ScoreTrack.net

Cinema, DVD, Blu-ray, Trilhas Sonoras

MÚSICA EM CENA: Encontro com Morricone

Tarso, Morricone e Fernando
Tarso, Morricone e Fernando

Em 1994, aos 14 anos, conheci a música de Ennio Morricone. Foi um assombro! Aqueles assobios, o coro forte das vozes masculinas e o som dos instrumentos inusitados me tomaram de assalto. Era Uma Vez no Oeste foi a primeira de muitas partituras que me fizeram chorar. Depois conheci Cinema Paradiso e a dramática e romântica trilha de Era Uma Vez na América. Aos poucos fui me interando da obra de Morricone, e hoje posso dizer que sou um grande conhecedor de sua música. Não só da música para cinema, mas também de sua música de concerto e de suas composições e seus arranjos para cantores populares de todo o mundo.

Como toco piano, comecei a transcrever suas músicas e as incorporei em meu repertório. O público que me ouve tocar sempre vai ouvir Ennio Morricone. Hoje tenho um grande arquivo de partituras transcritas por mim (até porque é bem difícil encontrá-las no Brasil). Falei um pouco sobre mim para dar a dimensão da importância que a música de Morricone tem em minha vida. E para que seja compreendido o quão emocionante foi  estar com Il Maestro.

Em 14 de maio de 2005, tive o que até então seria a maior emoção da minha vida musical. Assisti ao concerto de Morricone em Florença. Lá conheci uma pessoa que viria a se tornar um amigo: o flautista Paolo Zampini, que participou da gravação de muitas trilhas como Secret of the Sahara, City of Joy, Ninfa Plebea e Bugsy, me recebeu na porta do Mandela Forum. Naquele dia tentei chegar ao camarim, mas não consegui. Guardei a emoção daquele concerto como se fosse o único, mas ainda acreditava que um dia poderia falar com o mestre. Quando soube do concerto de Morricone no Rio de Janeiro, que abriria o MÚSICA EM CENA – 1º Encontro Internacional da música de Cinema, achei que seria a minha oportunidade e que através de meu amigo falaria com o maestro. Mas Zampini me disse que não viria, então percebi que não seria uma tarefa fácil. No dia 5 de maio de 2007 cheguei ao Rio de Janeiro vindo de Vitória, ES. Um grande amigo meu voou de São Paulo para o Rio para nos encontrarmos lá e assistirmos ao concerto juntos. Com ele vieram mais um amigo e sua família, e nos transformamos em um grupo de seis pessoas, todos fãs do compositor.

Tarso e Susanna Rigacci
Tarso e Susanna Rigacci

Às 14h, Fernando Polaco, um dos maiores colecionadores de trilhas sonoras do cinema europeu no Brasil, foi ao Theatro Municipal do Rio para tentar entrar no ensaio do concerto que seria às 21:30h, enquanto eu e a turma fomos ao Hotel onde supostamente ele estaria hospedado. Não obtivemos sucesso. Mas essa seria apenas a primeira tentativa. No teatro, Fernando recebeu o conselho para voltar às 19h. E foi o que fizemos. Chegamos pontualmente e fomos para os fundos do teatro. Um rapaz nos recebeu e nos disse que não seria possível falar com o maestro naquele momento. Não satisfeitos, voltamos ao mesmo lugar meia hora depois. Fernando tinha levado uma camisa do Santos Futebol Clube para presentear Morricone com uma lembrança de nossa cidade e então, com esse pretexto, chamamos novamente uma pessoa responsável que pudesse nos ajudar. Mas desta vez aconteceu o inesperado. Desceu um rapaz careca e muito simpático, falando em italiano e se dizendo seu “manager”. Ele nos recebeu muito bem e nos disse que após o concerto teria uma fila de cumprimentos. Não acreditamos, mas voltamos para a longa fila que já se formava na porta do Municipal.

Assistimos ao concerto na galeria, e foi fantástico. O público o aplaudiu de pé por 15 minutos e ele foi obrigado a fazer três bis. A Orquestra Petrobras Sinfônica se mostrou à altura da importância do evento e interpretou muito bem seu repertório. Mas nós não estávamos satisfeitos e não iríamos desistir do encontro. Enquanto a orquestra tocava o último bis, levantamo-nos e fomos para a porta do camarim. Um segurança disse: “Daqui eu não saio!”. E foi então que a porta se abriu e surgiu aquele italiano careca e simpático. Ele nos viu e disse: “Aspetta che io ti chiamo”, e em dois minutos ele voltou: “Due, due” disse olhando para nós. Era a nossa vez! Com o sorriso no rosto, entramos e logo à nossa direita, em seu camarim, estava Ennio Morricone. Quanta emoção! Entramos e fomos logo cumprimentá-lo. Ficamos a sós com ele e com sua esposa Maria em seu camarim, por uns 5 minutos. Fernando lhe deu a camisa do Santos e ele se mostrou surpreso e contente com o presente. E eu olhei pra ele e disse: “Você é o maior compositor do mundo. O maior de todos os tempos”. Ele me olhou, me deu um sorriso e timidamente me respondeu: “Grazie” e apertou minha mão. Quanta humildade! Quanta simpatia! Quanta genialidade!

Tarso e Gilda Buttà
Tarso e Gilda Buttà

Eu e Fernando aproveitamos a credencial para falarmos ainda com Gilda Buttà, pianista virtuose que admiro há algum tempo, e com a grande soprano Susanna Rigacci, dona de uma das vozes mais belas do mundo. As duas nos receberam muito bem e pudemos conversar bastante. Ambas consideraram o concerto maravilhoso, belíssimo. E pareciam surpresas com o carinho do público brasileiro.

Este dia ficará marcado não só na minha vida ou na de Fernando, mas na história da música no Brasil, pois enquanto grandes maestros da atualidade regem orquestras pelo mundo afora com um repertório erudito que inclui Beethoven, Mozart ou Bach, Ennio Morricone viaja o mundo regendo a sua própria obra, que em minha opinião pode se comparar à dos grandes compositores de todos os tempos. E por este motivo o concerto do dia 5 de maio só terá sua importância dimensionada daqui a alguns anos.

Texto e Imagens: Tarso Ramos

Enhanced by Zemanta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: