jonsnow_winterfell_battle

Resenha de Trilha Sonora: GAME OF THRONES SEASON SIX – Ramin Djawadi


got_s6_CDMúsica composta por Ramin Djawadi
SeloWaterTower Music
Formato: CD
Lançamento: 24/06/2016
Cotação: star_3_5

Atenção: este texto irá dar alguns SPOILERS do sexto ano de Game of Thrones. Prossiga apenas se já tiver assistido a todos os episódios televisionados da série até então.

Depois da extremamente polêmica (e violenta) quinta temporada, Game of Thrones tinha uma dura missão pela frente no sexto ano da série: dar continuidade à história sem ter os livros do autor George R.R. Martin como guia. Afinal, a saga literária As Crônicas de Gelo e Fogo, que inspirou a série televisiva, tem apenas cinco dos sete livros publicados, cuja história em boa parte já foi ultrapassada ou modificada pelo programa da HBO. Felizmente, a série conseguiu caminhar sozinha, e a sexta temporada recebeu a aclamação da crítica e do público por episódios como The Door, Battle of the Bastards e The Winds of Winter, além de bater recordes de audiência, cimentando o caráter da série como um autêntico hit global.

A sexta temporada da série também foi especial para o compositor alemão (descendente de iranianos) Ramin Djawadi. Após um início tímido nos primeiros anos do programa, em que a música mais lembrada pela audiência era apenas o (já icônico) tema de abertura, o músico foi ganhando mais confiança a cada temporada e, para o novo ano, escreveu um dos melhores scores de toda a série – além de um cue que já rivaliza em popularidade com os Main Titles (como de costume, reprisados aqui na primeira faixa).

Trata-se de Light of the Seven, presente no disco lançado pela WaterTower Music. Tal faixa possui cerca de nove minutos, ouvidos de forma intercalada ao longo da sequência de abertura do último episódio da temporada, The Winds of Winter. Esta cena acompanha o clímax do núcleo passado em Porto Real, capital de Westeros, em que a Fé Militante, o grupo religioso fanático que efetivamente passou a comandar a cidade, irá julgar a rainha-mãe Cersei Lannister e Loras, o herdeiro da Casa Tyrell. Entretanto, mal sabem os religiosos que estão sendo conduzidos para uma explosiva armadilha de Cersei, que planeja recuperar o controle da capital e se vingar das humilhações sofridas no ano anterior…

Para uma sequência que aborda vários personagens e constrói a tensão da cena com cuidado, Djawadi optou por musicá-la de forma minimalista: pela maior parte do cue, ele utiliza apenas um piano, um órgão (ambos tocados pelo próprio compositor), dois garotos sopranos, um violino e um cello, que se alternam ao longo da faixa. Esse estilo minimalista me lembrou da faixa London Calling, na trilha de Michael Giacchino para Além da Escuridão: Star Trek (Star Trek Into Darkness, 2013), que também usava um piano para acompanhar uma cena de tensão crescente e final explosivo, enquanto o órgão, claro, é reminiscente de Hans Zimmer e seu score para Interestelar (Interstellar, 2014). Por outro lado, Djawadi soube utilizar com inteligência os recursos minimalistas à sua disposição: a primeira metade da faixa traz uma melodia melancólica para piano e cordas, que criam uma ambientação triste e derrotista para a sequência. Porém, a tensão aumenta progressivamente quando ouvimos as vozes dos garotos sopranos, combinadas ao órgão e às cordas, como o ódio crescente de Cersei estivesse prestes a (literalmente) explodir, o que ocorre no clímax da faixa, em que a orquestra finalmente aparece. Assim, a ousadia do compositor em sair da zona de conforto resultou num dos momentos mais memoráveis da história da série, que não passou despercebido pela crítica e pelos fãs: Light of the Seven atingiu a primeira posição no Spotify em seu lançamento, segundo a Billboard.

E, apesar desta ser a faixa mais famosa, o fato é que The Winds of Winter foi um dos episódios mais bem musicados de toda a série. Além de Light of the Seven, alguns outros ótimos cues do episódio estão presentes, como Maester, que apresenta uma belíssima, nobre e reverente escrita para cordas para a cena em que Sam e Gilly chegam à Cidadela. Depois, a bonus track The Tower, após uma solene passagem para um cello solo, finaliza com uma dramática performance orquestral do tema da Casa Stark (um dos veteranos da primeira temporada da série), marcando uma das principais revelações da série. Já a sequência Hear Me Roar, Winter Has Come e The Winds of Winter acompanham os principais cliffhangers da temporada. A primeira traz de volta a melodia ouvida em Light of the Seven, agora combinada à sombria The Rains of Castamere, o tema da Casa Lannister, enquanto a outra reprisa o tema da Casa Stark e o tema principal, de forma orquestral e fatídica, para uma cena-chave do episódio. Por fim, a faixa homônima ao episódio (e ao misterioso e ainda não lançado sexto livro d’As Crônicas de Gelo e Fogo) é uma das típicas peças de Djawadi para coro e orquestra que costumam encerrar as temporadas, algo que não ocorreu apenas na segunda e na quinta. No caso aqui, trata-se de uma melodia triunfal, com cânticos do coro, muita percussão e orquestrações grandiosas, e faz uma interessante combinação dos temas da “Mãe dos Dragões”, Daenerys Targaryen, e da Casa Greyjoy (aqui com arranjos mais triunfais e menos sombrios), representando a aliança entre ambas.

O disco inclui também a música ouvida em outros momentos cruciais da temporada. A longa Hold the Door acompanha a já marcante cena de encerramento do sexto episódio. Ela se inicia como uma faixa de ação extremamente sombria, com baixos, pianos graves, percussão e acompanhamento eletrônico, além do sinistro motivo dos White Walkers, ou Caminhantes Brancos. Entretanto, ela se encerra com o tema Stark interpretado de forma dramática e triste num cello solo e cordas, para a sequência que emocionou os fãs do show. Enquanto isso, do outro lado do mundo onde a história se passa, Daenerys Targaryen teve uma grande temporada, em que continuou a ser representada musicalmente com corais quase religiosos e orquestrações grandiosos por Djawadi, que retratam seu caráter quase messiânico, como em Blood of My Blood e Khaleesi. Já em Reign o compositor transforma o tema da personagem numa heroica fanfarra, com coro, orquestra e percussão.

O outro protagonista da história, o recém-ressuscitado Jon Snow, ganha pela primeira vez de Djawadi um tema para chamar de seu. Nas temporadas anteriores, suas ações eram acompanhadas pela música relacionada à Patrulha da Noite, o grupo de defensores da Muralha do qual fazia parte, e que ele decidiu abandonar devido à chocante traição sofrida na temporada anterior. Tal tema é introduzido em My Watch Has Ended num triste e pesaroso cello solo, que mostra a dor e o sofrimento que o personagem carrega, e, depois, é presença fundamental na principal cena de batalha da temporada. Falo, claro, da Batalha dos Bastardos, o conflito entre Snow e o psicótico Ramsay Bolton que foi a maior sequência do tipo já vista até então no programa. Ela começa em Let’s Play a Game que, diferentemente do que se poderia imaginar para uma música de batalha, inicia com cordas dissonantes e texturas eletrônicas secas, antes de passar para melodias de ação convencionais, com uma dramática performance do tema de Jon Snow ao final. O conflito continua em Bastard, típica faixa de ação da série, com cordas e percussão, além de trombones (seria interessante se Djawadi se arriscasse um pouco mais nesse tipo de música nas próximas temporadas) e uma versão triste e derrotada do tema do personagem no violoncelo. Por fim, as forças Stark emergem vitoriosas no último segundo em Trust Each Other, que combina o tema principal e o da família, com percussão e arranjos triunfais.

Admito que, inicialmente, nem estava em meus planos escrever sobre a trilha da sexta temporada da série. Entretanto, permanece o fato de que o score desse ano possui algumas das melhores composições de Djawadi para a série, justificando, portanto, um texto. Com belas faixas, um tema novo e interessantes interpretações dos antigos, além de, claro, a excelente Light of the Seven, é perceptível a evolução do músico ao longo dos seis anos da série.

Dessa forma, se hoje em dia vivemos o que muitos críticos chamam de “Era de Ouro” da televisão, podemos ver também que a música para as séries de TV estão num ótimo momento, com scores memoráveis e de ótima qualidade. A música de Djawadi para Game of Thrones certamente é um deles, junto com o de Jeff Beal para House of Cards, a trilha de Abel Korzeniowski para Penny Dreadful, o de Jeff Russo para Fargo, e os trabalhos de Bear McCreary em diversas programas. E, com Game of Thrones se encaminhando para suas duas temporadas finais, tenho plena confiança de que Djawadi será tão marcante quanto.

Faixas:

1. Main Titles 1:51
2. Blood of My Blood 3:35
3. Light of the Seven 9:49
4. Needle 2:56
5. Coronation 1:46
6. Feed the Hounds 3:08
7. My Watch Has Ended 2:53
8. The Red Woman 3:17
9. Hold the Door 7:21
10. Khaleesi 3:05
11. Maester 2:52
12. A Painless Death 3:22
13. Reign 3:16
14. Let’s Play a Game 5:51
15. Bastard 5:05
16. Trust Each Other 3:09
17. Winter Has Come 3:14
18. Hear Me Roar 2:16
19. The Winds of Winter 3:29
BONUS TRACKS:
20. Lord of Light 4:16
21. Service of the Gods 2:48
22. I Need You by My Side 2:36
23. The Tower 2:33
24. Unbowed, Unbent, Unbroken 1:44
25. I Choose Violence 1:48
26. Hodor 2:24

Duração: 90:24

Tiago Rangel

3 opiniões sobre “Resenha de Trilha Sonora: GAME OF THRONES SEASON SIX – Ramin Djawadi”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s