Klaatu_Gort

Resenha de Arquivo: THE DAY THE EARTH STOOD STILL – Bernard Herrmann (Trilha Sonora)


earthstoodstillCDMúsica composta por Bernard Herrmann
SeloVarèse Sarabande Film Classics
Catálogo:  302 066 314 2
Lançamento: 04/03/2003
Cotação: *****

A música para filmes de ficção científica tradicionalmente se classifica em uma de duas categorias: a primeira usa instrumentos eletrônicos (exclusivamente ou combinados com a orquestra), para criar um intenso mas quase frio som que mantém a audiência distante da ação; a segunda emprega uma orquestra de proporções “wagnerianas”, movimentos arrastados e grandes leitmotifs que levam os espectadores a uma aventura interestelar.

As partituras de John Williams para Star Wars estabeleceram o molde para esta segunda categoria, mas para muitos cinéfilos, especialmente aqueles criados nos anos 1950, é o primeiro estilo que define o sci fi soundO Dia em que a Terra Parou, de Bernard Herrmann, é o protótipo do primeiro estilo e pode-se dizer que, de muitos modos, o inaugurou. Um dos primeiros trabalhos de Herrmann em Hollywood, ele demonstra a sua fascinação por cores tonais afiadas interpretadas por grupos de instrumentos inovadores.

Para este filme o maestro utilizou um conjunto de três trompetes e trombones, quatro tubas, um sopro, dois órgãos Hammond, dois pianos, violino elétrico, violoncelos, contrabaixos, uma bateria de percussão completa e dois theremins. O theremin (para quem ainda não sabe) é um pioneiro instrumento eletrônico tocado movendo as mãos em volta de duas antenas. A localização da mão do músico muda a oscilação do sinal eletrônico, quase como se ele estivesse manipulando, em um daqueles rádios antigos, o zumbido ouvido entre as frequências de duas estações.

O resultado é um som “extraterrestre” que sobe e desce, como uma fantasmagórica voz humana em tom alto. Na visão de Herrmann, o instrumento representa os visitantes alienígenas Klaatu e seu robô Gort. O par de theremins, juntamente com outros instrumentos eletrônicos, foram geralmente agrupados em contraste com os sons mais tradicionais dos metais (os quais tocam frases tristes ou fanfarras militares) e pianos.

A faixa de abertura, “Prelude and Outer Space”, resume a ideia musical do compositor para o filme, que será desenvolvida ao longo do score. Herrmann a inicia em um grande volume, introduzindo o tema principal com um glissando, seguido por um tema ascendente dos metais (sombras de “Also Sprach Zarathustra”). Os theremins finalmente entram em cena com sua sonoridade assombrada, ondulando a melodia antes de que todo o processo seja revertido (com os theremins ficando em um ponto intermediário). A faixa termina do modo como começou, com um grande volume da orquestra mas também com um último acorde de theremin, indicando o modo como o filme se encerrará.

Este brilhante score, um marco na história da música do cinema, foi carinhosamente regravado por Joel McNeely para a série Film Score Classics da Varèse Sarabande, e lançado em 2003 praticamente junto com o filme em DVD (nos EUA). Esta edição, em relação às gravações originais da versão cinematográfica editada em CD nos anos 1990 pela Fox, apresenta como vantagens a qualidade de áudio muito superior e uma interpretação afinadíssima dos theremins.

Mesmo assim as gravações históricas de Herrmann, utilizadas pela Fox como música de arquivo nas clássicas séries de Irwin Allen dos anos 1960 (especialmente em Perdidos no Espaço), são indispensáveis, já que possuem uma sonoridade impossível de ser reproduzida à exatidão – mesmo o maestro, em suas populares regravações de seus trabalhos, não conseguiu fazê-lo. O Blu-ray do filme, lançado no Brasil em 2009, traz um recurso inestimável para os Scoretrackers – a possibilidade de ouvir o score original isolado dos diálogos e efeitos sonoros, em áudio DTS 5.1.

Enfim, o que importa mesmo é que, em qualquer versão, o score de Herrmann (que está a anos luz da trilha que Tyler Bates compôs para a fraca refilmagem de 2008) é indispensável, não somente por sua importância histórica mas também pelo puro prazer que sua audição proporciona.

Faixas:

1. Prelude and Outer Space (01:42)
2. Radar (02:06)
3. Danger (00:24)
4. Klaatu (02:08)
5. Gort (00:45)
6. The Visor (01:10)
7. The Telescope (00:43)
8. Escape (00:57)
9. Solar Diamonds (01:00)
10. Arlington (01:22)
11. Lincoln Memorial (02:10)
12. Nocturne (02:47)
13. The Flashlight (00:53)
14. The Robot (02:08)
15. Space Control (01:11)
16. The Elevator (00:30)
17. The Magnetic Pull (01:36)
18. The Study (00:45)
19. The Conference (00:31)
20. The Jeweler (00:47)
21. 12:30 (00:30)
22. Panic (00:46)
23. The Glowing (01:01)
24. Alone (01:03)
25. Gort’s Rage (00:43)
26. Nikto (00:35)
27. Captive (00:32)
28. Terror (01:48)
29. The Prison (01:43)
30. Rebirth (02:03)
31. Departure (00:55)
32. Farewell (00:35)
33. Finale (00:37)

Duração: 38:26

Jorge Saldanha

2 opiniões sobre “Resenha de Arquivo: THE DAY THE EARTH STOOD STILL – Bernard Herrmann (Trilha Sonora)”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s