daredevil_first_season

Resenha de Série: DEMOLIDOR – A PRIMEIRA TEMPORADA COMPLETA


daredevil_first_seasonDaredevil – The Complete First Season, EUA, 2015
ElencoCharlie CoxDeborah Ann WollElden Henson,  Vincent D’Onofrio, Toby Leonard Moore, Vondie Curtis HallRosario DawsonBob Gunton, Ayelet Zurer
Roteiro:  Drew Goddard
Direção:  Vários
Cotação: star_5

E até que enfim a Marvel Studios consegue chegar a um nível de verdadeira excelência em um dos seus produtos audiovisuais. Sem querer reclamar dos bons e divertidos filmes, principalmente os mais sérios, como os dois protagonizados pelo Capitão América, o cinema traz muitas imposições para os filmes, a fim de atingir uma fatia maior de público, como os adolescentes que, merecidamente, querem ver seus heróis dos quadrinhos na telona.

O que aconteceu com DEMOLIDOR (2015), a primeira de quatro séries que a Marvel lançará até o ano que vem (as outras são A.K.A. JESSICA JONES, LUKE CAGE e PUNHO DE FERRO, e em seguida os quatro heróis juntos na minissérie OS DEFENSORES), foi quase um milagre. A série criada por Drew Goddard, diretor de O SEGREDO DA CABANA (2012), é um reflexo do que foi a fase de ouro do herói da Cozinha do Inferno nos quadrinhos, quando Frank Miller passou a assumir os roteiros. Todo o lado trágico que o personagem carrega foi acentuado por escritor e desenhista de maneira mais intensa e violenta, em sua passagem pelo título do herói nos quadrinhos a partir do final da década de 1970.

E violência não falta nesta série produzida para a Netflix, com direito a mãos e cabeças decepadas, uma luta com um ninja de arrancar pedaços de carne, brigas corporais brutais etc. É como se toda aquela leveza e aquele humor incômodos dos filmes da Marvel recebessem uma resposta à altura por alguém que quer mudar o estado das coisas. E isso é motivo de celebração. Afinal, DEMOLIDOR não é apenas a melhor série de super-heróis já feita, mas a melhor série dramática do ano até o momento, pelo menos em comparação com as demais que acompanho.

A escalação dos atores foi muito feliz. Charlie Cox convence muito bem como o advogado cego e vigilante do crime Matt Murdock, assim como é uma alegria ter Deborah Ann Woll (a adorável vampira Jessica, de TRUE BLOOD) no papel de Karen Page. Elden Henson faz um Foggy, o melhor amigo de Matt, muito bem e até a escolha de um ator negro para viver Ben Urich (Vondie Curtis-Hall) foi feliz. Enxergamos o repórter investigativo naquele ator. Mas de que adiantaria tanta gente boa se Vincent D’Onofrio não encarnasse um Wilson Fisk tão majestoso?

A série é também um manancial de informações e deixas para fãs do herói cego perceberem, como, por exemplo, a citação de uma certa moça grega que Matt conheceu na faculdade. Não que essas informações tornem a série exclusiva para os iniciados do herói nos quadrinhos. Não. Qualquer pessoa que não conhece nada a respeito do Demolidor pode muito bem se deliciar com uma trama narrada em episódios que vão num crescendo de qualidade, empolgação e angústia. Justamente como tem que ser.

E o interessante é que não sentimos falta do uniforme vermelho, que talvez até estrague um pouco o clima mais realista que a série adota durante a primeira temporada, em que Matt Murdock usa apenas um pano preto amarrado ao rosto. Assim, ele fica conhecido como o misterioso homem mascarado da região e o principal inimigo de Wilson Fisk, o poderoso chefão que comprou a polícia, os jornais e quem mais ele puder.

Alguns episódios são particularmente especiais, como “Stick”, quando a série introduz na narrativa a figura do homem cego que ensinou as artes marciais para Matt, quando ele era uma criança e vivia em um orfanato. O episódio “Speak of the Devil” traz uma das lutas mais viscerais de toda a série, com Matt lutando com uma espécie de ninja japonês armado com uma lâmina mortal que o deixa em pedaços. É o tipo de luta que não se costuma ver em filmes americanos. Como as séries de televisão, especialmente as dos canais e serviços de assinatura como a Netflix, estão mais abertas para a violência, esse tipo de coisa acabou passando e é muito bem-vindo.

Outro episódio marcante é “Nelson v. Murdock”, que lida com a relação entre os dois amigos e parceiros na firma de advocacia. Por uma situação “x”, a amizade dos dois passa por uma crise inédita e somos apresentados a momentos do passado dos dois, em um flashback dos tempos da faculdade. A série enfatiza o forte sentimento de amizade de maneira tocante. É mais um indicativo de que não estamos vendo uma série qualquer, mas uma que sabe lidar muito bem com o enredo, com os personagens e com os sentimentos envolvidos.

Enfim, daria para falar de cada um dos episódios e de vários outros personagens interessantes, mas uma coisa é certa: a Marvel agora pode se orgulhar de ter em seu currículo um material de alto nível, e de ter adaptado um herói tão querido para uma mídia que certamente alcançará um público maior.

Ailton Monteiro

3 opiniões sobre “Resenha de Série: DEMOLIDOR – A PRIMEIRA TEMPORADA COMPLETA”

  1. Realmente concordo com todo o comentário sobre a série.A Netflix acertou em cheio com sua primeira produção da Marvel.Sóbrio,com pequenas nuances cômicas(pelo lado do personagem Foggy),a adorável atriz de True Blood e Vincent D’Onofrio dando um banho de interpretação como o Rei do Crime.Ah,e não vamos esquecer de outra bela mulher não posta no comentário:Rosário Dawson.Estou ansioso para assistir o que virá em futuras produções.

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s