Resenha: PACIFIC RIM – Ramin Djawadi (Trilha Sonora)


Pacific_rim_CDMúsica composta por Ramin Djawadi
SeloWaterTower Music
Catálogo: Download Digital / Amazon CDR
Lançamento: 25/06/2013
Cotação: ***½

A ideia de se misturar música sinfônica e rock’n’roll ainda é considerada insólita por muitos. Apesar disso, o jovem compositor Ramin Djawadi topou o desafio ao compor o score da aventura Homem de Ferro, em 2008, e se saiu razoavelmente bem sucedido. Pois sua experiência no longa produzido pela Marvel Studios certamente influenciou na decisão do diretor Guillermo Del Toro na hora de escolher o músico para trabalhar em seu Círculo de Fogo (Pacific Rim), um filme de ação de grande escala mostrando a batalha entre os kaiju (monstros gigantes que surgem de uma brecha no fundo do Oceano Pacífico) e os Jaegers (robôs enormes controlados neurologicamente por dois pilotos) pelo destino da raça humana.

Felizmente, esse novo score de Djawadi demonstra que o compositor, relativamente novo na indústria, vem aprimorando seu próprio estilo. Dessa forma, mesmo que os temas principais de Círculo de Fogo e Homem de Ferro sejam parecidos, o primeiro é melhor desenvolvido e demonstra maturidade do músico. Como todo membro da mega produtora Remote Control, ele carrega o estigma de ser apenas um “sub-Hans Zimmer”, mas, para a sorte dos apreciadores de trilhas sonoras, Djawadi mostra estar empenhado em criar um estilo próprio, pessoal e distinto de seu “mestre”, bem como o fizeram Harry Gregson-Williams e John Powell antes dele, por exemplo.

Um dos talentos de Djawadi é a composição de temas principais, que, na maioria das vezes, são marcantes e deixam uma forte impressão no ouvinte. Seus famosos temas para as séries de TV Prison Break e Game of Thrones são um ótimo exemplo disso. Para Círculo de Fogo, também há um tema principal forte, heroico e enérgico, que dá o tom nada sutil da aventura de Del Toro. Introduzido logo na primeira faixa, “Pacific Rim”, ele é inicialmente conduzido por uma guitarra no melhor estilo hard rock e percussão, até a entrada da orquestra, com destaque para os metais e as cordas, numa melodia empolgante e repleta de bravura, que mistura com habilidade a música mais erudita e orquestral e o som pesado do rock.

Um novo tema para representar os heróis é apresentado já na continuação, em “Gipsy Danger”, conduzido por sintetizador, percussão e orquestra, mantendo o mesmo ritmo enérgico da primeira faixa. Na sequência, a bela “Canceling the Apocalypse” retoma o tema principal, porém interpretado de forma progressivamente mais forte e heroica, num bom desenvolvimento da melodia. A guitarra surge primeiro, executando o tema de forma sutil, até a entrada das cordas, enquanto o tema segue num interessante crescendo.

A maior parte do álbum é composta de faixas de ação e suspense, como seria de se esperar de uma produção desse tipo. Em sua maioria, elas utilizam toda a orquestra em melodias de alta carga energética. Como seria de se esperar, a seção de metais é a que tem mais destaque, com a percussão ajudando a ressaltar o clima épico. Alguns bons exemplos são “Just a Memory”, na qual as cordas e a percussão têm destaque, “We Are the Resistence” e “Double Event”, que conta com um coro masculino junto à orquestra; e “For My Family”, que traz uma variação dramática do tema principal.

Já os kaiju são representados por um tema executado por trompas e trombones e acompanhados pela percussão, inicialmente apresentado em “2500 Tons of Awesome”. Ele também marca presença em faixas como “Category 5” (aqui acompanhado por um coral masculino) e “Deep Beneath the Pacific”.

A herança televisiva de Djawadi também marca presença em Círculo de Fogo. Faixas como “To Fight Monsters”, “We Created Monsters” e “The Breach” lembram o estilo do compositor em Prison Break e Person of Interest, com uma melodia de tensão e suspense conduzida pelas cordas e percussão, com acompanhamento eletrônico. Entretanto, em Círculo de Fogo o músico alemão de ascendência iraniana teve a sorte de contar com uma orquestra maior e mais recursos, o que certamente garantiu o som mais “encorpado” de sua obra para o longa de Del Toro. Merecem elogios, também, a qualidade de gravação do áudio do disco.

Apesar de ser um trabalho voltado para a ação, a partitura de Círculo de Fogo também traz alguns momentos de drama. Nem todos funcionam, como por exemplo a longa e pretensiosa “Mako”, porém o compositor ainda nos oferece algumas belas faixas líricas, como “Better Than New”, na qual as cordas interpretam uma melodia melancólica e a já citada elegia de “For my Family”.

Como já dito, o rock marca grande presença nessa obra de Djawadi, e com isso vale lembrar as melodias ácidas e cool criadas pelo compositor para ressaltar os aspectos heroicos dos protagonistas. Podemos citar como bons exemplos “Call me Newt”, inicialmente conduzida pela guitarra, o baixo e sintetizador; “Striker Eureka”, boa representante do estilo “rock sinfônico” do álbum, e a divertida “No Pulse”, que traz uma melodia conduzida por guitarra, baterias, sintetizadores, cordas e metais.

Muitos fãs de trilhas sonoras disseram que Del Toro, para seu ambicioso longa, devia ter escolhido um nome de mais “peso”, por assim dizer. Porém, Djawadi aqui surpreende e nos entrega uma obra igualmente ambiciosa, divertida e com um ótimo tema principal. Apesar de ter tropeçado algumas vezes em sua curta carreira, o “aprendiz” de Hans Zimmer tem demonstrado estar disposto a construir um estilo próprio para si e a evoluí-lo cada vez mais. Torçamos para que essa tendência se confirme em seus próximos trabalhos, o mundo das trilhas sonoras só tem a ganhar.

Faixas:

1. Pacific Rim (04:55)
2. Gipsy Danger (03:19)
3. Canceling the Apocalypse (03:39)
4. Just a Memory (02:08)
5. 2500 Tons of Awesome (01:05)
6. The Shatterdome (02:31)
7. Mako (04:24)
8. Call Me Newt (01:43)
9. Jaeger Tech (01:59)
10. To Fight Monsters, We Created Monsters (02:04)
11. Better Than New (01:41)
12. We Are the Resistance (01:49)
13. Double Event (02:28)
14. Striker Eureka (01:55)
15. Physical Compatibility (02:32)
16. Category 5 (02:17)
17. Pentecost (02:12)
18. Go Big or Go Extinct (02:25)
19. Hannibal Chau (01:34)
20. For My Family (01:58)
21. No Pulse (00:58)
22. Kaiju Groupie (01:15)
23. Deep Beneath the Pacific (01:55)
24. The Breach (03:15)
25. We Need a New Weapon (01:41)

Duração: 57:42

Tiago Rangel

Anúncios

12 opiniões sobre “Resenha: PACIFIC RIM – Ramin Djawadi (Trilha Sonora)”

  1. Trilha espetacular! ha muito tempo que não via um “main theme” tão empolgante e memorável. Já saí do cinema assobiando.

    Curtir

    1. Também estou curtindo muito essa trilha (tanto no filme como depois).
      Tive essas mesmas boas impressões por conta do primeiro Iron Man (cuja trilha foi muito subestimada, a meu ver)…

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s