oblivion_banner

Na Trilha: As Melhores Score Tracks de 2013


Está sem tempo para ouvir álbuns completos? Pois aqui vai nossa pequena seleção com as melhores faixas individuais que Hollywood lançou em 2013, sem uma ordem de preferência específica. Vale lembrar que muitos bons álbuns desse ano, como Além da Escuridão: Star Trek e O Hobbit: A Desolação de Smaug ficaram de fora por não terem nenhuma faixa individual que se destaca, mas sim o conjunto da obra.

John Ottman – “Jack and Isabelle (Theme from Jack the Giant Slayer)” – Álbum: Jack The Giant Slayer

John Ottman surpreendeu em 2013 com sua ótima trilha para Jack: O Caçador de Gigantes. Repleta de momentos épicos e líricos nas doses certas, este score tem uma qualidade que faltam a muitos álbuns hoje em dia: ele consegue manter o interesse ao longo de 73 minutos, sem perder o ritmo. Uma das melhores trilhas do ano, sem dúvida. Do mesmo álbum, ouça também: “Logo Mania”, “Story of the Giants”, “The Legends Are True/First Kiss”, “Chase to Cloister”.

Anthony Gonzalez e Joseph Trapanese – “Waking Up” – Álbum: Oblivion

Até hoje, muitas pessoas ficam desconfiadas quando um duo de música eletrônica fica responsável por uma trilha sonora. Porém, fomos surpreendidos em 2013 por Oblivion, score que apresenta o que de melhor (e de pior) esse tipo de partitura tem a oferecer. Essa faixa é um ótimo exemplo de integração entre orquestra (no melhor estilo Hans Zimmer) e instrumentação eletrônica, e de como essa associação pode oferecer faixas realmente épicas. Do mesmo álbum, ouça também: “Star Waves”, “Canyon Battle”, “Fearful Odds”, “Undimmed by Time, Unbound by Death”.

Danny Elfman – “Leafmen” – Álbum: Epic

Esta divertida e, com o perdão do trocadilho com o nome original do filme, “épica” trilha de Danny Elfman possui um ótimo tema principal, no melhor estilo folk, a cargo de orquestra e coral. Um álbum que mostra que o compositor americano ainda não perdeu a mão. Do mesmo álbum, ouça também: “Pursuit”, “Ambush”, “Epic Final Confrontation” e “Return”.

Ramin Djawadi – “Mhysa” – Álbum: Game of Thrones: Season 3

Quem disse que séries de TV não podem ter trilhas épicas? Esta brilhante faixa de Djawadi mostra que ele é capaz de criar algo realmente monumental, que é o que a famosa série da HBO precisa. Reparem na ótima construção que o compositor utiliza, e como ele mescla os temas de Daenerys e o principal da série com habilidade. Do mesmo álbum, ouça também: “Main Title”, “Dracarys”, “I Paid the Iron Price”, “The Lannisters Send their Regards”.

Hans Zimmer – “What Are you Going to Do When You’re Not Saving the World?” – Álbum: Man of Steel

A trilha de Hans Zimmer para O Homem de Aço dividiu opiniões (talvez eu próprio mudaria a nota que dei), porém, é inegável que o tema que ele compôs para o Superman, embora não seja tão icônico quanto o de John Williams, é empolgante e muito bem construído, sabendo utilizar com sabedoria toda a estranha orquestração que o alemão criou para esse score. Porém, se for ouvir o álbum completo, prefira a ótima trilha de Zimmer para O Cavaleiro Solitário. Do mesmo álbum, ouça também: “Sent Here for a Reason”, “Goodbye my Son”, “Tornado”, “I Will Find Him”, “Flight”.

Marco Beltrami – “Where To?” – Álbum: The Wolverine

Após lançar a ótima trilha de Guerra Mundial Z, o compositor Marco Beltrami decidiu se arriscar um pouco mais com o score de Wolverine: Imortal. Mesmo que os resultados nem sempre tenham funcionado tão bem, ele se redime com este excelente tema, simultaneamente heroico e dramático, para o personagem da Marvel. Não seria má ideia se essa faixa fosse oficializada como o tema de Wolverine. Do mesmo álbum, ouça também: “Bullet Train”, “The Wolverine”, “Goodbye Mariko”.

Ramin Djawadi – “Pacific Rim” – Álbum: Pacific Rim

Um dos temas mais marcantes do ano mostrou como o rock sinfônico pode ser legal, e encaixar bem em um filme – no caso, Círculo de Fogo. A integração entre orquestra e guitarra atinge um nível particularmente brilhante nesse ótimo score. O que, está estranhando que um compositor como Djawadi esteja representado duas vezes nessa lista? Isso mostra o quando ele vem evoluindo e deixando seu talento crescer. Do mesmo álbum, ouça também: “Canceling the Apocalypse”, “Just a Memory”, “For my Family”. 

Steven Price – “Shenzou” – Álbum: Gravity

Para ouvir a trilha de Gravidade, é necessário ter uma mente aberta, pois o que importa aqui não são melodias líricas, mas sim efeitos eletrônicos que possuem a missão de arregimentar o máximo de tensão possível. Talvez por isso as melhores faixas do álbum sejam justamente as duas últimas, nas quais o jovem compositor Steven Price investe em poderosas melodias orquestrais. Para quem procura uma experiência em trilhas sonoras fora do comum, a partitura de Gravidade é mais do que indicada. Do mesmo álbum, ouça também: “Above Earth”, “Debris”, “Gravity”. 

Brian Tyler – “Thor: The Dark World” – Álbum: Thor: The Dark World

Brian Tyler já havia nos surpreendido este ano com seu bom tema para Homem de Ferro 3. Porém, foi com Thor: O Mundo Sombrio que seu estilo grandiloquente combinou com perfeição. Com uma integração entre orquestra e coral que lembra o estilo de Howard Shore para a trilogia O Senhor dos Anéis (o que sempre é um elogio), o tema de Tyler para o herói da Marvel merece ser lembrado como um dos mais épicos de 2013. Do mesmo álbum, ouça também: “Battle of Vanaheim”, “Into Eternity”, “Escaping the Realm”, “Legacy”.

James Newton Howard – “Arena Crumbles” – Álbum: The Hunger Games: Catching Fire

A faixa mais curta de nossa lista também é a que melhor resume a bela trilha de James Newton Howard para Jogos Vorazes: Em Chamas. Com esta partitura, o compositor se redimiu das várias obras fracas que vinha entregando, e apresenta o seu melhor tema em anos. Do mesmo álbum, ouça também: “The Tour”, “Katniss is Chosen”, “Monkey Mutts”, “I Need You”.

E para você, quais foram as melhores “Score Tracks” do ano? Deixe sua resposta nos comentários.

Tiago Rangel

9 opiniões sobre “Na Trilha: As Melhores Score Tracks de 2013”

  1. Eu destacaria, revisando rapidamente aqui no iTunes e deixando dezenas de fora, essas:
    “Can You Dig It?” de HOMEM DE FERRO 3,
    “Watkins Glen” de RUSH,
    “New Heaven, New Earth” de ELYSIUM,
    “Driving Her Crazy” de CARRIE, A ESTRANHA,
    “Soul Outside” de A HOSPEDEIRA (talvez minha trilha favorita desse ano),
    “Prisoners” de OS SUSPEITOS.

    Curtir

  2. Bom, a maioria das trilhas que ouvi este ano, estão aqui. Menos uma:

    Evil Dead.

    Roque Baños fez um trabalho extraordinario na trilha deste filme.
    Destaque para as faixas finais do score “Abominations Rising” e “The Pendant/Evil Dead Tango”

    Vale lembrar que Banos, regeu uma suite com a Orquestra Sinfonica de Cordoba. E toda vez que vejo
    essa performance, penso que ele deveria regravar a trilha com esta orquestra… São 12 minutos do mais
    puro pandemonio. Aqui está o video, pra quem quiser conferir…

    Curtir

  3. Pra mim, Ramin Djawadi se mostrou de vez um grande compositor com esse score para Game of Thrones, Apesar das músicas citadas acima serem muito boas, e Mhysa é maravilhosa, minhas preferidas ainda são You Know Nothing, Chaos is a Ladder e Kingslayer… Desta vez, ele conseguiu o que ainda não tinha conseguido, e o que é muito dificil outro fazer, que é um score completo praticamente perfeito, com todas as músicas incríveis. J.N.Howard também se reergueu com essa trilha de Catching Fire, mas dele, eu ainda prefiro de longe a genialidade de The Last Airbander. Eu ainda não ouvi as de Jack nem de Oblivion, e agora vou certamente ouvir. Pra finalizar, Hans Zimmer é sempre Hans Zimmer, não posso discutir. Mesmo em uma trilha sonora onde a maioria das músicas tem um som semelhante e pouco original para os padrões dele (acho que ele gostou mesmo do som que criou em Inception, e eu também), Man of Steel teve um score perfeito.

    Curtir

  4. Excelente matéria, de fato dá vontade de ouvir as faixas disponíveis e sair correndo para uma loja mais próxima e adquirir as trilhas por 8, 10, 12 dinheiros, isto se estivéssemos no Estados Unidos.
    Como nós apreciadores de trilhas sonoras estamos abandonados no Brasil.

    Mas enfim, curti muito Tiago sua matéria e os comentários de nossos amigos colaboradores, tem muita trilha bacana, porém as indicadas para o Oscar são geralmente as mais fracas, afinal de contas estão mais ligados aos grandes filmes concorrendo ao Oscar principal do que perdendo tempo ouvindo estes trabalhos fantásticos acima comentados.

    De primeira GRAVITY tem tudo para levar a estatueta, compositor desconhecido e acredito que por unanimidade é a mais fraquinha das citadas até o momento.

    Abraços.

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s