Resenha: LE DERNIER LOUP (THE WOLF TOTEM) – James Horner (Trilha Sonora)


14703Música composta por James Horner
Selo: Milan Records
Catálogo: Download Digital
Lançamento: 23/02/2015
Cotaçãostar_4

2012 foi o último ano em que ouvimos uma trilha inédita de James Horner. De lá para cá, não foram tempos fáceis para ele: em 2013, duas de suas trilhas foram rejeitadas, o que contribuiu para sua desilusão cada vez maior com o cinema comercial (e o fato de, em uma delas, ter sido substituído por Steve Jablonsky deve ter contribuído bastante para isso). Sumido do cinema, Horner se dedicou a escrever o seu concerto Pas de Deux, que estreou em Liverpool no ano passado. Porém, scoretrackers do mundo todo foram presenteados com a notícia de que Horner voltaria com força total em 2015, não em blockbusters, mas em projetos menores e independentes, como o drama The 33, o documentário sobre aviões (uma paixão do compositor) Living in the Age of Airplanes e o filme de boxe Southpaw. O primeiro deles é o épico Le Dernier Loup (ou Wolf Totem), dirigido por Jean-Jacques Annaud, que conta a história de um jovem chinês que vai à Mongólia e descobre o laço que os moradores de lá possuem com os lobos. Horner e Annaud já colaboraram três vezes antes, notadamente em Círculo de Fogo (Enemy at the Gates, 2001) e O Príncipe do Deserto (Black Gold, 2012) – e eu considero os minutos iniciais da trilha do primeiro, bem como a última faixa, Tanya, como estando entre os melhores momentos da carreira do compositor.

É o tipo de projeto no qual Horner se sente em casa: um drama de grande orçamento, situado em imensas paisagens abertas. Os mais maldosos diriam que já sabemos exatamente o que esperar da trilha. Porém, embora eu não reclamasse se fosse uma trilha no antigo estilo do compositor, Horner surpreende e entrega um score que anuncia que são novos tempos em sua carreira. Em sua nova partitura, ele testa sonoridades e texturas inéditas, ao passo em que a reutilização de suas trilhas antigas, que lhe rendeu tantas críticas, aqui surge mais como um aceno aos fãs que tanto aguardaram por seu novo score, e um lembrete dos velhos tempos. Com sua música, ele leva seus ouvintes e admiradores rumo a uma nova e interessante jornada, mas sem se esquecer do que ficou para trás.

O disco, que vem sendo promovido com estrondo pela Milan, tem treze faixas. A primeira delas, Leaving For the Country (Main Theme), como o título indica, apresenta o tema principal. Ele aparece numa interpretação nobre e heróica a cargo das trompas, após uma introdução com uma vocalista solo (típica na filmografia de Horner), e lembra um pouco o estilo do tema de O Espetacular Homem-Aranha (The Amazing Spider-Man, 2012), uma das últimas trilhas do compositor. Em seguida, há outra versão igualmente bela do tema interpretada por instrumentos típicos chineses, com acompanhamento da orquestra, e finalizando com cordas e piano. A próxima faixa, Wolves Stalking Gazelles, começa com cordas e um favorito de Horner, o shakuhachi, numa melodia atmosférica que logo se transforma em uma mais enérgica de ação, com toda a orquestra. Por fim, ela finaliza com cordas altamente evocativas e misteriosas.

Em seguida, vem a longa An Offering To Tengger/Chen Saves The Last Wolf Pup, que dura mais de nove minutos. Inicialmente, ela apresenta piano, cordas e instrumentos típicos, numa melodia atmosférica e contemplativa, algo como as partes mais etéreas dos scores de Avatar (idem, 2009), O Novo Mundo (The New World, 2005) e Lendas da Paixão (Legends of the Fall, 1994), porém com instrumentação oriental ao invés de tribal. Há mais uma nobre rendição da variação do tema principal com a variação étnica, antes que a música volte às melodias de ação da faixa anterior, com toda a orquestra e percussão. Em seguida, Horner vem com cordas dramáticas e quase elegíacas, numa bela melodia, culminando em outra ótima e triste performance do tema principal, primeiro com a orquestra e depois com os instrumentos étnicos.

Wolves Attack the Horses trará um sorriso a qualquer fã do compositor americano. Após um início ameaçador, ela se converte numa faixa de ação altamente percussiva, com toda a orquestra e o piano ditando o ritmo – mais ou menos como na clássica Futile Escape, da trilha de Aliens – O Resgate (Aliens, 1986). Porém, mais do que Horner simplesmente se repetindo (e ele deve ser um dos únicos compositores vivos que reutilizaria música de uma ficção científica sobre alienígenas em um drama histórico sobre lobos), aqui a música soa mais como uma homenagem, um pequeno presente aos fãs que o acompanharam ao longo de tantos anos. Seja como for, a melodia ainda é excitante e repleta de tensão.

Em A Red Ribbon, o tema principal é partido e desconstruído em meio a uma melodia melancólica, porém satisfatória e romântica, como só o compositor sabe fazer. Já The Frozen Lake começa com um caleidoscópio de violinos e intervenções de metais, e assim continua por quase dois minutos, antes de se transformar em outra rítmica faixa de ação, com o tema repetido de forma dramática em trombones, culminando em uma explosão de metais e percussão, lembrando um pouco a forma que o compositor musicou os clímaxes de Avatar e O Espetacular Homem-Aranha. Ao final, outra marca registrada de Horner: o motivo de perigo de quatro notas, que, aparecendo em mais de noventa por cento de suas trilhas, aqui parece ser mais uma piada particular do músico.

Discovering Hidden Dangers é uma faixa em três partes: a primeira traz orquestrações quase elegíacas, e a segunda, que começa na marca de 1:10, traz melodias mais alegres e tipicamente orientais, para orquestra e instrumentos étnicos. Já a terceira, iniciando após quase dois minutos de faixa, quebra o ritmo com explosões de metais, antes de finalizar de forma atmosférica. Em seguida, Little Wolf abre de forma triste, com cordas dramáticas e sintetizadores, porém logo o tema principal é repetido de forma alegre em uma flauta solo. Após isso, a orquestra interpreta uma melodia quase cômica e divertida. A nona faixa é Scaling the Walls, que conta com orquestrações complexas e hipnóticas, repletas de perigo e tensão, mas também um senso de aventura, lembrando um pouco os scores do compositor nos anos 1980.

A versão mais dramática do tema principal retorna em Suicide Pact, interpretada por cordas tristes e metais respeitosos. Há um metrônomo marcando os passos e a tensão ao início de Hunting the Wolves, enquanto a música prossegue cheia de expectativa. Porém, logo Horner transforma a faixa numa melodia de ação repleta de aventura e liberdade, carregada por cordas e percussão, com o tema reprisado nas trompas. Dura pouco, infelizmente, e logo temos em seu lugar mais uma bela e melancólica performance do tema com a orquestra. Em seguida, Death of A’ba traz o retorno da vocalista solo do início do disco, em meio a uma triste melodia.

O disco finaliza com Return to the Wild, uma daquelas longas e emocionais suítes com as quais o compositor gosta de finalizar seus álbuns. Aqui, a música é totalmente baseada no tema principal, porém aqui apresentado numa nova versão, que estende sua duração. Na primeira vez em que escutei, não gostei muito da nova variação, pois o tema já era perfeito em sua metragem original. Porém, apenas nas audições posteriores encontrei sua beleza e sua grandiosidade épica e dramática, que se estende ao longo de quase dez minutos. Não seria de se espantar se esta peça virar uma das mais populares do compositor nos próximos anos.

Em seu retorno, James Horner demonstra com sua música porque nunca deveria ter saído do mundo do cinema. Já estabelecido como um dos maiores compositores a surgir no cinema hollywoodiano nas últimas décadas, ele está livre para escolher os projetos que quiser, aqueles com os quais verdadeiramente sente paixão em trabalhar. Ele agora entra numa nova fase em sua carreira, e a trilha de Wolf Totem é a prova disso, pois soa fresca e inédita como nenhum outro score recente do compositor. Estou ansioso para redescobrir sua música de novo, enquanto, ao mesmo tempo, digo em alto e bom som: bem-vindo de volta, James Horner!

Faixas:

1. Leaving for the Country (Main Theme) 2:17
2. Wolves Stalking Gazelles 4:19
3. An Offering to Tengger / Chen Saves the Last Wolf Pup 9:22
4. Wolves Attack the Horses 4:49
5. A Red Ribbon 3:20
6. The Frozen Lake 4:42
7. Discovering Hidden Dangers 2:46
8. Little Wolf 3:27
9. Scaling the Walls 4:07
10. Suicide Pact 2:17
11. Hunting the Wolves 6:04
12. Death of A’ba 1:35
13. Return to the Wild 9:52

Duração: 58:57

Tiago Rangel
Anúncios

11 opiniões sobre “Resenha: LE DERNIER LOUP (THE WOLF TOTEM) – James Horner (Trilha Sonora)”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s