Automata_CDMúsica composta por Zacarías M. de la Riva
Selo: Movie Score Media
Catálogo: MMS14020
Lançamento: 21/10/2014
Cotação: ***½

A Espanha, atualmente, tem se revelado um celeiro de compositores extremamente talentosos, capazes de entregar inteligentes trilhas orquestrais. Além dos já renomados Fernando Velázquez e Roque Baños, que já conseguiram trabalhos no cinema hollywoodiano, nomes como Arnau Bataller, Victor Reyes e Zacarías M. de la Riva tem conseguido aclamação da crítica por seus scores. Este último, recentemente, lançou sua trilha para a ficção científica Automata, que já o colocou no radar de Hollywood.

O filme, dirigido por Gabe Ibáñez (que já havia colaborado com o compositor antes em Hierro) e estrelado por Antonio Banderas, conta a história de um agente de seguros que investiga casos de manipulação de robôs e descobre mistérios que poderão alterar a humanidade. Com boas críticas, ele recebeu inclusive comparações com o clássico Blade Runner. Sua temática complexa certamente oferece uma bela oportunidade para qualquer compositor. E de La Riva, que também fez um bom trabalho ao orquestrar a música, não a desperdiça, ainda que este não seja um trabalho muito original.

O mais interessante desta trilha é como ela consegue conflitar corais litúrgicos com momentos mais duros e sombrios. A dicotomia entre robôs e humanos, entre vida artificial e biológica, é uma constante em toda a música, e de La Riva consegue trabalhá-la de maneira inteligente.

O disco começa com The Earth, que traz cordas tensas até a entrada de um coro angelical e um solitário solo de violino. Em seguida, We Want to Live é uma das melhores do álbum, com sua bela melodia para orquestra que lembra algo que James Horner poderia ter escrito nos anos 1990, além de uma passagem para coral de tons religiosos. Robot on Fire contrasta sons mais mecânicos da orquestra com o coral, para grande efeito dramático.

Apology traz um problema que afeta a trilha: sua dependência das temp tracks (a música temporária, de outros filmes, a ser colocada no longa antes da entrada do score original, para que o compositor tenha uma ideia do que o diretor quer). No caso, ela se inicia com um solo de violoncelo praticamente idêntico ao tema que Hans Zimmer compôs para o final de Batman – O Cavaleiro das Trevas (The Dark Knight, 2008). A partir de determinado ponto, entretanto, a faixa se transforma numa melodia com orquestra e coral que remete às trilhas de Alexandre Desplat, o que denota uma triste falta de originalidade. De La Riva, pelo menos, compensa com a boa Desperation, que mistura belos solos de violoncelo com coral angelical, até a entrada de um trecho tenso com cordas e um final dramático.

A sexta faixa, Birth of a New Robot, é extremamente bem construída, com um arco que vai do intimista ao grandioso e de volta outra vez com precisão, com uma criativa passagem para coral no meio. Good Luck Jacq tem uma escrita mais emocional para cordas, lembrando o estilo de James Newton Howard, enquanto The Precedent traz uma ambientação ameaçadora que utiliza os sopros de maneira sutil. A Night Out Dancing traz a reaparição do tema do Batman de Zimmer, mas possui um belo clima melancólico, com cordas e sintetizadores. Em seguida, temos as duas partes de The Canyon, em que a primeira inicia de forma triste, mas depois muda para tons de suspense, que tem continuidade na segunda parte, em que as cordas e os metais destacam-se em uma típica melodia de descoberta.

Já na faixa Meeting Cleo o compositor utiliza texturas de sintetizadores, que contrastam com o sutil coral infantil que surge na segunda metade, formando uma mistura interessante. Porém, a música começa a entrar em território mais sombrio em Into the Desert, I’m Burnt Out e Locker entregam momentos duros e uma atmosfera pesada com cordas e sintetizador, além de rápidos momentos do coral. Este clima é continuado em New Robot Appears e Badly Wounded, que, servindo como uma espécie de clímax do álbum, oferecem alguns violinos estridentes dignos de um filme de terror. Entretanto, Automata Requiem encerra o disco oferecendo um clima mais otimista, com uma belíssima apresentação dos temas principais, com toda a orquestra e o coral. É certamente a melhor e mais marcante faixa do disco.

Assim, Automata é uma trilha que, apesar dos problemas com as temp tracks, merece ser ouvida, e mostra que Zacarías M. de la Riva é um compositor talentoso. Se ele conseguir reafirmar seu talento, terá uma carreira muito bem sucedida na Música de Cinema.

Faixas:

1. The Earth 1:52
2. We Want to Live 2:50
3. Robot On Fire 1:00
4. Apology 4:28
5. Desperation 3:30
6. Birth of a New Robot 4:14
7. Good Luck Jacq 2:28
8. The Precedent 4:26
9. A Night Out Dancing 4:53
10. The Canyon, Pt. 1 2:06
11. The Canyon, Pt. 2 3:52
12. Meeting Cleo 2:45
13. Into the Desert 3:30
14. I’m Burnt Out 1:58
15. Locker 2:44
16. New Robot Appears 1:30
17. Badly Wounded 1:43
18. Automata Requiem 4:22

Duração: 54:11

Tiago Rangel

Anúncios