EL-CID

Resenha de Arquivo: EL CID – Miklos Rozsa (Trilha Sonora)


cid_CDMúsica composta por Miklos Rozsa, The City of Prague Philharmonic Orchestra and Chorus regida por Nic Raine
Selo: Silva America
Catálogo: SILED1299
Lançamento: 02/11/2009
Cotação: *****

Não há dúvida de que qualquer edição de uma das maiores obras de um dos grandes compositores da Música de Cinema de todos os tempos deve ser celebrada – e estamos falando aqui de ninguém menos que Miklos Rozsa, que construiu em Hollywood uma histórica carreira iniciada na segunda metade da década de 1930 e encerrada apenas em 1982. Ao longo dos anos o compositor húngaro visitou, com sua música, os mais variados estilos cinematográficos, no entanto é considerado um mestre especialmente nos gêneros noir e épico. Neste destaca-se, ao lado de Ben Hur e Rei dos Reis, seu não menos monumental score para El Cid (1961), considerado seu último grande trabalho épico. Como vocês devem saber, o filme traz no papel título outro egresso de Ben Hur, o astro Charlton Heston, interpretando o lendário guerreiro espanhol que defendeu seu país contra os Mouros.

Grandiosa e com fanfarras de metais que transportam ao ouvinte todo o heroísmo do cavaleiro e de suas façanhas, a trilha sonora de El Cid é mais um trabalho que resultou de extensa e detalhada pesquisa musical do compositor, que no filme conseguiu sobreviver à perda de parte do material gravado e a um trabalho incompetente do montador de som, que truncou desnecessariamente a partitura. Deve ser lembrado que todas as edições discográficas até hoje lançadas de Ben Hur, inclusive a edição original da Sony (posteriormente reeditado pela Chapter III) com 43 minutos regida pelo próprio Rozsa, são regravações, uma vez que as masters originais foram perdidas – algo que aconteceu também com os próprios negativos do filme até que o cineasta Martin Scorsese, décadas depois, bancou sua restauração. Em 1996 o selo Koch lançou uma regravação muito boa, com a The New Zealand Symphony Orchestra regida por James Sedares, que adicionou 20 minutos em relação ao álbum original mas ainda ficou longe, em termos de interpretação e duração, dos quase 150 minutos de música compostos por Rozsa. Assim, mesmo estando bem representada em disco, de certo modo esta era uma obra que merecia uma edição que lhe fizesse justiça.

Coube ao produtor James Fitzpatrick, do selo Tadlow e que já fora responsável por produzir em 2007 o lançamento da admirável reconstrução do score mais intimista de Rozsa para The Private Life of Sherlock Holmes, dedicar-se ao seu projeto de sonho: lançar a trilha sonora original de El Cid na íntegra, interpretada por uma orquestra à altura da obra. Para tanto contou com o regente Nic Raine, que atuou como produtor associado e coordenou a reconstrução do score com base nas anotações originais do compositor e nas orquestrações do colaborador de Rozsa Eugene Zador. O resultado foi um CD triplo lançado em 2008 pela Tadlow, com dois discos contendo a íntegra da trilha sonora e outro com composições não utilizadas, versões alternativas de algumas peças e e uma suíte de Double Indemnity. Finalmente em 2009 o selo Silva Screen / Silva America, que distribuíra a edição da Tadlow, a relançou em um CD duplo contendo o que realmente interessa – toda a partitura de El Cid, como originalmente concebida por Miklos Rozsa.

Contando com uma interpretação superior dos 91 instrumentos da massiva City of Prague PhilharmonicOrchestra e grande coral, regida por Raine, a nova regravação buscou aproximar-se da versão ouvida no filme, com a vantagem da captação digital do som ter resultado numa excelente fidelidade sonora. Mesmo possuindo as versões anteriores deste score em disco, não pude deixar de me impressionar com sua força e energia nesta edição, realçadas pelo material adicional e a primorosa performance da orquestra. Apesar de criado em 1961, temos então um trabalho à altura dos melhores da Era de Ouro do Cinema, com um belíssimo tema de amor dedicado a Rodrigo e sua amada Chimene (que tem uma de suas melhores versões em “The Barn – Love Theme”), que transborda um romantismo hoje raramente ouvido, e um heroico esplendor orquestral que retumba nos metais e percussões de faixas como “The Siege of Valencia”. Também, como em Ben Hur, Rozsa imbui sua música com uma intensa e melodiosa religiosidade, como ouvimos em “The Legend and Epilogue”, que marca o triunfo do herói sobre a morte e onde se destacam o inesquecível solo de órgão e o trabalho do coral.

Mas já estamos falando do final de um álbum que, desde seu início com “Overture”, nos maravilha com sua dimensão épica e aventureira. “Prelude” introduz o já citado tema de amor, numa interpretação grandiosa, que indiscutivelmente traz uma das mais refinadas melodias da lavra de Rozsa. Em uma partitura deste gabarito fica difícil achar destaques, mas “The Fight For Calahorra”, desde a primeira vez que a ouvi, é uma de suas músicas mais empolgantes, com uma execução complexa que traduz a nobreza e a valentia dos combatentes. Seguindo essa linha grandiosa-heroica outras das minhas prediletas são “The Road To Asturias / Thirteen Knights” e “For God And Spain” / ”Battle Of Valencia”. “Entracte: The El Cid March”, composta para ser a transição entre a primeira e a segunda metades do filme, é outro primoroso exemplo da exaltação à coragem e à nobreza, e outra das composições desta trilha sonora que passaram para a história. “Battle Preparations / Starvation / Revolt” é outra das minhas preferidas, trazendo uma assinatura musical ouvida em outras partituras de Rozsa, como Ben Hur e A Nova Viagem de Simbad – mas que aqui soa mais ameaçadora, antevendo as agruras e sombras da batalha que se aproxima.

Esta magnífica regravação de El Cid, complementada por um encarte contendo notas de Martin Scorsese e da filha de Rozsa, Juliet, é indispensável a todo colecionador sério da Música do Cinema, seja pelas qualidades intrínsecas da composição de Miklos Rozsa, seja pela excelência de sua interpretação e qualidade sonora. É um verdadeiro tributo ao compositor, e sob este aspecto Fitzpatrick e todos os que colaboraram no projeto não poderiam ter sido mais bem sucedidos.

Faixas:

Disco 1

1. Overture
2. Prelude
3. Ben Yussuf
4. Destiny / Burgos
5. Palace Music
6. Bad News
7. Entry Of The Nobles
8. The Meeting
9. The Slap
10. Count Gormaz / Courage And Honor / Gormaz’s Death / Honor And Sorrow
11. The Court Of Ferdinand
12. The Gauntlet
13. The Fight For Calahorra
14. The King’s Champion
15. Chimene’s Decision
16. Investiture
17. The Expedition
18. Betrayal / Ambush
19. The Wedding
20. Wedding Supper
21. The Wedding Night
22. The Road To Asturias / Thirteen Nights
23. Ride To Valencia
24. Al Kadir’s Delights
25. Sancho’s Demand
26. Dolfos Mission / Sancho’s End
27. Coronation

Disco 2

1. Alfonso’s Oath
2. Banishment / Forgiveness
3. Friendship
4. The Barn / Love Theme
5. For Spain / Farewell
6. Entr’Acte / The El Cid March
7. Rodrigo’s Men
8. The Twins
9. Rodrigo’s Doubts
10. Unity
11. Moorish Feast
12. The Siege Of Valencia / Rodrigo’s Encampment
13. Desperate Love
14. United Again
15. Battle Preparations / Starvation / Revolt
16. Valencia For The Cid
17. Ordonez’s Death
18. For God And Spain / The Battle Of Valencia
19. The Arrow / The Promise
20. The Cid’s Death
21. The Legend And Epilogue

Duração: 148:92

Jorge Saldanha

Enhanced by Zemanta

Uma opinião sobre “Resenha de Arquivo: EL CID – Miklos Rozsa (Trilha Sonora)”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s