Star Trek: Discovery Episode 1×12 – “Vaulting Ambition” (2018)
Elenco: Sonequa Martin-Green, Jason Isaacs, Michelle Yeoh, Shazad Latif, Doug Jones, Anthony Rapp, Mary Wiseman, Mary Chieffo, Wilson Cruz
Roteiro: Jordon Nardino
Direção: Hanelle M. Culpepper
Cotação

ATENÇÃO: caso você ainda não tenha assistido ao décimo segundo episódio da primeira temporada de Star Trek: Discovery, o texto a seguir contém Spoilers.

Não há dúvida de que a série ganhou um novo ímpeto a partir da ida da USS Discovery ao Universo Espelho, o que desencadeou várias reviravoltas e revelações – muitas já antecipadas por quem acompanha nossas resenhas.

Neste episódio, a pretexto de entregar o traidor Capitão Lorca (Jason Isaacs), Burnham (Sonequa Martin-Green) vai até a nave capitânia da Imperatriz Georgiou (a sempre bem-vinda Michelle Yeoh) para acessar mais informações sobre a USS Defiant – no caso, as coordenadas do espaço interfásico que a levou ao Universo Espelho.

O encontro inicial entre as duas é tenso (inclusive com a revelação de que naquele universo os kelpianos, além de escravos, são consumidos como gado pela Imperatriz), porém as coisas se acalmam, já que a Burnham paralela é filha de criação de Georgiou. Mas a tranquilidade dura pouco: Georgiou acusa Burnham de traí-la com Lorca e a sentencia à morte. Sem outra opção, Burnham revela ser de outro universo, do qual Georgiou possui muitas informações graças aos registros da Defiant.

A Imperatriz então toma conhecimento da forma pela qual a Discovery chegou ao Universo Espelho – graças ao motor de esporos – e propõe um acordo a Burnham: a troca das coordenadas pelos esquemas do motor. De todo este encontro, porém, o detalhe mais revelador é a sensibilidade à luz de Georgiou, que é característica dos humanos paralelos… e de Lorca. Isso leva Burnham a deduzir, corretamente, que o excêntrico Capitão da Federação é, na verdade, sua versão do Universo Espelho (da qual, aliás, a Burnham paralela era amante!), que este tempo todo estava tentando voltar para casa.

Na Discovery, Tyler (Shazad Latif) está na enfermaria da nave, com seu corpo perecendo devido ao conflito entre as personalidades humana e klingon. Como último recurso para salvá-lo, Saru (Doug Jones) recorre à cativa L’Rell (Mary Chieffo), que concorda em auxiliar seu ex-amante Voq. Ela explica a Saru que o material genético e a personalidade do Tyler original, capturado na batalha das estrelas binárias, foram incorporados ao corpo alterado de Voq. Usando tecnologia klingon ela aparentemente tem sucesso, porém deduzo, pelo grito de morte klingon de L’Rell ao final, que a consciência de Voq foi ao encontro de Khaless…

Por sua vez, Stamets (Anthony Rapp) continua em coma, preso na rede micelial. Como já se antecipara no episódio anterior, ele encontra sua versão Espelho, também presa na rede como consequência de uma experiência mal sucedida com os esporos na nave imperial, a ISS Charon. Os dois se unem para encontrar uma saída, mas a resposta (bem simplória, aliás) é dada pelo que restou da consciência do Doutor Culber (Wilson Cruz), que surge pela última vez para se despedir do seu companheiro. E com direito a repeteco da fofa cena dos dois de pijama, escovando os dentes. Após este interlúdio romântico os dois Stamets recuperam a consciência, respectivamente na Discovery e na nave imperial.

O episódio termina com Lorca matando brutalmente o oficial do Império que o torturava, o que é um indicativo de que ele está além de qualquer reabilitação e provavelmente a Discovery terá um novo Capitão na próxima temporada. O que é uma pena, já que tanto o personagem como Jason Isaacs farão grande falta à série. No mais, deixe seu comentário abaixo, dizendo o que achou deste episódio, e até a próxima semana!

Jorge Saldanha

Anúncios