Perfil: FRANZ WAXMAN (1906-1967)


fwaxman2Autor de uma variedade musical invejável e reconhecida mundialmente, Franz Wachsmann, ou como é mais conhecido, Franz Waxman, viveu quase toda a sua vida como compositor, condutor e empresário. Ele nasceu em Konigshutte, Upper Silésia, Alemanha, em 24 de dezembro de 1906, e foi o mais novo de seis filhos. Ninguém na familia era músico, exceto Franz, que começou a aprender piano com a idade de 7 anos. Seu pai foi um industrial e não acreditava que seu filho poderia ganhar a vida com a música, encorajando-o a uma carreira bancária. Ele trabalhou dois anos e meio como caixa e usou seu salário para pagar as suas lições de piano, harmonia e composição. Então, saiu do banco onde trabalhava e mudou-se para Dresden, e depois para Berlin para estudar música. Durante este período ele pagou por sua educação musical tocando piano em nightclubs e com os Weintraub Syncopaters, uma banda de jazz popular dos anos 20, da qual fez parte como pianista. Enquanto estava na banda ele começou a fazer seus arranjos, e suas orquestrações para alguns antigos filmes musicais da Alemanha.

Frederick Hollander, que escreveu algumas musicas para os Weintraubs, deu a Waxman a sua assinatura para o seu primeiro filme importante: orquestrar e conduzir o score de Hollander para o clássico filme de Josef von Sternberg, The Blue Angel (1930). O produtor deste filme, Erich Pommer, que foi também o lider dos estúdios UFA em Berlin, graças a essa orquestração, convidou Waxman a fazer o score que representa sua primeira grande composição: a versão de Fritz Lang de Liliom (1933) que foi filmado em Paris depois de seu êxodo da Alemanha. A próxima realização de Pommer, Music in the Air, de Jerome Kern (Fox Filmes, 1934), levou-o para os Estados Unidos, e com ele estava Waxman para arranjar a música, e logo ficou responsável pela direção musical para a Festa de Natal de Hollywood. Esta foi uma boa justificativa para se livrar do domínio de uma Alemanha tomada pelo terrorismo dos Nazistas, justamente na época em que estes passaram a atacar os judeus.

bride_frankO primeiro score importante de Waxman em Hollywood é também um de seus trabalhos mais cults e foi muito utilizado, sem créditos, nos filmes-seriados de Flash Gordon: The Bride of Frankenstein (1935, A Noiva de Frankenstein), trilha sonora que fez a convite de James Whale, e que foi suficiente para torná-lo, através de contrato, por dois anos o chefe do departamento musical da Universal. Com amplo uso da técnica do leimotiv, esta primeira trilha sonora incidental especialmente composta para a lendária série de monstros do estúdio é um dos clássicos scores do cinema fantástico, tão importante quanto o King Kong de Max Steiner.

Waxman trabalhou, nesta ocasião, em mais de 50 filmes da Universal e entre os mais conhecidos estão: Magnificent Obsession, Diamond Jim (ambos em 1935) e The Invisible Ray (1936, O Poder Invisível). Dois anos depois de ter chegado em Hollywood, logo após o final do contrato com a Universal, então com 30 anos, assinou um novo contrato de sete anos, desta vez com a Metro-Goldwin-Mayer para ser compositor e maestro dos scores de seus principais filmes durante estes anos. Só no primeiro ano ele fez sete filmes, e foi durante este período que fez os seus famosos filmes de Spencer Tracy como: Capitain Courageous (1937), Dr. Jekyll and Mr. Hide (1941, O Médico e o Monstro) e Woman of the Year (1942). Seu formidável repertório do ano de 1937 incluia também as loucuras e atrapalhadas performances dos Irmãos Marx em Um Dia Nas Corridas. Ainda em 1937 ele foi chamado pela M-G-M para fazer The Young in Heart (1938, Jovem no Coração) de David O. Selznick e foi indicado para melhor música original e melhor score, as duas primeiras de uma série de 12 indicações da academia para os 144 filmes que ele musicou em seus 32 anos de carreira em Hollywood.

Em 1940 ele era novamente  chamado por Selznick, desta vez para o filme de Hitchcock, Rebecca (Rebecca, A Mulher Inesquecível) e foi indicado pela terceira vez por este seu memorável trabalho. Waxman deixou a M-G-M em 1943, após ter feito trabalhos excelentes como  a comédia romântica The Philadelphia Story (1940, Núpcias de Escândalo), o suspense de Hitchcock, Suspicion (1941, Suspeita) e a aventura, Air Force (1943, Águias Americanas) e logo começou uma longa associação com a Warner Brothers. Old Acquaintance (1943), Mr. Skeffington (1944) e Objetive Burma! (1945) são deste período. Em 1947 Waxman fundou o Los Angeles International Music Festival, pelo qual foi responsável por 20 anos. Nestes Festivais foram apresentadas as “Premieres” para o Mundo e para a América de 80 importantes trabalhos de compositores como Stravinsky, Walton, Vaughan Williams, Shostakovitch e Schoenberg. Tornou-se então um verdadeiro empresário da música erudita e, ao mesmo tempo, era chamado pelos maiores estúdios de Hollywood para importantes produções e, ainda, era convidado a conduzir orquestras sinfônicas na Europa bem como nos EUA e compor músicas para concertos.

Para o filme Humoresque (1946), ele escreveu uma peça especial de concerto baseada em temas de “Carmem” de Bizet que foi executada por Isaac Stern na trilha sonora deste filme. A “Carmem Fantasie”, como ficou conhecida, se tornou parte do repertório de orquestras sinfônicas da época, e foi gravada por Jascha Heifetz para a RCA. Entre os trabalhos para concertos de Waxman está a “Overture for Trumpet and Orchestra”, baseado em temas de “The Horn Blows at Midnight”, “Sinfonietta for String Orchestra and Timpani”, o dramático ciclo de canções “The Song of Terezin” e um oratório de nome “Joshua”.

Waxman ganhou o prêmio da Academia em 1950 por Sunset Boulevard (O Crepúsculo dos Deuses) de Billy Wilder, e em 1951 por A Place in the Sun (Um Lugar ao Sol) de George Stevens. Ambas ganharam inúmeras versões para concerto executadas por muitas orquestras ao longo do tempo. Waxman é o único compositor da história de Hollywood, que ganhou o Oscar de melhor score em dois anos sucessivos.

taras_bulbaFoi durante os anos 50 e 60 que ele compôs alguns de seus mais importantes e variados scores, entre eles: Prince Valiant (1954, O Principe Valente), Rear Widow (1954, Janela Indiscreta), Demetrius and the Gladiators (1954, Demétrius e os Gladiadores), Elephant Walk (1954, O Caminho dos Elefantes),  e Taras Bulba (1962). Em 1953 encheu a Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood de críticas por não ter sequer indicado ao Oscar, a trilha sonora de Alfred Newman para The Robe (O Manto Sagrado), o que fez com que Waxman fosse esquecido por um certo tempo pela Academia, em especial entre 1954 (quando fez a trilha para a continuação de O Manto Sagrado, Demétrius e os Gladiadores) e 1959 (quando recebeu sua penúltima indicação para o Oscar pela trilha do filme com o principal papel da carreira de Audrey Hepburn, Nun’s Story). Waxman era usualmente associado a filmes românticos, mas depois ele passou a ser relacionado a épicos e a scores jazzísticos. Crime in the Streets (1956), The Spirit of St. Louis (1957, Águia Solitária), Sayonara (1957), Peyton Place (1957, A Caldeira do Diabo) e Nun’s Story (1959, A Cruz a Beira do Abismo) são também deste período.

Franz Waxman recebeu muitas honrarias durante seu tempo de vida, incluindo a Cruz do Mérito da República Federativa da Alemanha Ocidental, tornou-se membro honorário da Sociedade Mahler e da Sociedade Internacional de Artes e Letras e um doutorado honorário de Letras e Humanidade da Universidade de Columbia. Também são suas as famosas trilhas sonoras dos filmes Cimarron e The Story of Ruth, ambas de 1960. Sua última trilha sonora para o cinema foi para o filme The Lost Command (1966) e em 1967, ainda chegou a compor a música para o filme televisivo The Longest Hundred Miles. Ele morreu de câncer em 24 de fevereiro de 1967, em Los Angeles com a idade de 60 anos. Segundo Michael Medved, a história de Franz Waxman, como a de Korngold, ironicamente, ilustra a imensa, porém involuntária contribuição que Adolph Hitler deu ao cinema americano. Depois de ter sido maltratado pelos matadores nazistas em 1934, Waxman deixou uma promissora carreira no cinema da Alemanha para colaborar com o cinema Americano até o final de sua produtiva existência.

fwaxmanAs 12 Indicações e os 2 Oscars de Franz Waxman:

1. The Young in Heart (1938)  – Jovem no Coração (Melhor Música)
2. The Young in Heart (1938) – Jovem no Coração (Melhor Trilha Sonora Original)
3. Rebecca (1940) – Rebecca, A Mulher Inesquecível
4. Dr. Jekyll and Mr. Hide (1941) – O Médico e o Monstro
5. Suspicion (1941) – Suspeita
6. Objetive Burma! (1945) – Um Punhado de Bravos
7. Humoresque (1946) – Acordes do Coração
8. Sunset Boulevard (1950) – O Crepúsculo dos Deuses 1º Oscar
9. A Place in the Sun (1951) – Um Lugar ao Sol 2º Oscar
10. The Silver Chalice (1954) – O Cálice Sagrado
11. The Nun’s Story (1959) – Uma Cruz à Beira do Abismo
12. Taras Bulba (1962) – Taras Bulba

Marcos Queiroz

Anúncios

3 opiniões sobre “Perfil: FRANZ WAXMAN (1906-1967)”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s