stonehearst_asylum

Resenha: STONEHEARST ASYLUM – John Debney (Trilha Sonora)


stonehearstCDMúsica composta por John Debney
Selo: Lakeshore Records
Catálogo: LLLCD 1323
Lançamento: 14/10/2014
Cotação: ***½

Em seu texto para a trilha de A Paixão de Cristo, o crítico Jonathan Broxton, do site Movie Music UK, definiu John Debney como “o grande compositor não descoberto de Hollywood” (em tradução livre). Dez anos depois, pode-se dizer que pouco mudou nessa afirmação. Debney pegou alguns projetos onde sua música teria maior proeminência (como Homem de Ferro 2, Predadores e o vídeo game Lair, pelo qual ele ganhou um prêmio da International Film Music Critics Association), mas continuou a desperdiçar a maior parte de seu talento com longas bobos abaixo dele.

Assim, com Eliza Graves (Stonehearst Asylum, 2014) ele ganhou uma nova chance de mostrar o seu potencial. O filme, um suspense dirigido por Brad Anderson e estrelado por Kate Beckinsale, Michael Caine, Jim Sturgess e Ben Kingsley, conta a história de um jovem formando que vai trabalhar em um assustador hospital psiquiátrico. Ou seja, o tipo de filme que poderia se beneficiar de um bom score orquestral.

A abordagem de Debney, felizmente, foi bem sucedida. Sua música é uma combinação de tonalidades mais clássicas com os acordes típicos de uma trilha de suspense, gerando uma mistura interessante, capaz de prender a atenção do ouvinte. Pode não ser o mais original dos trabalhos, mas Debney consegue combinar suas influências e mesclá-las de maneira orgânica.

A parte mais clássica e elegante da trilha traz o americano Debney compondo com a sensibilidade de um europeu, como Alexandre Desplat, por exemplo. Isto é exemplificado na primeira faixa, que, como o título diz, apresenta o tema de Eliza. Lembrando um pouco o estilo do compositor francês para Desejo e Perigo e O Despertar de uma Paixão, ele combina cordas com piano, flautas e belos solos de violino e violoncelo, numa bela melodia romântica, com um ligeiro toque oriental. Este tema depois retornará em Eliza’s Story e em Edward Meets Eliza, onde servirá de love theme para os dois personagens, função que também cumprirá em Aftermath/First Kiss e Edward’s Story. Já a última faixa, Eliza and Edward, poderia ter saído dos scores de alguém como Abel Korzeniowski, com sua dramática melodia repleta de paixão e desejo.

Vale também destacar Wagon Ride e Eliza’s Waltz, que são autênticas valsas, no melhor estilo clássico, enquanto I Am Doctor Newgate! utiliza as madeiras para criar um efeito pomposo e cômico. É quase um alívio, nos dias de hoje, ouvir uma trilha com tamanha elegância e classe.

Para os momentos de suspense da trilha, que compreendem a maior parte do disco, Debney se sai bem – ou, ao menos, quase sempre. Ele consegue construir um clima de tensão ao longo da maioria das faixas, como We Are Not Crazy e Lamb Gives a Tour (que possui uma ligeira referência a Bernard Herrmann e seu Psicose ao final). Conforme o disco avança, a música vai tornando-se progressivamente mais ameaçadora, como mostra The Chase, que utiliza trombones, violoncelos e baixos, e a sinistra Shock Therapy. O último terço do álbum é um clímax repleto de faixas com melodias aterrorizantes, que concluem com tensos violinos em Finn Catches Fire/Escape. A clareza das orquestrações e a inteligência das composições lembram o estilo de um dos grandes nomes dos gêneros suspense e terror, Christopher Young.

Entretanto, mesmo com todas essas qualidades, o álbum possui um problema: é simplesmente longo demais. Com mais de uma hora e quinze minutos de duração, Debney aparentemente resolveu incluir toda a música gravada para o filme no disco. Este é um erro típico de um compositor novato que quer “mostrar serviço”, mas que um experiente como Debney não deveria cometer. Assim, temos diversas faixas de suspense e drama em que ele não brilha tanto, e que acabam inflando o disco e tirando um pouco do impacto dos melhores momentos.

Mesmo assim, embora não esteja no nível dos clássicos A Ilha da Garganta Cortada e A Paixão de Cristo, este é um bom e surpreendente trabalho de Debney. Que Hollywood, finalmente, descubra o seu grande talento e o chamem para projetos que, assim como esse Stonehearst Asylum, mostrem toda a sua capacidade.

Faixas:

1. Eliza’s Theme 1:31
2. Opening 3:11
3. Eliza’s Story 1:14
4. Wagon Ride 1:08
5. Seeing the Asylum 1:39
6. Edward Enters Asylum 2:22
7. Eliza Plays 2:21
8. Eliza Warns Edward / Secret Passage 4:34
9. We Are Not Crazy 3:28
10. Dangerous Liaison 4:05
11. Lamb Gives a Tour 2:37
12. Edward Meets Timm 2:34
13. Edward Meets Eliza 1:02
14. The Chase 1:16
15. The Doctor’s Story 3:34
16. Edward’s Plea to Eliza 4:22
17. Shock Therapy 3:03
18. Danse Macabre Saint Saens 2:55
19. Edward Searches / Finn Kills Millie 3:36
20. Eliza Finds Dead Millie / Inmates Revelry 2:24
21. Bonfire / Edward Prepares 1:21
22. Finn/Edward Fight 1:17
23. Countdown 2:01
24. Strapped To Gurney / Edward Confesses 4:05
25. Electrocution / Lamb’s Story Revealed 3:45
26. Finn Catches Fire / Escape 3:08
27. Aftermath / First Kiss 2:40
28. I Am Dr. Newgate! 1:58
29. Edward’s Story 1:46
30. Eliza’s Waltz 2:01
31. Eliza and Edward 1:59

Duração: 78:57

Tiago Rangel

Uma opinião sobre “Resenha: STONEHEARST ASYLUM – John Debney (Trilha Sonora)”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s