuro distópico que pegou muitos leitores de surpresa pela mudança de tempo e espaço e pela inteligência com que foi criada. Pouco dessa história foi aproveitado no longa X-MEN – DIAS DE UM FUTURO ESQUECIDO (2014), o que não quer dizer que o filme de Bryan Singer seja um tropeço. Continuar lendo Resenha: X-MEN – DIAS DE UM FUTURO ESQUECIDO (Filme em Destaque)

Lançamentos de Trilhas Sonoras – 22/05/2014


CD

As seguintes trilhas sonoras já estão à venda nas principais lojas online internacionais:

BelleRachel Portman (Varese 302 067 278 8)

Calvary – Patrick Cassidy (Varese 302 067 279 8)

Godzilla (2014) – Alexandre Desplat (Water Tower 39519)

Enhanced by Zemanta

Resenha: X-MEN: DAYS OF FUTURE PAST – John Ottman (Trilha Sonora)


X_men_Days_Future_CDMúsica composta por John Ottman
Selo: Sony Classical
Catálogo: 88843055832
Lançamento: 10/06/2014
Cotação: **½

De volta à franquia X-Men após onze anos, o diretor Bryan Singer e o compositor John Ottman tinham um trabalho desafiador pela frente. O novo filme, X-Men: Dias de um Futuro Esquecido, junta os mutantes vistos na antiga trilogia (exibida nos cinemas entre 2000 e 2006) e suas versões mais jovens, apresentadas em X-Men: Primeira Classe, para uma batalha épica através do tempo que pode definir o futuro do planeta. Em sua colaboração anterior em um filme da franquia, X-Men 2, John Ottman contou com uma abordagem basicamente orquestral que, ainda que tivesse seus problemas, era interessante o suficiente para sobressair-se perante o trabalho anterior de Michael Kamen. Continuar lendo Resenha: X-MEN: DAYS OF FUTURE PAST – John Ottman (Trilha Sonora)

Resenha: GODZILLA (Filme em Destaque)


Godzilla-2014-RoarGODZILLA (Godzilla, EUA, 2014)
Gênero: Ficção Científica
Duração: 123 min.
ElencoAaron Taylor-Johnson, Bryan Cranston, Ken Watanabe, David Strathairn, Elizabeth Olsen, Juliette Binoche
Trilha Sonora Original: Alexandre Desplat
RoteiristasDavid Callaham, David S. Goyer, Max Borenstein
Diretor: Gareth Edwards
Cotação: ***½

A comemoração dos 60 anos do primeiro filme de Godzilla foi em grande estilo. A começar pelos créditos iniciais, que emulam noticiários sobre desastres nucleares da década de 50, e que trazem no elenco gente como Aaron Taylor-Johnson (KICK-ASS – QUEBRANDO TUDO), Elizabeth Olsen (MARTHA MARCY MAY MARLENE), Bryan Cranston (série BREAKING BAD), Ken Watanebe (A ORIGEM), David Strathairn (BOA NOITE E BOA SORTE) e até mesmo a querida musa Juliette Binoche. Só esse cartão de apresentação já promete mais do que uma mera produção feita para entreter e ser esquecida logo após a sessão. Continuar lendo Resenha: GODZILLA (Filme em Destaque)