good_dinosaur_CDMúsica composta por Mychael Danna, Jeff Danna
Selo: Walt Disney Records
Catálogo: D001907402
Lançamento: 20/11/2015
Cotação: star_3_5

O que aconteceria se os dinossauros não tivessem sido extintos pela queda de um asteroide, há 65 milhões de anos? Segundo a nova animação da Disney/Pixar, O Bom Dinossauro (The Good Dinosaur, 2015), eles teriam aprendido a cultivar e a cuidar de fazendas e viveriam nas belas e cinematográficas planícies de Montana como os antigos pioneiros americanos do século XIX. Na trama, o jovem apatossauro Arlo vive com sua família numa fazenda isolada. Quando, porém, uma enchente tira a vida de seu pai e carrega o jovem para longe de casa, Arlo deve enfrentar seus próprios medos para voltar para casa. Ele terá a ajuda, porém, do pequeno humano Spot, um bicho selvagem, porém carismático.

O filme teve um longo processo de produção, no qual o diretor Bob Peterson foi afastado e substituído pelo animador Peter Sohn, ao passo em que o roteiro precisou ser ajustado. Assim, o longa foi adiado em dezoito meses, de maio de 2014 para novembro de 2015, marcando, portanto, o primeiro ano em que a Pixar lançou dois filmes no cinema – o anterior foi o sucesso Divertida Mente (Inside Out, 2015). Infelizmente, isso não impediu que o longa recebesse críticas mornas e uma bilheteria medíocre (embora no Brasil, onde o filme foi lançado no dia 07/01, ele tenha conquistado algum sucesso ao capitalizar em cima das férias escolares).

Durante todo o processo da substituição de Peterson por Sohn, houve também mudanças na contratação do compositor: sai Thomas Newman, que estava prestes a escrever seu terceiro score para a Pixar, e entra Mychael Danna, após Sohn ter se impressionado com seu trabalho vencedor do Oscar para As Aventuras de Pi (Life of Pi, 2012). Assim, o sujeito chamou a ajuda de seu irmão mais novo e também compositor Jeff Danna, com quem ele havia colaborado em trilhas como Um Crime de Mestre (Fracture, 2007) e O Mundo Imaginário do Doutor Parnassus (The Imaginarium of Doctor Parnassus, 2009).

O canadense Danna sempre foi um compositor altamente pessoal. Ele passou boa parte de sua carreira no cinema independente, colaborando com diretores como Atom Egoyan e Ang Lee, permitindo que ele desenvolvesse um estilo ousado, pesquisando e integrando música de quase todas as partes do planeta em suas trilhas. Frequentemente, ele utilizava instrumentações exóticas e coloridas que, combinadas à orquestra, criavam texturas extremamente dramáticas (em alguns casos, até demais), mesmo em projetos mais “comerciais”, como o romance Te Amarei para Sempre (The Time Traveler’s Wife, 2009). Isto também se repete em O Bom Dinossauro, no qual ele e o irmão aproveitaram o cenário do longa para combinar uma orquestra de 85 músicos (conduzida por Nicholas Dodd, seu colaborador habitual) com uma ampla gama de instrumentos da época dos pioneiros e sua peregrinação pelo Velho Oeste.

O primeiro ato do longa situa-se na posse onde Arlo vive com o pai, a mãe e os dois irmãos e, para representar a vida bucólica e simples da família de dinossauros (não como aquela que costumava passar na TV), os irmãos Danna utilizam fiddles, pianos, violões country e bandolins. Faixas como Homestead e Hello Arlo trazem música pastoral e campesina na orquestra e nos instrumentos do tipo, lembrando um pouco as trilhas de Randy Newman que também fazem uso de música Americana, como Seabiscuit – Alma de Herói (Seabiscuit, 2003) ou parte de seu score para outra animação da Pixar, Carros (Cars, 2006) – que também se passava numa versão fantasiosa do interior dos EUA.

É aqui também que aparecem os primeiros temas: logo ao início de Homestead é possível ouvir, num fiddle, o tema da família de Arlo, uma melodia tão interiorana e simples quanto os pais do herói. Já aos 1:23 de Hello Arlo, e logo após performances “caipiras” do tema da família, ouvimos o próprio tema do protagonista, num violão, com acompanhamento de violinos, representando a saída de Arlo de seu ovo. Este tema também será o mais recorrente em toda a trilha, e acompanha todo o arco do protagonista, seja nos momentos mais cômicos em que as dificuldades e os medos do personagem o fazem ser vítima de chacota (como em Critter Problem), seja em seus momentos mais ternos com o pai (em Fireflies), ou, ao fim do longa, quando ele finalmente supera seus medos e decide enfrentá-los, momento no qual seu tema ganha ares heroicos. Tal abordagem temática é sempre interessante, embora, por outro lado, os acordes do tema de Arlo não sejam tão maleáveis assim quanto os irmãos Danna pretendiam, de modo que sua abordagem de forma mais “engraçadinha” (na citada Critter Problem ou aos 2:09 de Hello Arlo) acabam soando estranhas aos ouvidos.

Já a faixa Make Your Mark acompanha a cena em que os pais de Arlo mostram aos filhos a marca que eles devem fazer com a pata no silo da família sempre que realizarem algum feito particularmente notável. O motivo introduzido aqui aparece primeiramente num piano tipicamente utilizado nos hinos religiosos da época, lembrando um pouco o belo score de Carter Burwell para o western dramático Bravura Indômita (True Grit, 2010), que baseava suas melodias justamente em hinos cristãos do século XIX. Aqui, o motivo está relacionado ao significado que tal marca possui para a família de Arlo: superar os desafios e as dificuldades para alcançar seus objetivos. No início do longa, ele acompanha as tentativas do pai de Arlo em ensinar ao filho a superar seus medos (como em You’re Me and More e Family Struggle), antes de desaparecer completamente por boa parte do filme, quando Arlo inicia sua longa jornada de volta.

O segundo ato da animação traz Arlo, longe pela primeira vez da posse de sua família, enfrentando todas as dificuldades do mundo natural, conhecendo predadores, bem como sua crescente amizade com Spot. Para musicar tal mundo “selvagem”, os irmãos Danna utilizaram-se do truque mais utilizado por Mychael: instrumentos exóticos de percussão metálica, flautas indígenas pré-colombianas, entre outros arranjos quase tribais, e tudo isso sem perder inteiramente de vista os instrumentos pastorais do primeiro terço do disco. Claro, é uma abordagem válida, e já utilizada antes por Danna. O que prejudica aqui, porém, é a falta de foco que costuma aparecer em muitas trilhas para animações infantis: a música muda de comédia para tons mais sombrios em poucos minutos, não desenvolvendo bem nenhum desses lados. Tal problema já havia aparecido antes na trilha, e mesmo nessa segunda parte acaba sendo quase irritante.

Oferecendo um pouco de alento para Arlo enquanto ele tenta sobreviver na floresta, existem três temas que praticamente substituem os do início do longa (em especial o tema da família e o motivo da marca), o que é apropriado, visto que Arlo encontra-se distante dos seus parentes. Por outro lado, as mais importantes relações que o herói estabelece no longa são com Spot e o pai, e assim os irmãos Danna entregaram dois temas que acompanham seu relacionamento com ambos. O tema da amizade entre Arlo e Spot é introduzido na apropriadamente nomeada Unexpected Friend, interpretado por flauta e harpa (ao menos num primeiro momento, antes de outros motivos cômicos tomarem conta novamente). A simplicidade de sua melodia reflete a amizade pura e inocente entre o dinossauro e seu “humano de estimação”, um sentimento ainda mais forte devido ao fato de que os dois são ainda crianças – e é um testemunho do talento de ambos como compositores que esse tema se liga melodicamente ao de Arlo, demonstrando o quanto aquela amizade foi importante para sua vida. Posteriormente na trilha, esse tema pode aparecer até sob uma luz mais cômica (em especial, em cues como Pet Collector, Swimming Lessons e ao início de Bloodhound), mas sem nunca perder a doçura e a inocência.

O motivo para Arlo e o pai, por outro lado, representa o difícil relacionamento entre os dois. O pai de Arlo gostaria que o filho caçula tivesse mais coragem e resistência, enquanto o jovem apatossauro vive apavorado com qualquer coisa. Tal motivo, porém, só é ouvido quando o patriarca da família se encontra próximo de seu fim, dessa forma, no restante do longa, ele acompanha o conflito que o herói vive entre ser mais corajoso como pai queria, e continuar a se esconder dos desafios. No disco, sua primeira apresentação é aos 1:43 de You’re Me and More, e consiste numa melodia extremamente dramática, geralmente para madeiras e cordas. Ele irá aparecer sempre nos momentos de maior dificuldade de Arlo, como no início de Orphans, em The Storm (na qual ganha um enérgico arranjo de ação) e, depois, de forma tocante e triste em Arlo’s Vision.

Por último, um tema criado pelos irmãos compositores que representa a própria orfandade de Arlo e a falta que ele sente de casa. Ele é interpretado por fiddle, violão e orquestra em Family Struggle, e depois por toda a sessão de cordas em Mountain Top, mas sua melhor performance é na bela Orphans. Esta é a mais longa do disco, e talvez por isso seja uma das melhores, por finalmente permitir algum desenvolvimento das melodias. Como o título indica, é na cena que esta faixa acompanha que Arlo finalmente se conecta com Spot ao descobrir que este também é um órfão. Assim, o tema, a partir da marca de 1:20, é plenamente desenvolvido numa tocante melodia para cordas, madeiras e piano.

Apesar do longa se passar em algo que lembra o Oeste americano do século XIX, dificilmente Mychael e Jeff utilizam as orquestrações e as melodias tipicamente relacionadas à maioria dos filmes ambientados lá: os faroestes. Basicamente, a única concessão que fazem a esse gênero é num motivo que, ouvido a partir dos 0:36 de Bloodhound, é associado ao trio de T-Rex cowboys (!) que acompanham Arlo e Spot em certo ponto de sua jornada. Desenvolvido principalmente na boa Run With the Herd, ele certamente segue a escola de Elmer Bernstein e seu Sete Homens e um Destino (The Maginificent Seven, 1960) de como musicar um western, embora aqui ganhe o acompanhamento de um estranho saxofone, provavelmente incluído para ressaltar a comicidade das cenas envolvendo os enormes dinossauros. Enfim, sei que não era este o objetivo da trilha, mas eu realmente gostaria de que os irmãos tivessem se arriscado mais na típica música do gênero, ainda mais porque o próprio Mychael já compôs pelo menos um excelente score para um western quinze anos antes, a bela Cavalgada com o Diabo (Ride with the Devil, 2000). Por outro lado, sua experiência em As Aventuras de Pi o levou a incluir aqui também arranjos místicos e misteriosos, que aqui representam os outros humanos, que vivem nas planícies como verdadeiros “homens das cavernas”. Este motivo é ouvido principalmente em Returned Call e ao início de Goodbye Spot.

O fim do disco, porém, revela que os irmãos Danna deixaram o melhor para o final. A citada Run with Herd, traz, em 1:15, o retorno do tema da família, ausente desde o início do filme, num nobre trompete solo. Logo em seguida, uma bela e grandiosa apresentação do tema de Arlo, com toda a orquestra e violão, no melhor estilo John Powell de se escrever música para animações. Já a energética Rescue acompanha todo o clímax do longa, em que Arlo finalmente encontra sua coragem e parte ao resgate de Spot. Assim, ela começa com o tema de sua amizade com o humano, seguido pelo tema da marca (sinalizando que o apatossauro finalmente era digno dos feitos de sua família). Na sequência, uma sombria faixa de ação com uma variação tensa do tema de Arlo, em meio a cordas dramáticas e acompanhamento percussivo. Over the Falls continua no mesmo estilo, com melodias enérgicas para toda a orquestra e com interpretações tristes dos temas de Arlo e de sua amizade com Spot, este último num melancólico fiddle, acompanhado pelo violão.

A linda Goodbye Spot mostra que o verdadeiro talento de Danna está em escrever música capaz de emocionar os ouvintes. Ela traz uma interpretação extremamente emocional do tema da amizade entre Arlo e Spot para piano e orquestra, com destaque para cordas e madeiras – de longe, é a melhor faixa do álbum, embora as seguintes também não fiquem muito atrás. Homecoming é um retorno à música pastoral do início, com uma bela interpretação do tema da família no fiddle, enquanto Arlo Makes His Mark traz, como o título indica, o motivo da marca, numa bonita variação triunfante e emocional para cordas e metais.

A trilha de O Bom Dinossauro é um belo trabalho dos irmãos Danna, dois bons compositores que mereciam ser mais ouvidos, seja por tomarem riscos com suas orquestrações exóticas, seja por seu talento em escrever música dramática e emocionante. Por outro lado, as constantes mudanças no tom da música certamente são um problema irritante em trilhas de filmes infantis, e a disposição dos compositores em acompanhar mesmo os momentos mais cômicos com instrumentos pouco comuns, embora seja uma decisão certamente criativa, podem afastar a maioria dos ouvintes. Além disso, apesar de numerosos (ainda mais para um longa tão simples e linear como este), os temas compostos aqui podem ser bastante elusivos e de difícil identificação em apenas uma audição, de modo que retornar a esta trilha mais algumas outras vezes é a melhor forma de captar as nuances e sutilezas que os irmãos Danna ressaltam em sua partitura. A duração do disco também é um problema: sou do tipo que prefere álbuns que incluem toda (ou quase toda) a música do filme, mas aqui pelo menos três ou quatro faixas poderiam ter sido cortadas para originar uma experiência auditiva melhor. Apesar disso tudo, é um trabalho que vale a pena ser descoberto. Além de suas óbvias qualidades, ele também pode servir para que os ainda não iniciados na música dos compositores (ou que conheçam apenas a partitura de As Aventuras de Pi) se aventurem a descobrir outros ótimos trabalhos do músico, como as citadas Cavalgada com o Diabo e Te Amarei para Sempre, bem como Tempestade de Gelo (The Ice Storm, 1997) e Jesus: A História do Nascimento (The Nativity Story, 2006), entre outras.

Faixas:

1. Homestead 2:11
2. Hello Arlo 2:49
3. Chores 0:55
4. Make Your Mark 2:07
5. Fireflies 2:16
6. Critter Problem 1:04
7. You’re Me and More 3:05
8. Family Struggle 1:23
9. Swept Away 1:33
10. Mountain Top 0:51
11. Lost in the Wild 3:35
12. Offerings 1:32
13. Unexpected Friend 2:56
14. Pet Collector 2:24
15. Swimming Lessons 2:29
16. Orphans 4:39
17. The Storm 1:17
18. I’m Never Getting Home 0:44
19. Storm Chasers 1:22
20. Bloodhound 1:37
21. Fight Them Rustlers 1:46
22. Run With the Herd 3:51
23. Returned Call 1:25
24. Sky Sharks 1:46
25. Arlo’s Vision 1:35
26. Rescue 2:31
27. Over the Falls 2:41
28. Goodbye Spot 4:12
29. Homecoming 1:24
30. Arlo Makes His Mark 1:22

Duração total: 63:22

Tiago Rangel
Anúncios