Akira Ifukube (1914-2006) (C)
Akira Ifukube

Akira Ifukube nasceu em 31 de maio de 1914, em Kushiro, na ilha de Hokkaido, no Japão. Akira era o terceiro filho de um sacerdote Shinto, uma religião nativa japonesa. Muito da sua infância foi passada entre japoneses e os nativos Ainu da ilha de Hokkaido (um povo racial e culturalmente distinto dos japoneses). Obviamente que Akira foi muito influenciado pela tradição musical do povo japonês e dos nativos Ainu. A influência pela cultura musical dos Ainu, especialmente o estilo de improvisação, libertou bastante Ifukube das “amarras’’ das teorias musicais ortodoxas. Os primeiros instrumentos que aprendeu a tocar foram violino e shamisen (um instrumento típico do Japão, similar a guitarra no ocidente, constituído de apenas três cordas).

A lenda diz que Ifukube resolveu tornar-se compositor aos 14 anos, quando ouviu pelo rádio “Rite Of Spring’’ de Igor Stravinsky. Ifukube estudou silvicultura (ciência relativa ao manejo de áreas florestais e plantações) na universidade de Hokkaido e nas horas de folga compôs uma suite para piano – “Bon Odori”, de 1933. Escreveu uma importante tese para a universidade onde abordava as vibrações nos instrumentos musicais de madeira. Em 1935, ganhou o primeiro lugar num concurso internacional para jovens compositores com a obra “Japanese Rhapsody’’. Esta seria sua primeira peça para orquestra. Em 1938, ganhou outro prêmio num festival realizado em Veneza com a obra “Bon Odori’’. Em 1939, suas composições já eram bastante tocadas na Europa, principalmente “Japanese Rhapsody”.

Ao terminar a Universidade, trabalhou como administrador florestal e no final da Segunda Guerra Mundial trabalhou para as forças armadas japonesas como pesquisador florestal e compositor de marchas e hinos de batalhas. Entretanto, foi exposto a um tipo de radiação, e por não trabalhar com protetor de raio X, foi contaminado. Isso fez com que Ifukube ficasse hospitalizado por um bom tempo, e após isso ele abandonou o trabalho florestal, começando a assumir totalmente a fase de compositor musical. Lecionou de 1946 a 1953 na Nihon University College Of Art. Nesse época, em 1947, compôs suas três primeiras trilhas para o cinema: “Meitantei Hiroshi Kun’’, “Snow Trail e “ Invitation to Happiness’’. Em 1952 trabalhou na incrível trilha do filme anti-guerra “Children Of Hiroshima’’. A partir de 1954, tornou-se responsável também por grande parte das trilhas sonoras dos filmes fantásticos do estúdio japonês Toho. Até 1995, ele faria aproximadamente mais 269 trilhas para o cinema, documentários, TV e animações (desenhos). Todavia, o ponto alto de sua carreira foi mesmo em 1954, quando criou a trilha para o filme de cinema fantástico “Godzilla’’ (no Japão, “Gojira”). Foram 12 contribuições para essa série entre 1954 e 1995, e tornaram-se marcas registradas de seu trabalho musical.

AkiraIfukube19142006Mas outras trilhas de Ifukube também merecem destaque, entre elas: “Rodan, The Flying Monster’’ (1956); “The Mysterians’’ (1957); “Varan, The Unbelievable’’ (1958); “Battle In Outer Space’’ (1959); “ The Tale Of Zatoichi’’ (1962); “Atragon’’ (1963); o belíssimo desenho longa metragem “Little Prince And Eight Headed Dragon’’ (1963); “Dagora, The Space Monster’’ (1964); “Frankenstein Meets The Giant Devil Fish’’ (1965); “Frankenstein’s Monsters Sanda Vs. Gailah’’ (1966); a trilogia obra-prima “Daimajin’’ (1966); “King Kong Escapes’’ (1967); “Latitude Zero’’ (1969); “Yog, Monster From Space’’ (1970); o documentário “Birth Of The Japanese Islands’’ (1970); entre outros trabalhos não menos fantásticos. Em 1974, apesar do sucesso mundial como compositor, voltou a lecionar no Tokyo College Of Music e em 1975, tornou-se presidente dessa instituição. Em 1978, trabalhou na importante trilha do filme “Lady Ogin’’.

Em 1984, o estúdio japonês Toho fez um filme musical, “Godzilla Fantasia’’, com cenas de todas as suas produções Sci-Fi e filmes de Godzilla (seria como o “Fantasia’’ de Walt Disney), e Ifukube fez a trilha com vários temas clássicos compostos para a série Godzilla. Entre 1991 e 1995, fez mais quatro maravilhosas trilhas para a franquia, finalizando a sua contribuição para a série em 1995 com a obra “Godzilla Vs. Destroyer’’. Seria também o seu último trabalho para o cinema, totalizando 272 trilhas sonoras. Entretanto, Ifukube continuou fazendo concertos, dando entrevistas e lecionando”.

O mestre Akira Ifukube faleceu no Meguro-Ku Hospital em Tokyo, Japão, no dia 08 de fevereiro de 2006. Ifukube contraiu câncer retal, falecendo de carência múltipla dos órgãos, aos 91 anos de idade. Todavia, será eternamente reconhecido como o maior compositor de trilhas sonoras do cinema japonês.

Carlos Fiorelli

Enhanced by Zemanta
Anúncios