Star Trek: Discovery Episode 1×4 – The Butcher’s Knife Cares Not for the Lamb’s Cry (2017)
Elenco: Sonequa Martin-Green, Jason Isaacs, Doug Jones, Anthony Rapp, Mary Wiseman, Mary Chieffo, Wilson Cruz, Rekha Sharma, Michelle Yeoh, Kenneth Mitchell. Javid Iqbal
Roteiro: Jesse Alexander, Aron Eli Coleite
Direção: Olatunde Osunsanmi
Cotação:

ATENÇÃO: caso você ainda não tenha assistido ao quarto episódio da primeira temporada de Star Trek: Discovery, o texto a seguir contém Spoilers

Em seu quarto episódio Star Trek: Discovery segue firme em sua intenção de surpreender – e até mesmo chocar – os fãs da franquia. Vemos o retorno dos Klingons, a bordo da nave-sarcófago à deriva do finado T’Kuvma, e já num dos primeiros diálogos entre o albino Voq (Javid Iqbal) e L’Rell (Mary Chieffo) descobrimos que eles devoraram o corpo da Capitã Georgiou (Michelle Yeoh, que ao final retorna em uma tocante mensagem holográfica para Burnham). Após recuperar a mobilidade de sua nave utilizando o dilítio que restou nos destroços da USS Shenzhou, eles são abordados por Kol (Kenneth Mitchell). Numa mostra de que estes novos Klingons não prezam tanto a honra, Voq é abandonado para morrer na Shenzhou, enquanto Kol e sua turma levam a nave-sarcófago, a única que possui dispositivo de camuflagem, para lutar contra a Federação. Mas nem tudo está perdido para Voq: L’Rell se teletransporta para a Shenzhou e lhe diz que há uma forma de virar o jogo.

Na USS Discovery, Burnham ganha seu uniforme e recebe uma tarefa inesperada do sombrio (literalmente) Capitão Lorca (Jason Isaacs): juntamente com a Oficial de Segurança Landry (Rekha Sharma), ela deverá estudar o tardígrado gigante na esperança de que isso ajude a desenvolver alguma arma a ser empregada contra os Klingons. Sobre Lorca, com sua aversão à luz e coleção de relíquias (que inclui até o esqueleto de um Gorn, que em tese seria uma raça desconhecida da Federação naquele período), com apenas dois episódios ele já se consolidou como o Capitão mais atípico da franquia, tomado por um espírito belicista que o levará a fazer de tudo para vencer a guerra. Talvez o que mais se aproxime desse perfil seja o Capitão Archer na 3ª temporada de Star Trek: Enterprise, que teve como arco a guerra contra os Xindi. Adepta de uma abordagem mais direta e menos científica, Landry é morta de forma bem violenta e explícita pela criatura, a quem antes batizara “carinhosamente” de Estripador, ao tentar extrair uma amostra do seu corpo para estudos.

Enquanto isso Lorca recebe uma missão urgente da Frota Estelar: usando o motor de esporos experimental, a Discovery deverá chegar a uma remota colônia de mineração de dilítio que está sob o ataque de Aves de Rapina Klingon. A primeira tentativa de salto, coordenada pelo irascível Tenente Stamets (Anthony Rapp), é mal sucedida, e lança a Discovery perigosamente próxima a uma estrela gigante, da qual escapa por pouco. Para sorte de todos, Burnham descobre que o Estripador possui uma relação simbiótica com os esporos e pode ser usado para navegar com segurança pelos fluxos espalhados pela galáxia, mas para tanto deve ser colocado no núcleo do motor. Lorca autoriza o procedimento, que se revela extremamente doloroso para a criatura, e o segundo salto é bem sucedido, colocando a Discovery instantaneamente no centro do combate. A luta é curtíssima, a ponto de os colonos não conseguirem identificar quem destruiu as naves Klingons antes de sumir misteriosamente – forte indício de que as futuras missões da Discovery também poderão ocorrer no anonimato.

O sucesso da missão é mais um passo de Burnham para conquistar o respeito de Lorca, Stamets e do restante da tripulação, porém Saru (Doug Jones) e seus gânglios de perigo ainda não estão totalmente convencidos. Por outro lado ela passa a enfrentar um dilema ético no melhor estilo Star Trek: ela agora sabe que o Estripador é uma pacífica criatura comedora de esporos que só mata para se defender, e no entanto terá de ser usada em um doloroso processo a cada vez que a nave for usar o motor experimental. Como Lorca já deixou bem claro que não terá escrúpulos para fazer de tudo para ganhar a guerra (daí o título do episódio, “A Faca do Açougueiro não se Importa com o Choro do Cordeiro”), podemos esperar para breve um confronto dele com Burnham a respeito.

No geral este foi mais um episódio que atesta o grande potencial que possui Star Trek: Discovery, ainda que não tenha sido tão bom como o anterior. Vimos pela primeira vez nossa nave em ação, e graças a dois incidentes violentos (as fraturas no rosto de Stamets após o primeiro salto fracassado e a morte de Landry) conhecemos o médico da nave, o Dr. Culber (Wilson Cruz), que deverá ter maior destaque no futuro. Houve interessantes desdobramentos no lado dos Klingons, revimos Georgiou (ainda que apenas em holograma), Burnham fez progresso em sua aceitação pela tripulação e, mais significativamente, tivemos um dilema ético/científico bem característico da franquia. Ou seja, nos faz querer assistir mais, e que continue assim.

Jorge Saldanha

Anúncios