Stiletto_CDMúsica composta e regida por por Sid Ramin
Selo: Vocalion
Catálogo: CDSML 8501
Lançamento: 15/11/2013
Cotação: star_5

Todo colecionador de trilhas sonoras tem, ou já teve, o seu “Santo Graal” – aquela trilha (ou trilhas) de que gosta bastante mas que era dificílima de encontrar. Também tive minha quota de desejadas soundtracks que pareciam impossíveis de adquirir, mas com o advento do CD e o relançamento, no formato, de LPs há muito fora de catálogo, além das facilidades de importação via internet, minha lista reduziu-se drasticamente. Nunca chegou a zero, é verdade, mas como meu hobby colecionístico arrefeceu (custo elevado, falta de espaço físico, acesso aos downloads digitais, etc.), basicamente esqueci daqueles títulos remanescentes. Um deles era a trilha sonora composta por Sid Ramin para Stiletto (1969), filme do diretor Bernard L. Kowalski baseado em um livro de Harold Robbins, e cujo LP da CBS/Columbia, lançado à época, posteriormente foi muito usado como música de fundo em filmes de kung fu, novelas e comerciais.

O longa seguiu a linha daquelas sofisticadas aventuras policiais ou de espionagem com locações internacionais, muito em voga nos anos 1960, mas apesar de um bom elenco que trazia Alex Cord, Britt Ekland, Patrick O’Neal, Joseph Wiseman e pontas dos futuros astros Roy Scheider e Raul Julia, não passava de uma produção B que teve recepção morna de público e crítica. Por sua vez, Sid Ramin sempre foi mais atuante na regência e orquestração de trabalhos para a Broadway e a TV, na maioria das vezes sem ser creditado. Seu currículo como compositor é reduzidíssimo, e possivelmente essas tenham sido as maiores razões para que esta trilha sonora tenha passado 44 anos (!) sem ser relançada em qualquer formato. A bem da verdade, já possuía este trabalho na coleção, mas em uma fita cassete gravada a partir de um LP original pertencente a outro colecionador, a qual posteriormente transferi para CD-R. Apesar da boa qualidade da gravação em cassete, o velho LP fonte tinha chiados e estalos, o que só contribuía para aumentar meu desejo por um relançamento com qualidade de áudio limpa e superior.

Pois bem, o LP da trilha sonora de Stiletto somente foi ganhar uma versão em CD oficial em novembro de 2013 através do selo britânico Vocalion, que fez uma excelente remasterização a partir das fitas analógicas originais. O disco é acompanhado de um detalhado livreto dedicado tanto ao filme como à sua música, que na capa da frente reproduz a arte do LP original, e na de trás o cartaz colorido do filme. O detalhe é que, após décadas de espera e de já ter praticamente abandonado o hábito de colecionar, fui saber do relançamento, do qual não recebemos qualquer divulgação à época, apenas há uns dois meses… por sorte o disco ainda está em catálogo e, através do site da Amazon inglesa, quebrei um jejum colecionístico de anos e comprei o CD por um preço decente. Recebi o disco esta semana e finalmente, com extrema satisfação, pude ouvir o álbum de Stiletto em límpido e cristalino som estéreo (um a menos na lista!).

Mas então, depois de todo esse papo está na hora de finalmente escrever algo sobre a trilha sonora em si, que sem dúvida é o elemento mais perene do filme que acompanhou. Gosto bastante das obras que grandes nomes da Música do Cinema como Henry Mancini, Lalo Schifrin, Quincy Jones, John Barry e Roy Budd compuseram nas décadas de 1960 e 1970, e o trabalho de Ramin em Stiletto nada fica a dever a elas. O CD, que em conteúdo é idêntico ao LP original (com apenas 31 minutos de música, é uma audição leve e rápida para os padrões atuais), traz aquela mistura jazz/pop/big band consagrada por aqueles Mestres.

O álbum inicia em tons lentos e sombrios com Knife Fight on The Hill, minha faixa preferida deste trabalho. Cordas dissonantes vão aumentando de volume até serem intercaladas com percussão e piano, pontuadas por “punhaladas” dos metais que representam o esfaqueamento por um agressor. Tons graves das cordas ajudam a criar uma atmosfera inquietante, e o compositor desenvolve a faixa em uma espécie de crescendo levando os elementos da orquestração até um pico musical dramático, para em seguida fazer a transição para o pegadiço tema principal (que será empregado várias vezes ao longo do score), com um arranjo rítmico de big band sublinhado por um senso de urgência e ameaça criado pelas cordas. Conforme Ramin vai agregando instrumentação ao tema, ele adquire mais ritmo e se transforma numa forte e provocante abertura que estabelece as bases para o restante da trilha.

Na sequência chega Main Title, uma versão jazz/pop mais desenvolvida do tema principal introduzido na primeira faixa. Ramin expande os arranjos e emprega como núcleo da composição um dos instrumentos mais representativos da época, o órgão Hammond. Ao seu redor outros elementos da orquestra ganham espaço para brilhar, como os sofisticados metais apoiados pelas cordas. Já Illeana’s Theme, dedicada à personagem de Britt Ekland, tem uma pegada bossa nova então muito popular em Hollywood, trazendo nos arranjos sopros leves, percussão suave e violinos românticos, tudo enriquecido pelo uso de violão e piano.  O trompete assume o comando da faixa, com os sopros ficando em segundo plano por algum tempo. Sem dúvida, uma faixa que poderia ter sido escrita por Mancini ou Schifrin em seus tempos áureos. Mantendo o tom romântico, Goat Island é uma versão lenta e discreta do tema central, interpretado pelas cordas, cujos arranjos de estilo mediterrâneo são enriquecidos pelo uso do mandolin.

Em Confrontation o score novamente torna-se forte e dramático, com metais acompanhados por percussão rápida, que sustentam uma só nota para criar tensão. A composição segue em ritmo volátil, enquanto o compositor adiciona mais instrumentos, como o então novo sintetizador moog em acordes esporádicos para acentuar o tom de ameaça, aos arranjos típicos de big band de jazz. A próxima faixa, Stiletto, traz a versão do tema central que foi lançada em single em 1969, com um arranjo mais ritmado e pop.  Após uma cadenciada introdução do baixo elétrico, o órgão Hammond mais uma vez ganha destaque, juntamente com a seção de trompetes e, posteriormente saxofones, que conduzem o tema.

A seguir ouvimos Sugar In The Rain, do famoso casal de letristas Alan e Marilyn Bergman, uma sensual canção lounge interpretada com estilo pela cantora Sally Stevens. Ela dá lugar a Follow That Man, que em contraste é agitada e trepidante com seus metais fortes, piano sombrio e intervenções de guitarra. A composição é reforçada pelo uso de címbalos, bateria jazzística e cordas tensas, bem como aparições do tema central.

North West Corner Facing East começa no estilo de Knife Fight on The Hill, sutil e lenta, mas com baixo acústico e o retorno dos acordes ameaçadores do moog, construindo um senso de ambientação nervosa até chegar a uma rápida perseguição. Nesta, Ramin utiliza um piano sombrio, cordas frenéticas, quase atonais, percussão forte e vários metais, até concluir com acordes agressivos do sintetizador. O disco encerra com Tram, uma explosiva combinação de metais, madeiras, guitarra e bateria rápida, que ao final traz uma última e sutil apresentação do tema central, apenas em cordas. Sem dúvida, o fechamento adequado para uma trilha sonora considerada clássica (ainda que, paradoxalmente, hoje pouco conhecida) por muitos Scoretrackers veteranos e que, finalmente, ganhou uma edição em CD à altura, com ótima qualidade de áudio e caprichada apresentação gráfica. Altamente recomendada!

Faixas:

1. Knife Fight On The Hill (02:35)
2. Main Title (04:29)
3. Illeana’s Theme (02:53)
4. Goat Island (02:03)
5. Confrontation (03:32)
6. Stiletto (02:55)
7. Sugar In The Rain (02:45) *
8. Follow That Man (02:57)
9. Northwest Corner Faceing East (04:36)
10. Tram (02:21)

* Lyrics by Alan & Marilyn Bergman, sung by Sally Stevens

Duração total: 31:06

Jorge Saldanha
Anúncios