Resenha: TRANSFORMERS – AGE OF EXTINCTION – Steve Jablonsky (Trilha Sonora)


13227Música composta por Steve Jablonsky
SeloParamount Pictures
Catálogo: Download Digital
Lançamento: 03/07/2014
Cotação: **

Os filmes da série Transformers são tidos como os maiores representantes dos piores aspectos do cinema comercial hollywoodiano. Com seu péssimo roteiro, direção atroz e atuações patéticas, todos os filmes da série têm arrecadado alto graças aos efeitos especiais e constantes cenas de ação e destruição, que ocorrem enquanto robôs gigantes bons e maus lutam pelo destino da raça humana. Acompanhando os filmes da série está o compositor Steve Jablonsky, com sua música estabelecendo um paralelo com os longas, afinal, ela também é tida como um ótimo exemplo do pior que as trilhas sonoras de Hollywood podem oferecer.

Será que existe razão para tanta crítica? Bem, das trilhas para os filmes anteriores, dá para encontrar alguns bons momentos aqui e ali, como a famosa Arrival to Earth, do primeiro filme e a melancólica No Prisoners, Only Trophies, do disco do terceiro. Mas, fora isso, são scores bem fracos de maneira geral, que pecam ao fazer cópias pobres das trilhas do “mestre” (?!) de Jablonsky, Hans Zimmer (um exemplo é o tema do vilão Sentinel Prime, do terceiro filme, que copia descaradamente o score de O Último Samurai). E isso porque nós nem começamos a falar do uso de instrumentação eletrônica processada ao extremo e das orquestrações risíveis, que fazem a orquestra soar como um sintetizador.

Pois bem, seria bacana dizer que, para o quarto filme, Jablonsky resolveu compor um score inspirado e grandioso. Gostaria muito de escrever uma resenha positiva, falando sobre o quanto o compositor demonstrou seu talento ao entregar uma trilha épica e marcante. Mas, infelizmente, eu não posso. Porque, na maior parte do tempo, a trilha de Transformers – A Era da Extinção é sem inspiração, pobre, e sem muitos atrativos para o ouvinte, além de contar com o uso mais irritante de sintetizadores desde… Na verdade, não faz muito tempo, afinal, a cada blockbuster lançado temos compositores que se perdem em tentativas infelizes de soar como o poderoso e influente Zimmer. E, embora durante a maior parte do disco a trilha é um papel de parede musical, que nunca chama a atenção para si mesma, em determinados momentos ela consegue ser realmente irritante, especialmente quando carrega no uso de sintetizadores.

A parte mais deprimente disso é que, aqui e ali, ouvimos ideias interessantes que mostram que, na verdade, Jablonsky não é um mau compositor. Afinal, se a maioria das faixas de ação é desinteressante, temos uma boa surpresa com His Name is Shane and He Drives. Não que ela seja muito original, na verdade, poderia ter saído diretamente de cues não utilizados da trilogia Batman ou de O Homem de Aço, mas Jablonsky ao menos faz um bom trabalho ao manter a tensão ao longo de toda a faixa.

Além disso, o compositor acerta ao trazer o tema dos Autobots de volta em The Legend Exists, numa bela interpretação, seguida pela boa Dinobot Charge, que se torna uma das composições mais interessantes de Jablonsky justamente por não ser uma faixa de ação convencional. Na verdade, ela consiste numa melodia dramática a cargo de orquestra e piano, com a percussão mantendo a tensão da faixa, ao longo dos melhores seis minutos que o álbum oferece.

Para este novo filme, Jablonsky entrega novos temas. O primeiro deles serve para representar a família do protagonista interpretado por Mark Wahlberg, que vive no interior do Texas. Esse tema, apesar de não ser muito interessante musicalmente, ao menos serve para fazer o clima adequadamente “country” do início do filme. Ele é introduzido em Best Thing That Ever Happened, e consiste em guitarra, sintetizador, violino e uma voz masculina, de maneira atmosférica e etérea – o que faz com que ele soe estranho no contexto musical da franquia.

O outro tema representa o vilão Lockwood, um Transformer caçador de recompensas, e infelizmente é um dos piores já compostos por Jablonsky para a franquia. Interpretado basicamente por sintetizador e batidas de guitarra, ele tem como base quatro notas, arranjadas de maneira extremamente amadora. Ele é apresentado em Your Creators Want You Back, e depois retorna numa interpretação particularmente pavorosa em That’s a Big Magnet, acompanhado de mais samples e batidas de guitarra.

Além disso, também deve-se destacar que a banda Imagine Dragons colaborou com o compositor na trilha. Para o tema da família do protagonista, a voz masculina ouvida pertence ao vocalista Dan Reynolds. Enquanto isso, em Honor to the End, podemos ouvir um trecho da música composta pela banda para o filme Battle Cry. Talvez isto soe épico para um adolescente fã da franquia e da banda, talvez ajude a vender o álbum – o que só prova que a única ambição do filme e do disco é a comercial.

Fora isto, não há muito o que se falar do disco, exceto que, em sua maior parte, ele é um clichê ambulante dos piores aspectos que a produtora de Zimmer Remote Control tem a oferecer. Tudo o que já se tornou praxe na casa está aqui: muitos sintetizadores, música que se pretende “épica”, dissonâncias… Sim, você já ouviu essa mesma trilha milhares de vezes, e ouvirá de novo caso queira dar uma chance a este disco de Jablonsky.

Eu não gostaria de escrever uma resenha como essa, porque, como já foi dito, há algum talento em Jablonsky. Entretanto, devido às suas pobres escolhas de carreira, ele ficou estigmatizado como o “clone pobre de Hans Zimmer que trabalha com Michael Bay”. Por isso, ao invés de ouvir suas trilhas para os filmes dessa horrenda série, prefiro dar play no meu álbum de Steamboy, um ótimo score que lembra o tempo em que Steve Jablonsky ainda era um compositor promissor e talentoso – e que eu espero que, um dia, volte a ser.

Faixas:

1. Decision (04:20)
2. Best Thing That Ever Happened (02:06)
3. I’m An Autobot (05:06)
4. Optimus Is Alive (02:17)
5. Cemetery Wind (05:53)
6. His Name Is Shane And He Drives (05:17)
7. Hacking The Drone (02:05)
8. Transformium (03:24)
9. Galvatron Is Online (01:56)
10. Your Creators Want You Back (03:26)
11. The Final Knight (04:07)
12. Punch Hold Slide Repeat (02:12)
13. The Presence Of Megatron (02:51)
14. Galvatron Is Active (04:13)
15. Have Faith Prime (01:29)
16. Hong Kong Chase (01:43)
17. The Legend Exists (01:16)
18. Dinobot Charge (06:37)
19. That’s A Big Magnet (02:51)
20. Drive Backwards (02:05)
21. Honor To The End (05:18)
22. Leave Planet Earth Alone (03:47)
23. The Knight Ship (03:21)

Duração: 77:40

Tiago Rangel

Anúncios

9 opiniões sobre “Resenha: TRANSFORMERS – AGE OF EXTINCTION – Steve Jablonsky (Trilha Sonora)”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s