Resenha de Trilha Sonora: JURASSIC WORLD – Michael Giacchino


jurassic_world_CDMúsica composta por Michael Giacchino, regida por Tim Simonec
Selo: Back Lot Music
Catálogo: 605
Lançamento: 09/06/2015
Cotação: star_4

Vinte e dois anos depois que Jurassic Park: O Parque dos Dinossauros (Jurassic Park, 1993) veio a se tornar a maior bilheteria da história do cinema (claro, ele foi ultrapassado por um sem-número de filmes nos anos seguintes), chega aos cinemas a continuação Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (Jurassic World, 2015). Ignorando as duas sequências anteriores, o novo longa conta a história de um novo parque temático com dinossauros vivos, até que, novamente, algo dá errado e os bichos escapam, em especial uma nova criatura geneticamente modificada, o Indominus Rex, que se mostra bem mais perigoso que seus pares.

No filme original, uma dupla imbatível: Steven Spielberg na direção, num dos pontos altos de sua celebrada carreira, e John Williams na trilha sonora. O grande maestro compôs dois novos temas que logo se tornariam um de seus mais famosos (o que é muita coisa, no caso de Williams), em um score de primeira qualidade, que balanceava bem a emoção de vermos dinossauros vivos e o terror de sermos caçados por eles. Para o filme atual, vem aquele que, ano após ano, segue se esforçando para merecer o título de herdeiro de Williams, Michael Giacchino. A escolha do oscarizado ítalo-americano é perfeitamente natural, afinal não só o seu estilo é compatível com o do seu mestre, como também Giacchino não é estranho ao universo da franquia: seu primeiro trabalho de proeminência foi no videogame The Lost World: Jurassic Park, baseado no filme de mesmo nome. Giacchino conseguiu o trabalho após impressionar Spielberg com algumas demos de sua música, e logo o diretor convenceu a produtora do jogo a utilizar uma orquestra real para interpretar a trilha do game, de modo que este é considerado o primeiro jogo de console a ter um score completamente orquestral.

Tanto em entrevistas quanto no encarte do disco, Giacchino e o diretor do filme, Colin Trevorrow, disseram que a intenção era, claro, respeitar o material anterior de Williams e Spielberg, mas também abrir novos caminhos, novas possibilidades. A ideia era seguir em frente, sem deixar o passado de lado. Quem vier a esse disco esperando apenas um remake do score de Williams irá se decepcionar, pois esta é uma trilha muito característica de Giacchino, ainda que ele demonstre ter aprendido as lições de seu mestre. Não é uma experiência nova para o sujeito, afinal, ele já teve de seguir os passos de outras franquias que traziam scores clássicos na bagagem, como Star Trek e O Planeta dos Macacos, e, ainda que eu considere que seus melhores trabalhos estão em produções originais, não se pode negar que Giacchino produziu um material digno para as novas versões.

Dessa forma, os temas de Williams de fato marcam presença, ainda não sejam exatamente proeminentes. Giacchino, por sua vez, dá sua contribuição para a franquia com seu próprio conjunto de temas, incluindo um que certamente vai ranquear entre os melhores já compostos pelo músico. Trata-se de um novo tema para o parque e os dinossauros, que é a própria interpretação de Giacchino da maravilha e do espanto de vermos esses gigantes e nobres animais vivos pela primeira vez. Ao invés do olhar mais inocente do famoso tema de Williams, o de Giacchino, estilisticamente, está mais próximo do peso dramático dos main themes de scores como John Carter: Entre Dois Mundos (John Carter, 2012) e Planeta dos Macacos: O Confronto (Dawn of the Planet of the Apes, 2014).

Além disso, a trilha também inclui um tema para a família composta pelos irmãos Zach (Nick Robinson) e Gray (Ty Simpkins), cujos pais estão se separando enquanto os garotos viajam ao Jurassic World, e por sua tia Claire (Bryce Dallas Howard), uma executiva do parque. Tais figuras humanas serão como as âncoras do espectador em meio ao massacre de dinos, e Giacchino os acompanha com um tema mais próximo de seu estilo mais caloroso e humanista de Super 8 (idem, 2011). Há também um tema ameaçador para o Indominus Rex, outro para os seguranças militarizados da InGen, liderados pelo sinistro Vic Hoskins (Vincent D’Onofrio), e outro para o protagonista do longa, o “domador de velociraptors” Owen Grady (Chris Pratt), que ajuda Claire a resgatar os sobrinhos.

O disco, cujas faixas acompanham a ordem do filme, apresenta primeiramente a introdução ao Jurassic World e às maravilhas que o parque oferece. Após um início ameaçador, com Bury the Hatchling, que traz o tema do Indominus Rex em cordas, trompas, xilofone e um coro sinistro, vem um trio de faixas que apresenta a despedida dos irmãos de seus pais e sua chegada ao resort de dinossauros, na Ilha Nublar. The Family That Strays Together traz, como o título diz, o tema da família, em piano, harpa e cordas, e Welcome to Jurassic World tem o retorno do icônico tema de Williams, num majestoso arranjo de Giacchino, com orquestra e coral. Na sequência, a melhor faixa do álbum: As the Jurassic World Turns traz o novo tema do parque numa grandiosa e emocionante interpretação, descrevendo bem o sonho realizado de um parque com dinossauros vivos. Os metais e as cordas fazem uma bela interpretação do segmento principal, com acompanhamento de madeiras, percussão (cujo ritmo quase lembra um samba) e cellos. A melodia pode até remeter de longe o tema de Howard Shore para Dáin Pé-de-Ferro, na trilha de O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos (The Hobbit: The Battle of the Five Armies, 2014), mas certamente é uma das mais belas já compostas por Giacchino. A faixa se encerra com a icônica fanfarra da Ilha Nublar.

Temos o primeiro vislumbre de ação em Clearly His First Rodeo, que já mostra o ritmo acelerado das faixas deste tipo no score, com frases rápidas de metais, cordas e percussão, e a primeira aparição do tema de Owen em 0:51, nos xilofones, em meio a um momento de tensão. Em seguida, o clima do cue é mais animado, com uma interpretação doce e inocente da primeira parte do tema do parque em flautas (agindo, assim, como um tema para Gray), em 02:13, e o surgimento de um novo motivo, ao final, em alegres violinos. Owen You Nothing continua neste mesmo estilo, com as cordas e madeiras interpretando uma melodia leve e romântica, refletindo a tensão sexual que existe entre Owen e Claire. Porém, as coisas começam a mudar a partir de Indominus Wrecks, que traz diversos crescendos de suspense, em quase sete minutos, com cordas rápidas, percussão e, claro, a participação do tema do vilanesco dinossauro híbrido, demonstrando a tensão crescente da fuga do animal.

Gyrosphere of Influence é outra bela faixa, com o retorno do novo tema do parque em cordas, trompete e coro, bem como do alegre motivo da quinta faixa, além de alguns momentos de suspense que lembram o trabalho de Giacchino na série Lost. Pavane for a Dead Apatosaurus, porém, tem um clima mais triste, com melancólicas interpretações do tema da família, ao início, e o do parque, em 01:44, com piano e cordas, este último aparecendo sem sua grandiosidade ou imponência, mostrando o lugar triste que o parque virou após o massacre do Indominus. Em seguida, vem o tema militar, em ritmo de marcha, para trompas, cordas e percussão. A curta Fits and Jumpstarts começa com o tema da família, que logo dá lugar a ostinatos de cordas animados, incluindo uma rápida aparição do tema de Gray, conforme os irmãos elaboram um plano para escapar do perigo.

A ação toma boa parte do disco, assim como do filme, começando com The Dimorphodon Shuffle, que começa com notas rápidas dos sopros, desenvolvendo-se numa melodia enérgica. É importante notar que Giacchino seguiu basicamente o mesmo estilo ágil empregado por Williams nos dois primeiros filmes da franquia, bem como o do compositor da subestimada trilha do terceiro, Don Davis. Isto fica claro a partir de Love in the Time of Pterosauria, em que o compositor descreve o ataque dos pterossauros ao público com trompetes e violinos rápidos, alternando-se com crescendos dramáticos de cordas, que aumentam a tensão cada vez mais. As orquestrações aqui são cruas e secas, nada de eletrônicos para “engrandecer” o som. Ao final, o tema da família, numa bela interpretação, conforme ela finalmente se reúne.

Em Chasing the Dragons, há a interpretação mais completa do tema de Owen, a cargo de metais, e com as cordas e a percussão fazendo o acompanhamento, enquanto ele e os velociraptors saem para perseguir o Indominus. Quando eles o encontram, ouvimos violinos de suspense e o tema da criatura de maneira ameaçadora nas trompas. Raptor Your Heart Out continua de onde a anterior parou, com um ritmo mais acelerado, e a orquestra (composta por nada menos que 102 músicos) a todo vapor. Além do estilo parecido com o de Williams, e as frases rápidas nos trompetes lembrando o próprio tema dos Raptors da trilha do primeiro filme, o ritmo conduzido por cordas e piano em determinado ponto também é bastante reminiscente da clássica Aliens: O Resgate (Aliens, 1986), de James Horner. Destaca-se também o aparecimento dos temas de Gray e Owen, um seguido do outro, a partir de 02:35.

O clímax prossegue em Costa Rican Standoff, com uma melodia enérgica para percussão e metais, e sombrias participações do tema de Owen e do Indominus Rex. Ao final, uma grandiosa interpretação da fanfarra da Ilha, do primeiro longa. Já Our Rex is Bigger Than Yours acompanha o grande confronto de dinossauros do fim do longa. Após um início de suspense, logo vem o novo tema do parque, numa versão heroica e grandiosa, seguido por um trecho brutal, com coral e percussão, lembrando quase uma dança tribal. A faixa culmina numa conclusão grandiosa, incluindo até mesmo uma sugestão do tema de Williams para O Mundo Perdido: Jurassic Park (The Lost World: Jurassic Park, 1997), em 01:51.

Growl and Make Up se passa logo após a conclusão do clímax, e do desastre ocasionado pela fuga do Indominus. Ele traz, assim, uma versão triste e melancólica do tema do parque, nas trompas e cordas. Em Nine to Survival Job, a família foi completamente reunida após tanta confusão, e, dessa forma, seu tema aparece numa doce interpretação com piano e orquestra. Em seguida, a última cena do filme é acompanhada por toda a orquestra e o coral, numa bela e épica apresentação do tema do parque. The Park is Closed começa com o tema do primeiro filme, que se transforma no tema do parque de Giacchino, servindo, assim, como uma passagem hipotética do bastão de Williams para Giacchino, da velha para a nova franquia. E ainda dá tempo de mais uma suíte da trilha, que, em doze minutos, apresenta, nesta ordem, os temas do Indominus, o militar, o da família e o de Owen.

O disco também inclui algumas faixas bônus, que repetem o problema de outros álbuns, que as posicionam ao fim do score. It’s a Small Jurassic World, The Hammond Lab Overture e The Brockway Monorail são as típicas marchas pomposas que ouvimos em parques temáticos, enquanto Sunrise O’er Jurassic World, composta por Mick Giacchino (filho do compositor), serve de música diegética no filme, como tema de uma das atrações do parque. É uma composição até relativamente impressionante, lembrando scores como A História de Elsa (Born Free, 1966) – seria o filho de Giacchino o próximo John Barry?

É altamente improvável que, caso os espectadores saiam do cinema assobiando alguma música do filme, ela seja do material original de Giacchino. Afinal, ninguém atualmente em atividade pode se comparar a Williams, quando o assunto é compor temas memoráveis. Porém, o profissionalismo de Giacchino ao respeitar o material original, e ainda entregar composições próprias de qualidade, que servem para avançar a franquia, deve ser elogiado. Em outros reviews, já mencionei o quanto 2015 tem sido um ano impressionante para o sujeito, e Jurassic World apenas confirma isso. Recomendo a trilha a todos aqueles que gostam de um bom score de aventura.

Faixas:

1. Bury the Hatchling 1:56
2. The Family That Strays Together 1:00
3. Welcome to Jurassic World 2:08
4. As the Jurassic World Turns 5:30
5. Clearly His First Rodeo 3:28
6. Owen You Nothing 1:19
7. Indominus Wrecks 6:11
8. Gyrosphere of Influence 3:14
9. Pavane for a Dead Apatosaurus 4:44
10. Fits and Jumpstarts 1:31
11. The Dimorphodon Shuffle 2:13
12. Love in the Time of Pterosauria 4:30
13. Chasing the Dragons 2:54
14. Raptor Your Heart Out 3:50
15. Costa Rican Standoff 4:37
16. Our Rex Is Bigger Than Yours 2:41
17. Growl and Make Up 1:16
18. Nine to Survival Job 2:33
19. The Park Is Closed 1:38
20. Jurassic World Suite 12:53
21. It’s a Small Jurassic World 1:43
22. The Hammond Lab Overture 1:07
23. The Brockway Monorail 1:45
24. Sunrise O’er Jurassic World 2:06

Duração total: 76:47

Tiago Rangel
Anúncios

15 opiniões sobre “Resenha de Trilha Sonora: JURASSIC WORLD – Michael Giacchino”

  1. “É altamente improvável que, caso os espectadores saiam do cinema assobiando alguma música do filme, ela seja do material original de Giacchino.”

    Claro que há o saudosismo, a nostalgia do primeiro filme mas, o tema que o Giacchino fez para o Owen, é uma coisa de louco! Dá para assobia-lo numa boa :D . Assim como os motivos militares da InGen, o tema da familia (na suite, ele é belissimamente interpretado no piano). O album está cheio de momentos excelentes. Eu gostei muito, mas muito mesmo, deste score.

    E, como eu disse no meu comentario anterior, o ano de 2015 é, em definitivo, de Michael Giacchino. Três scores indo do ótimo ao excelente e com uma qualidade temática fantástica. Não tenho duvidas de que Inside Out, seguirá o mesmo caminho trilhado até agora.

    Eu venho acompanhando sua carreira, desde Protocolo Fantasma. E é incrivel notar a evolução dele. Até seu trabalho mais “fraco” em Dawn of Planet of the Apes, é bom de se ouvir.

    Não posso dizer que Giacchino, será o proximo John Williams. Acho que nem faz sentido comparar-lo ao mestre. Michael está sendo ele mesmo, evoluindo seu estilo, encontrando sua voz e, o mais importante, dominando vários generos filmicos, tal como Jerry Goldsmith fez em seu inicio de carreira (imagine só o que ele faria com um terror?)

    Uma coisa é certa: Giacchino está indo cada vez mais longe. E, acompanhar a sua carreira, está sendo uma experiencia maravilhosa para mim.

    Curtir

  2. Uma coisa que não pode passar despercebida: quando foi anunciado os detalhes da trilha (o nome dos cues), foram listados 23 deles, o CD tem 24 e, alguns deles são bem diferentes.

    1. Bury the Hatchling
    2. The Family That Strays Together
    3. Welcome to Jurassic World
    4. Does This Dino Make Jurassic Look Big
    5. As the Jurassic World Turns
    6. Clearly His First Rodeo
    7. A Glorified Petting Zoo
    8. Owen You Nothing
    9. Indominus Wrecks
    10. Gyrosphere of Influence
    11. Pavane for a Dead Apatosaurus
    12. Fits and Jumpstarts
    13. The Dimorphodon Shuffle
    14. Love in the Time of Pterosauria
    15. Chasing the Dragons
    16. Raptor Your Heart Out
    17. Costa Rican Standoff
    18. The Teeth Degree
    19. Our Rex Is Bigger Than Yours
    20. Growl and Make Up
    21. Nine-To-Survival Job
    22. The Park Is Closed
    23. Jurassic World Suite

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s