mad_max_fyry_road_BDMAD MAX: FURY ROAD
Produção: 2015
Duração: 120 min.
Direção: George Miller
Elenco: Tom Hardy, Charlize Theron, Nicholas Hoult, Hugh Keays-Byrne, Rosie Huntington-Whiteley, Zoë Kravitz, Megan Gale, Melissa Jaffer
Vídeo 2D: 2.40:1 (1080p/AVC MPEG-4)
Vídeo 3D: 2.40:1 (1080p/MVC MPEG-4)
Áudio: Inglês (Dolby Atmos, Dolby TrueHD 7.1), Português, Espanhol, Francês (Dolby Digital 5.1)
Legendas: Português, Inglês, Espanhol, Francês
Região: A, B, C
Distribuidora: Warner
Discos: 2 (BD 50GB)
Lançamento: 03/09/2015
Cotações: Som: ***** Imagem 2D: ***** Imagem 3D: ***** Filme: ***** Extras & Menus: ***½ Geral: ****½ 

SINOPSE
Atormentado por seu passado turbulento, Max Rockatansky (Tom Hardy) acredita que a melhor forma de sobreviver é permanecer sozinho. Mesmo assim, ele acaba se unindo a um grupo liderado pela Imperatriz Furiosa (Charlize Theron), que está em fuga pelas Terras Desertas. Em uma perseguição frenética, Immortan Joe reúne suas gangues em busca dos rebeldes, levando a uma intensa guerra pelas estradas.

fury_road_1COMENTÁRIOS
Oh, que dia… que adorável dia! (Nux)
Em 1981 foram lançados dois filmes que redefiniram o Cinema de ação: o norte-americano CAÇADORES DA ARCA PERDIDA, de Steven Spielberg, e o australiano MAD MAX 2, de George Miller, hoje ambos pertencentes a cultuadas franquias cinematográficas. Porém, ao contrário do que posteriormente aconteceu com a quarta e esquecível aventura do arqueólogo aventureiro Indiana Jones, o quarto filme do herói Max (agora com Tom Hardy no icônico papel que foi de Mel Gibson) consagrou-se junto a público e crítica e tornou-se também uma referência no gênero.

Depois do morno MAD MAX – ALÉM DA CÚPULA DO TROVÃO (1985), ninguém parecia acreditar que algum dia Max Rockatansky retornaria às telas, e em grande estilo, para combater warlords motorizados pós-apocalípticos e defender (sempre, de início, relutantemente) inocentes em desertos aparentemente intermináveis. Ninguém – exceto o criador de Max, o hoje septuagenário George Miller. E em MAD MAX – ESTRADA DA FÚRIA (2015), ele desafiou com vigor juvenil todos os riscos, enfrentou desafios logísticos gigantescos (como o de ter de transferir as filmagens do seu local habitual, o outback australiano, para o deserto da Namíbia, na África), orquestrou na tela inacreditáveis façanhas de dublês (mantendo o uso dos efeitos CGI sempre como fator acessório e de suporte, assumindo proeminência apenas na sequência da tempestade de areia) e, essencialmente, elevou à perfeição a estética e o padrão que fizeram história no longa de 1981.

A trama é simples, e serve principalmente como base para a construção de uma série de perseguições memoráveis e eletrizantes. Porém, mesmo dentro da simplicidade do argumento, Miller consegue estabelecer de forma eficiente os personagens e motivações, especialmente a Imperatriz Furiosa (Charlize Theron, roubando a cena de Hardy). Além disso, o diretor e co-roteirista adiciona um elemento catalizador inédito para os conflitos: o tirânico Immortan Joe (Hugh Keays-Byrne, que foi o vilão Toecutter no filme inicial de 1979), não persegue Max e Furiosa para manter seu monopólio de combustível ou de água, mas sim porque lhe foi roubado algo muito mais precioso – sua herança genética, representada pelas jovens “parideiras”. Isso dá um viés original à trama, e ao mesmo tempo propicia uma interessante, ainda que nada profunda, discussão sobre a condição feminina em tempos de barbárie.

Não interessa se MAD MAX – ESTRADA DA FÚRIA é uma continuação, um reboot ou uma reinvenção da trilogia original de Max, ou ainda o porquê de Mel Gibson ter ficado de fora do projeto. Ele é admirável por representar uma proposta simples e honesta que originou um filme estupendo. Sim, é um mero filme de ação, mas sem dúvida um dos melhores, em sua forma bruta, já vistos em muitos anos. E isto, numa época em que o gênero fatura bilhões ao redor do mundo com os VELOZES E FURIOSOS e TRANSFORMERS da vida, que não tem pudores em insultar a inteligência do espectador, já diz tudo.

fury_road_2

SOBRE O BD
Testemunhe! (Nux)
Este combo 3D+2D de MAD MAX – ESTRADA DA FÚRIA, que a Warner lançou em nosso mercado, espelha em especificações e conteúdo a edição norte-americana, que lá também traz opções de áudio e legendas no nosso idioma. A diferença maior está na eliminação, aqui, da cópia em DVD – para mim tão dispensável quanto a inclusa cópia digital. Assim, temos dois Blu-rays de dupla camada, um trazendo a versão standard do filme e os extras, e o outro com sua versão 3D – ambos acondicionados em um estojo Amaray HD envolto pela tradicional luva com efeito lenticular. Como é padrão nos BDs da distribuidora, o menu principal é estático (trazendo contudo música de fundo), e tanto ele como o menu pop-up estão apenas em inglês.

Os encodes 2D (1080p/AVC MPEG-4) e 3D (1080p/MVC MPEG-4) fazem jus ao primor visual do filme, apesar de alguns criticarem a paleta saturada teal and orange que Miller e seu diretor de fotografia John Seale empregaram. Captadas por diferentes tipos de câmeras digitais, as imagens são fartas em cores berrantes e variadas, mas sempre tendentes aos tons vermelhos e laranja a fim de acentuar o calor do deserto. O contraste é forte e equilibrado, e os pretos são intensos. Os detalhes são excelentes, mesmo durante cenas de perseguição frenéticas repletas de poeira e destroços. Percebemos as menores imperfeições nas carrocerias dos bizarros veículos, e detalhes faciais nos closes ups dos atores, que muitas vezes apresentam elaboradas maquiagens. A apresentação 3D é bem interessante, mesmo nas insanas sequências de ação. A profundidade é natural e convincente, tornando a visão dos carros em disparada pelas vastidões do deserto impressionantes. Fãs do 3D pop-up  ficarão satisfeitos com os eventuais objetos disparados em sua direção, especialmente numa cena ao final, após uma forte colisão. Artefatos digitais, bem como problemas típicos de 3D como crosstalk, não foram constatados. Resumo da história: ESTRADA DA FÚRIA em Blu-ray, seja em 2D ou 3D, possui uma apresentação visual de referência.

Para a par com a excelência de imagem, o filme traz um arsenal sonoro capaz de levar qualquer home theater ao seu limite. O áudio lossless original em inglês está presente com a mesma mixagem Dolby Atmos ouvida nos cinemas. Caso você, assim como eu, ainda não possui um receiver compatível com esse recente codec de áudio, não se preocupe: em seu core ele traz uma faixa Dolby TrueHD 7.1 de qualidade demo, que será automaticamente selecionado Com surrounds sempre ativos, excepcional fidelidade na reprodução de diálogos, efeitos sonoros e trilha musical, e graves mais do que potentes, o áudio de ESTRADA DA FÚRIA não é para fracos. Já de início percebe-se que o campo sonoro é amplo, para combinar com a imensidão do deserto que vemos. E a partir do momento em que a ação começa, uma parede sonora literalmente explode em você. Porém, mesmo durante o caos, os diálogos sempre soam claros. O canal de graves, claramente privilegiado no sound design, merece atenção especial – no meu caso, tive que mexer na regulagem do subwoofer para evitar que as janelas e o rebaixamento de gesso da minha sala vibrassem em demasia. As opções de áudio são completadas por dublagens Dolby Digital 5.1 que incluem o nosso português.

fury_road_3

EXTRAS
Medíocre! (Immortan Joe)
Os extras de MAD MAX – ESTRADA DA FÚRIA acompanham o disco com a versão standard do filme, e consistem de alguns documentários que não fogem muito do padrão EPK de material de divulgação. Seria interessante que fosse incluída uma faixa de comentários de George Miller, onde o diretor explanasse mais sobre as dificuldades que levaram o filme a ser lançado dois anos após o prazo originalmente previsto, além de recursos que o próprio Miller chegou a mencionar, como uma versão preto-e-branco e a intensa trilha musical de Tom Holkenborg isolada. Provavelmente teremos isso em um futuro relançamento, quem sabe em Blu-ray Ultra-HD, mas por enquanto temos o seguinte, em alta definição e com legendas em português (mantive os mesmos títulos que estão no menu em inglês):

  • Maximum Fury: Filming Fury Road (29 min.) – Principal documentário da produção, este making of nos fornece uma boa visão de bastidores, com ênfase na criação dos visuais, o fantástico trabalho dos dublês, a meticulosa e demorada preparação, os efeitos práticos e a decisão de usar o mínimo de CGI possível;
  • Fury on Four Wheels (23 min.) – Este featurette, feito para agradar aos fãs de máquinas, concentra-se nos veículos vistos na tela e a importância de alguns deles na trama;
  • The Tools of the Wasteland (14 min.) – Elenco e equipe comentam a criatividade e a arte do departamento encarregado do desenho de produção;
  • The Road Warriors: Max and Furiosa (11 min.) – Como é fácil de deduzir, aqui o foco são as interpretações de Tom Hardy e Charlize Theron, e seus personagens;
  • The Five Wives: So Shiny, So Chrome (11 min.) – Já neste segmento, as atrizes que interpretam as esposas fugitivas de Immortan Joe falam sobre a preparação para assumir suas personagens;
  • Fury Road: Crash & Smash (4 min.) – Temos aqui uma seleção de cenas de bastidores, sem edição ou retoques, de algumas impressionantes façanhas dos dublês;
  • Deleted Scenes (4 min.) –  Por fim, foram incluídas três cenas que foram cortadas da edição final do longa, sem finalização. Nenhuma delas é particularmente memorável e sem dúvida não fizeram falta, mas merecem ser assistidas no mínimo por curiosidade.

fury_road_6

Jorge Saldanha

Enhanced by Zemanta
Anúncios