Perfil: HOWARD SHORE


hshore2Os Oscars® concedidos em 2002 e 2004 a Howard Shore, por suas majestosas partituras de O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel e O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei, respectivamente, foram o justo reconhecimento não somente à excelência daqueles trabalhos, mas também à incomum versatilidade do compositor, brilhante tanto em trabalhos eminentemente experimentais como nos tradicionalmente orquestrais. Shore nasceu no Canadá em 1946 e formou-se em piano, composição e regência logo cedo, aos 24 anos. Seus primeiros trabalhos foram realizados para a TV americana em 1975, mais especificamente para o famoso show Saturday Night Live, que desde então revelou talentos humorísticos como Bill Murray, Dan Aykroyd, John Belushi, Adam Sandler, etc. No início da década de 1980 começou a participar em produções cinematográficas de seu país natal, e tem seus trabalhos mais brilhantes feitos ao lado de seu amigo David Cronenberg, de quem se tornou seu principal colaborador.

Na verdade, o que ocorre entre o compositor e o diretor é algo maior do que uma colaboração. Os filmes de Cronenberg e a música de Shore possuem unidade, uma complementaridade rara. A mente e as temáticas exploradas pelo diretor possuem um caráter ousado, perturbador, por vezes insano. Shore transforma esse caráter em música e faz cada partitura expressar a loucura ou a decadência de cada personagem de Cronenberg. A partir do sucesso dos filmes de Cronenberg, o compositor tornou-se popular nos Estados Unidos. Trabalhou com Martin Scorsese em Depois de Horas; após alguns anos, Jonathan Demme, fã dos filmes de Cronenberg, fez amizade com o músico, que a partir daí, compôs belas trilhas para Filadélfia e o premiado O Silêncio dos Inocentes – sempre imprimindo um estilo frio, mas dotado de consistência melódica. A partir daí trabalhou em vários outros filmes, de gêneros diferentes, como Uma Babá Quase Perfeita, Máfia no Divã e Cop Land. Estes trabalhos fizeram com que o compositor fosse percebido também como um músico bastante versátil dentro do cinema norte-americano.

Em 1999, ajudou o iniciante e talentosíssimo diretor canadense Don Mackellar com seu filme Last Night (que tem Cronenberg participando como ator), emprestando para a produção fragmentos de seu concerto para piano. Last Night foi um dos melhores filmes canadenses de 1999, e a música de Shore possui papel fundamental em determinadas passagens da obra. Um de seus recentes trabalhos foi O Quarto do Pânico, de David Fincher. Entre as obras mais notáveis do compositor canadense, destaco a maior parte daquelas que fazem parte de sua colaboração com Cronenberg:

Scanners (Sua Mente pode Destruir, 1981) – a segunda colaboração, depois de The Brood (1979). Shore dá nuances e cores escuras ao estranho e arrebatador filme de David Cronenberg.

The Naked Lunch (Mistérios e Paixões, 1991) – aqui, Shore faz dos temas musicais ótimos contrapontos para a loucura e a repugnância dos personagens e do enredo da fita. Desenvolve com o mestre do free-jazz Ornette Coleman, em uma linguagem atonal, peças intrigantes e complexas, utilizando-se do sax e de fundos sinfônicos para a linguagem de Coleman. Uma das trilhas mais interessantes já inventadas.

M. Butterfly (1993) – na minha opinião, o melhor e mais belo trabalho de Shore. As peças vão buscar o personagem de Jeremy Irons onde ele estiver… em que estado de espírito ele estiver… o perseguem; aliás, a música vai buscar a obra de Cronenberg onde ela estiver. As partituras são pesadas, mas ao mesmo tempo carregadas no lirismo, mas um lirismo diferente, particular. Lembra algo do Gabriel Yared da década de 90.

Crash (1996) – outro salto de criatividade no cinema. Shore realiza uma trilha com uma única passagem orquestral, tensa e bela, que aparece somente no final da obra. O resto do filme, inclusive o tema principal, é feito com guitarras elétricas sobrepostas, realizando uma melodia tensa, em tom menor, típica das colaborações mais insanas e soturnas entre Shore e Cronenberg.

lotr2CDSHORE E A MÚSICA DE O SENHOR DOS ANÉIS 

O sucesso da trilogia cinematográfica O SENHOR DOS ANÉIS é rigorosamente inquestionável. Arrebatou milhões de dólares em bilheterias e as salas de exibições continuam abarrotadas de gente que procura ver o último filme da trilogia. Não vou falar do filme e nem dos maravilhosos efeitos especiais dessa superprodução, meu assunto se restringirá à trilha sonora. O autor da maravilhosa música de O SENHOR DOS ANÉIS é o compositor canadense Howard Shore. Ele iniciou sua trajetória no cinema em 1975, através de um trabalho para o filme OS FILHOS DO MEDO, dirigido pelo seu compatriota David Cronnemberg. Até o momento, Shore já compôs importantes trabalhos para o cinema como as trilhas de A MOSCA, O SILÊNCIO DOS INOCENTES, PHILADELPHIA, SEVEN – OS SETE PECADOS CAPITAIS e tantas outras trilhas de relevo. Em 2002 e 2004 o compositor Howard Shore viu todo o seu esforço coroado de êxito e o reconhecimento da crítica por ocasião de seu trabalho para O SENHOR DOS ANÉIS, arrebatando os Globos de Ouro e o Oscars de melhor trilha sonora original, indiscutivelmente os prêmios mais ambicionados do cinema.

Existem muitos diretores de cinema que não gostam de música em seus filmes, enquanto que muitos produtores tentam economizar no orçamento de uma produção, restringindo os gastos com a parte musical. Justamente por isso é que o sintetizador tem sido a alternativa preferida por muitos, para substituir uma orquestra na execução de uma trilha sonora. Contrariando essa tendência, temos então a trilogia O SENHOR DOS ANÉIS, com partituras que foram executadas por nada mais nada menos do que duas grandes orquestras, respectivamente a Filarmônica de Londres e a Sinfônica da Nova Zelândia. Além disso, tivemos a participação coral da The London Voices e da The London Oratory School Schola. Em todos os instantes do filme, a música participa de forma magistral, através de acordes inspiradíssimos de Shore. A verdade é que a música em O SENHOR DOS ANÉIS cumpre um papel preponderante quanto a promover a sustentação das cenas, bem como para garantir a construção do sentido de continuidade das imagens. A música de O SENHOR DOS ANÉIS cria uma atmosfera convincente de tempo e lugar, numa demonstração de que sem a música, seguramente as imagens perderiam o impacto junto ao público. Impossível não perceber a música no filme, mas nem por isso ela rouba a cena e tira os méritos da mesma. Apesar de estar sempre submetida aos diálogos e imagens, a verdade é que a trilha de Howard Shore não só estabelece o próprio clima do filme, como sabe grifar muito bem as emoções que a narrativa acaba sugerindo.

Por isso tudo, a música de O SENHOR DOS ANÉIS não é um discurso paralelo ao filme, mas sim parte integrante do mesmo, já que sem ela a produção seguramente não teria conseguido a robustez ostentada. A composição de Howard Shore para O SENHOR DOS ANÉIS, na verdade uma sinfonia em três atos, é a mais absoluta prova de que a linguagem musical alem de conduzir as emoções, auxilia no processo de reforçar as cenas. Como bem frisou o cineasta russo Tarkovski: “Bem usada, a música tem a capacidade de alterar todo o tom emocional de uma seqüência filmica; ela deve ser inseparável da imagem visual a tal ponto que, se fosse eliminada de um determinados episódio, a imagem não apenas se tornaraia mais pobre em termos de concepção e impacto, mas seria qualitativamente diferente”. O feito histórico quanto ao aproveitamento de duas orquestras renomadas, associado ao talento do compositor Howard Shore, coloca a música de O SENHOR DOS ANÉIS, que está tendo tem uma progressão natural na nova trilogia cinematográfica de O HOBBIT, no patamar de um dos trabalhos mais expressivos de toda a história da música no cinema.

Filmografia de Howard Shore, cortesia de Internet Movie Database

Claudio Szynkier, Márcio Alvarenga

Anúncios

76 opiniões sobre “Perfil: HOWARD SHORE”

  1. A trilha de O Senhor dos Anéis é simplesmente maravilhosa, certamente está entre as melhores trilhas já feitas da história do cinema. Minhas faixas preferidas são The Ring Goes South, Balin’s Tomb, Khazad-Dum, Parth Galen, The Departure of Boromir, The Road Goes Ever On (do primeiro filme), Evenstar, The Battle of Hornburg, Isengard Unleashed, Samwise the Brave (do segundo filme), The Lighting of the Beacons, The Siege of Gondor, The Battle of Pelennor Fields, Shieldmaiden of Rohan, Mount Doom, The Crack of Doom, e The Fellowship Reunited (do terceiro filme).

    A trilha de O Hobbit é fantástica também, apesar de estar editada de forma um tanto quanto estranha no filme.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s