A Trilogia Original
starwars_trilogyÉ incontável o número de pessoas que, ao serem questionadas sobre qual trilha sonora as levou a gostar de música de cinema, citam a clássica partitura que John Williams compôs para o primeiro Guerra nas Estrelas, de 1977 (hoje rebatizado como Star Wars Episódio IV: Uma Nova Esperança). Aquele trabalho trouxe de volta às telas todo o romantismo e a aventura das clássicas partituras orquestrais da Golden Age de Hollywood, através de temas e faixas memoráveis como o antológico “Main Title” (cuja fanfarra introduz o tema principal da franquia, que de fato é o tema de Luke Skywalker), “Princess Leia’s Theme”, “Cantina Band”, “The Last Battle” e “The Throne Room”, entre outros. Já a continuação O Império Contra-Ataca (1980), apesar de ser o melhor filme da série, não gerou a mesma repercussão em termos musicais que o original. Mas o fato é que Williams, no caso, criou uma partitura mais rica e elaborada, onde se destacam “The Imperial March” (“Darth Vader’s Theme”), “The Asteroid Field”, “Yoda’s Theme”, “Battle in Snow” e “Han Solo and the Princess”. Encerrando a trilogia original, O Retorno de Jedi (1983) apresenta mais uma grande partitura do Maestro, que ao lado de temas já conhecemos, introduz ótimo material temático dedicado aos pequenos Ewoks e ao sombrio Imperador Palpatine. Destacam-se “The Forest Battle”, “The Emperor” e “Ewok Celebration / Finale”.

As várias edições dessas trilhas sonoras, lançadas / relançadas primeiramente em LP e posteriormente em CD, seja em regravações ou em edições expandidas, foram importantes para demonstrar, às gravadoras, que existia um mercado disposto a investir em novas versões de trilhas importantes. Até a chegada das edições especiais individuais das trilhas (e filmes) da trilogia original de Star Wars, em 1997 (relançadas separadamente em 2004 pela Sony Classical e incluídas integralmente no box The Music of Star Wars: 30th Anniversary Collector’s Edition de 2007), a caixa com quatro CDs lançado pela Fox/Arista em 1993, chamado Star Wars Trilogy, era a representação mais completa dos scores de John Williams. Ela trazia as trilhas dos três filmes e um CD adicional somente para os out takes (temas não utilizados). A grosso modo podemos dizer que os discos trouxeram toda a música que originalmente deveria estar nos LPs originais e que na época não foi incluída em virtude da limitação de tempo do formato. Mesmo o álbum duplo de Star Wars não continha toda a música, e para os outros dois álbuns a coisa só piorou. The Empire Strikes Back até chegou a ser lançado em LP duplo nos EUA, mas no exterior foi reduzido a apenas um disco, versão que foi a base do único CD disponível por muitos anos. Já Return of The Jedi nunca teve uma edição expandida até 1993.

Além das músicas adicionais, a qualidade sonora dos CDs do box foi melhorada. Os masters originais foram remasterizados nos estúdios da Abbey Road, onde as gravações dos álbuns da trilogia original foram restauradas mediante a utilização do software CEDAR (Computer Enhanced Digital Audio Restoration). Essa tecnologia, que tornou-se disponível em 1993, é capaz de restaurar, a partir do master original, trechos que não poderiam ser remasterizados com os softwares usados anteriormente, e o resultado valorizou ainda mais a interpretação impecável da London Simphony Orchestra. De todos os scores o mais beneficiado foi o de Return Of The Jedi, já que grande parte de temas envolvendo o Imperador (com a utilização de coral masculino) e de temas para a grande batalha espacial foram pela primeira vez lançados em disco.

sw_1_SE_A principal diferença do box set para as “Special Editions” de 1997 (RCA/BMG) e os relançamentos posteriores da Sony Classical, é que os CDs da Fox/Arista não incluem alguns outtakes e versões alternativas, nem as faixas que foram compostas para a edição especial de Return Of The Jedi – “Jedi Rocks” (que substituiu “Lapti Nek”) e “Victory Celebration”, que substituiu “Ewok Celebration”. O raro box, portanto, é recomendado para o colecionador que quer possuir todas as gravações originais dos scores, e porque o longo livreto de 64 páginas inclui muitas imagens dos filmes, dos bastidores e comentários de todas as músicas por John Williams, além de um pouco da história do compositor, com fotos dele regendo a orquestra. Porém, quem quiser ouvir todas as versões alternativas e as novas músicas, terá que optar pelas edições duplas especiais, estas também lançadas à época no Brasil.

A Trilogia Prelúdio
22 anos após visitar o universo de Star Wars pela primeira vez, John Williams retornou à saga de George Lucas, e apesar de suficientemente identificada com o som consagrado nos filmes originais, a música de A Ameaça Fantasma refletiu as mudanças ocorridas no estilo de Williams a partir de meados dos anos 1980. Orquestrações elaboradas, coral e a utilização apenas moderada de temas conhecidos, à exceção do famoso tema de abertura (prestem atenção nos acordes sutis de “The Imperial March” em “Anakin´s Theme”) cruzam os 75 minutos de duração do CD original, no qual se destaca “Duel of The Fates” , o principal tema inédito do score. Destacam-se também “The Arrival at Tatooine and The Flag Parade”, “Panaka and the Queen’s Protectors” e “Augie’s Great Municipal Band and End Credits”.

sw_EI_CDO formato das composições deste score nos lembra o Star Wars original (1977). Como John Williams disse na época do lançamento do filme, “90% é novo e 10% é recriação”. Esses “10%” para um ouvinte desatento poderiam passar desapercebidos, a “Imperial March” é incluída em quase todas as músicas em alusão ao jovem Anakin, que se tornará Darh Vader. E os outros “90%” são composições que mostram um mundo musical mais trabalhado. A gravação, feita nos estúdios Abbey Road de Londres, nos brinda com excelentes performances da The London Symphony Orchestra, London Voices e The New London Symphony Orchestra, todos sob a batuta de Williams. O álbum original omitiu grande parte da música gravada para o filme, posteriormente lançada no CD duplo Star Wars: The Phantom Menace – The Ultimate Edition. Se a versão posterior trouxe toda a música ouvida no filme, a original possui a versão para concerto de vários temas, em uma sequência que privilegia a experiência auditiva, e não a fílmica, o que equivale dizer que, para os completistas, ela também torna-se indispensável.

The_Phantom_Menace_(Ultimate_Edition)_ostQuanto à “Edição Definitiva” (Ultimate Edition), sua bela embalagem metalizada em tons azuis contém um encarte repleto de fotos coloridas do filme e dois CDs, que totalizam mais de duas horas de música espalhadas em 68 faixas que trazem elementos ausentes na edição anterior. Por exemplo, os temas da Força e de Darth Vader, anteriormente apenas sugeridos, agora ganham maior relevo, e várias faixas permitem uma perfeita identificação com a trilogia original. Deve ser frisado que, além das muitas músicas adicionais, a nova edição possui marcantes diferenças quanto à ordem cronológica e a edição das faixas, já que a trilha é apresentada exatamente na forma em que é ouvida no filme. O que significa dizer que, em virtude das mudanças que o filme sofreu na sala de edição, o álbum não apresenta o score como originalmente gravado por Williams. Isso é mais fácil de constatar em sua parte final, que acompanha as batalhas no planeta Naboo e o duelo entre o vilão Darth Maul e os Cavaleiros Jedis. Faixas como “Duel of The Fates” foram divididas e editadas para acompanhar a nova ordem das cenas, sendo que, muitas vezes, os cortes não são muito sutis. Encerra o álbum uma versão de “Duel of the Fates” que inclui diálogos e efeitos sonoros de várias cenas. É a mesma versão do vídeo musical que, inclusive, foi incluído no game baseado no filme. Ou seja, quem quiser ouvir a versão para concerto de “Duel of The Fates”, sem interrupções ou diálogos, terá de possui também o CD anterior .

swaotcCDO trabalho seguinte, O Ataque dos Clones, foi a partitura para cinema mais esperada de 2002. A música de Williams para A Ameaça Fantasma reflete o amadurecimento das mais de duas décadas que separaram o início disso tudo e o Episódio I, diminuindo a distância entre os vocabulários que Williams usa no cinema e nas salas de concerto. De certa forma Attack of the Clones continuou esse caminho, mas enquanto o novo material temático continua próximo daquilo a que então chamamos de estilo maduro de Williams, o resto do álbum está recheado de todos os floreados e fogos de artificio orquestrais tão queridos pelos admiradores da trilogia original. Vários dos temas, hoje célebres, da trilogia original regressam, como é o caso da fanfarra de abertura, o “Yoda’s Theme” e o quase religioso “Force Theme” (muito associado a “Ben” Obi-Wan Kenobi), este último surgindo sempre com grande força dramática. Mas o regresso de maior importância é a grandiosa (e extraordinariamente malévola) “Imperial March”, o célebre tema para Darth Vader, que surge no final da partitura com toda a carga visceral apropriada – embora o seu uso no contexto do filme seja discutível. Williams compôs uma outra passagem para o finale, mas Lucas insistiu no uso da “Imperial March”, que o compositor tencionava apenas apresentar na sua total glória, quando da transformação de Anakin em Darth Vader.

Temas de The Phantom Menace também regressam, mas o coração deste novo trabalho é “Across the Stars”, o primeiro verdadeiro love theme em toda a saga. Na trilogia original, o mais parecido com um tema romântico que tínhamos era o associado à Princesa Leia e às suas relações não necessariamente amorosas. Este é um grande tema romântico, cheio de dramaticidade, que convêm simultaneamente à ideia de um grande romance e do destino terrível que espera estes dois amantes (afinal, Anakin vai transformar-se no grande emissário do lado sombrio da Força.

A ausência mais notória no corpo da partitura (no que respeita ao CD) é a fanfarra de Star Wars. Apenas a ouvimos no “Main Title” e no finale… mas este não seria um filme da saga sem estas aparições já obrigatórias. “Yoda and The Younglings” inclui naturalmente o tema do mestre Jedi, mas também uma brilhante variação sobre o tema da Força. “Bounty Hunter’s Pursuit”, uma das melhores faixas, inclui um novo motivo que sugere a urgência da cena que música, e depois de uma passagem atmosférica e misteriosa, um crescendo leva-nos para uma brilhante apresentação do tema da Federação do Comércio. “The Tusken Camp and Homestead” começa com material reminiscente da música de Star Wars para o planeta natal de Anakin, mas o grande momento desta faixa é quando ouvimos pela primeira vez, quase como uma memória distante, a “Imperial March”, apresentada suavemente, e no entanto ameaçadora (enquanto vislumbramos também a raiva e o ódio que assombram Anakin).

O grande final chega em “Confrontation with Count Dooku and Finale”. Uma primeira apresentação nervosa nas cordas do tema da força leva-nos para música para voz. Esta composição é misteriosa e sombria, enquanto musica o encontro entre Dooku e o Mestre Sith/Palpatine. E quando a música parece encaminhar-se novamente para o tema da Força, como acontecia em “Return To Tatooine”, Williams desvia-nos para uma versão totalmente realizada da “Imperial March”. Este é o grande momento do álbum (embora como já mencionado, o seu uso é discutível no filme). Segue-se uma dramática apresentação do love theme e seguimos para a habitual suíte dos créditos finais, dominada quase totalmente por “Across the Stars” e terminando com uma breve citação do tema de Anakin e da “Imperial March”.

sw_ROTS_CDPara o capítulo de encerramento da trilogia prelúdio, A Vingança dos Sith (o mais dramático e violento da série, que nos EUA recebeu classificação PG 13), o compositor conseguiu um feito inédito: concluir uma saga musical iniciada há 28 anos, porém fazendo a transição para Uma Nova Esperança (o filme original), que cronologicamente é o capítulo seguinte, como que introduzindo em 2005 ideias que seriam plenamente desenvolvidas e estabelecidas a partir de 1977. Para tanto, novamente valeu-se de temas musicais da saga já conhecidos, ao mesmo tempo criando material inédito no qual, a exemplo dos dois segmentos anteriores, se destaca um grande novo tema – neste caso, “Battle of The Heroes”. É um tema dramático e de ação que segue a linha de “Duel of The Fates”, onde sobressai-se o coral London Voices, e a orquestra fornece rápidas intervenções das cordas e metais (não há letras nas partes do coral). É uma peça musical épica na melhor tradição das grandes trilhas orquestrais de Hollywood, que no CD é ouvida em sua versão de concerto na faixa nº 03, e que surge em outros momentos da partitura, como “Anakin vs. Obi-Wan” e “Enter Lord Vader”.

Para a estranheza de muitos, neste trabalho Williams entregou uma das composições mais atípicas para um filme de Star Wars: “Padme’s Ruminations”, uma faixa um tanto quanto sinistra e melancólica, na qual em sua parte inicial ouvimos uma voz feminina como se saída de uma versão futurista da música de Gladiador. Entre o novo material também escutamos um tema percussivo e frenético para o vilão General Grievous, ouvido no confronto dele com Kenobi (que lembra o estilo empregado por Williams em Jurassic Park), e novas músicas de ação para as sequências de batalhas. A já citada “Anakin vs. Obi-Wan” é a música que acompanha o aguardado duelo entre os dois Jedis, onde “Battle of the Heroes”, o tema de Vader e finalmente “The Force Theme” são costurados por transições de cordas e coral. Apesar da força de “Battle of Heroes”, é exatamente “The Force Theme”, que surge já na faixa de introdução, o mais recorrente ao longo do score (de fato, é seu fio condutor), no qual ao final também ocupa posição de destaque o “Princess Leia’s Theme”. Obviamente o memorável “Darth Vader’s Theme” será ouvido em alguns momentos cruciais, bem como o tema de amor de Ataque dos Clones, “Across The Stars”.

A faixa de encerramento, “A New Hope and End Credits”, com seus mais de 13 minutos, é a mais longa do CD e onde Williams passa definitivamente a tocha musical para a trilogia original. Ela inicia com uma bela interpretação do tema de Leia, seguida pelo “Force Theme”, que é repetido e cresce de intensidade antes de entrar a sequência dos créditos finais. Nesta, o tema de Leia retorna, seguindo o tradicional tema dos créditos finais de Star Wars. “Battle of the Heroes” vem logo a seguir, sucedida por “The Throne Room”, aquela versão marcial do “Force Theme” ouvida na cena final do filme de 1977, porém desta vez com uma seção intermediária bem mais legato se comparada à versão lá empregada. O “Force Theme” então recebe uma versão bem mais suave, antes de retornar ao ritmo de “The Throne Room”, que tocará até finalmente chegar a habitual fanfarra final da saga. Se algum reparo há para ser feito, é de que o tema do Imperador faz apenas uma brevíssima aparição na partitura, algo até surpreendente uma vez que o personagem é o real condutor da trama do episódio.

Em que pese boa parte da música ouvida no filme não estar no álbum (que a exemplo de Attack of The Clones nunca recebeu uma edição completa ou expandida), e de haver diferenças entre o que nele ouvimos e a música que está no filme (mais uma vez a montagem da trilha sofreu alterações, e inclusive, como já acontecera no filme anterior, em determinadas sequências foram utilizados trechos do score de The Phantom Menace), os setenta minutos de duração do CD, como de hábito contendo a inigualável interpretação da London Symphony Orchestra, levam o ouvinte a uma inesquecível jornada musical através do universo STAR WARS. Adicionalmente, em seu lançamento o álbum trouxe como bônus (e sem custo adicional) o DVD Star Wars: Uma Viagem Musical, composto de 16 vídeos em formato de tela widescreen anamórfico e áudio Dolby Digital 5.1, apresentando cenas, diálogos e músicas dos seis episódios da série – cada segmento podendo ser assistido com uma introdução do ator Ian McDiarmid (Palpatine). O destaque é o vídeo “A Hero Falls”, onde cenas de Revenge of The Sith são acompanhadas por “Battle of The Heroes”. O único senão é o fato de a versão nacional do DVD não ter legendas em português. Contudo, o destaque absoluto é a música que, como vocês sabem, é uma linguagem universal.

MI0001154749A Saga continua…
E após essa recapitulação do legado musical dos seis filmes de Star Wars, deixamos você, caro Scoretracker, que assim como nós deve estar aguardando ansiosamente o retorno de John Williams a uma galáxia muito, muito distante, que acontecerá em 2015 com Star Wars Episódio VII.

Jorge Saldanha, Ricardo Augusto de Souza da Silva, Miguel Andrade

Anúncios