Resenha: FLIGHT – Alan Silvestri (Trilha Sonora)


flight_soundtrackMúsica composta por Alan Silvestri
Selo: Promocional
Lançamento: 01/11/2012
Cotação: ***½

Em 2012, o veterano compositor Alan Silvestri lançou o explosivo score de Os Vingadores, uma partitura repleta de temas heróicos e faixas de ação, executados por uma grande orquestra sinfônica, ou seja, um típico trabalho de sua carreira. Porém, embora seja conhecido por suas trilhas de ação, o ítalo-americano também é um bom compositor para dramas, tendo suas partituras para Forrest Gump: O Contador de Histórias e Náufrago a maior prova disso. O novo trabalho de Silvestri, agora para o drama O Voo, sobre um piloto alcoólatra que vira celebridade ao evitar um desastre aéreo, segue nessa linha mais intimista, reflexiva e minimalista.

A trilha é quase uma antítese ao score de Os Vingadores. Ao invés de motivos bombásticos, aqui ouvimos sonoridades melancólicas que, em certa medida, lembram o trabalho de James Horner em Casa de Areia e Névoa e O Menino do Pijama Listrado. É uma partitura mais simples, também, e sua curta duração impede um melhor desenvolvimento dos temas apresentados. Alguns podem dizer que a trilha se assemelha a um score para um drama qualquer da televisão, mas a sonoridade triste e intimista dessa partitura funciona como uma experiência plenamente satisfatória, repleta de uma beleza sutil.

A primeira faixa, “Opening”, apresenta um dos temas principais executados melancolicamente no piano, de forma a representar o protagonista do filme, o piloto vivido por Denzel Washington. Já a segunda e terceira faixas, intituladas “Nicole Leaves Hotel” e “Nicole Returns Home”, apresentam o mesmo motivo. Este é uma melodia tensa e ansiosa, interpretada pela guitarra e pelas cordas, que ganha ainda mais urgência na terceira, quando a percussão eletrônica é adicionada à orquestração. Na seqüência, temos “Crash Site”, dominada pelos efeitos eletrônicos que simulam um cenário de destruição, representando o acidente aéreo no qual o protagonista se envolve.

O piano volta a ter destaque em “The Old Farm House”, onde é acompanhado pelas cordas, executando uma melodia bela, nostálgica e triste. O tema da primeira faixa retorna em “News Report”, aqui adicionado de um trecho cheio de drama e suspense, interpretado pelas cordas e pelo oboé. O piano também é usado com grande efetividade na singela “Driving”, enquanto “Meeting’s Over” traz o tema principal executado de forma mais tensa.

O mesmo tema abre a faixa seguinte, “The Letter”, interpretado pelo piano e acompanhado pelas cordas e pelo oboé, antes de se transformar num motivo repleto de urgência e suspense, conduzido pela percussão eletrônica. Já “Whip’s Mad Drive” funciona como uma continuação da anterior, ao trazer esse mesmo motivo, enquanto a orquestra executa o tema principal, dessa vez de forma mais dramática. O mesmo sentimento de tensão está presente em “Whip Inspects Room”, onde uma melodia de crescente suspense é conduzida pela percussão, guitarra e pelas cordas. Em “Mini Bar”, a décima segunda faixa, uma única nota do piano é tocada repetidamente, como se simulasse um radar de avião, acompanhando o tema principal.

Mas o melhor desse álbum está em seu final, mais especificamente nas duas últimas faixas. A primeira destas, “Because I’m An Alcoholic” se inicia com uma melodia sutil, que se transforma num belo e melancólico motivo, inicialmente interpretado pelo oboé e depois pela orquestra e piano, representando o sofrimento do protagonista. Esse mesmo motivo é ouvido novamente na bonita faixa de encerramento, “I Need Your Help”, interpretado de forma bastante dramática pela orquestra, com destaque para as cordas e o piano. Essa, que pode ser considerada a melhor do álbum, lembra o trabalho de Silvestri nas faixas mais dramáticas do score de Capitão América: O Primeiro Vingador (como “Farewell to Bucky” e “This is My Choice”) – embora, em termos gerais, a partitura do filme da Marvel seja bastante diferente da de O Vôo.

Talvez, no futuro, Alan Silvestri seja lembrado como um compositor de trilhas grandiosas e bombásticas para filmes de ação e aventura. Mas não se pode dizer que ele também não seja eficiente ao trabalhar em dramas mais intimistas, como é o caso desse novo filme de Zemeckis. Não deixe seu belo e cativante trabalho em O Voo passar despercebido. É uma trilha curtíssima (possui apenas vinte e três minutos), mas repleta de uma beleza simples e sutil, e um bom exemplo do talento de Silvestri. A trilha de O Voo, não lançada comercialmente, pode ser ouvida no site da Paramount em: http://www.paramountguilds.com/flight/#url=score.

Faixas:

1. Opening
2. Nicole Leaves Hotel
3. Nicole Returns Home
4. Crash Site
5. The Old Farm House
6.  News Report
7. Driving
8. Meeting’s Over
9. The Letter
10. Whip’s Mad Drive
11. Whip Inspects Room
12. Mini Bar
13. Because I’m An Alcoholic
14. I Need Your Help

Duração: 23:20

Tiago Rangel

Uma opinião sobre “Resenha: FLIGHT – Alan Silvestri (Trilha Sonora)”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s