Resenha: PROMETHEUS (Blu-ray 2D+3D UK)


Produção: 2012
Duração: 126 min.
Direção: Ridley Scott
Elenco: Charlize Theron, Michael Fassbender, Noomi Rapace, Patrick Wilson, Idris Elba, Guy Pearce, Rafe Spall, Logan Marshall-Green, Kate Dickie, Sean Harris, Emun Elliott, Vladimir “Furdo” Furdik
Vídeo: 2.35:1 (1080p/AVC MPEG-4, 1080p/AVC MPEG-4 MVC)
Áudio: Inglês (DTS-HD Master Audio 7.1), Português, Espanhol, Francês (Dolby Digital 5.1)
Legendas: Português, Inglês, Espanhol, Francês
Região: A, B, C
Distribuidora: Fox
Discos: 3 (BD 50GB)
Lançamento: 04/10/2012
Cotações: Som: ****½ Imagem 2D: ***** Imagem 3D: ***** Filme: ***½ Extras & Menus: ***** Geral: ****½

SINOPSE
Uma equipe de exploradores descobre uma pista sobre a origem da humanidade na Terra, que os leva, a bordo da espaçonave Prometheus, a uma jornada aos confins mais sombrios do Universo. Lá, eles enfrentarão uma terrível batalha para salvar o futuro da raça humana.

COMENTÁRIOS
Poucos filmes, na história recente de Hollywood, geraram tanta expectativa como PROMETHEUS (2012), dirigido por Ridley Scott. E não é para menos: o longa marcou o retorno do visionário cineasta ao universo por ele criado no seminal ALIEN – O OITAVO PASSAGEIRO (1979), cuja franquia derivada estava desgastada graças aos medíocres filmes mais recentes, entre os quais os contestados crossovers ALIEN VS. PREDADOR. O hype ficou ainda maior graças à excelente campanha de marketing da Fox, que a certa altura invadiu a internet com uma série de trailers, comerciais, vídeos e sites “virais” de ótima qualidade. Os primeiros trailers não deixavam dúvidas: com montagem e música semelhantes aos de ALIEN, o espectador seria levado de volta aos mesmos pesadelos materializados na tela há mais de 30 anos.

Com roteiro de Jon Spaihts e Damon Lindelof, o projeto iniciou como um legítimo prelúdio de ALIEN, mas segundo o próprio diretor, acabou tornando-se algo maior e mais ambicioso, envolvendo a busca do Homem por seu Criador (portanto, seguindo uma linha semelhante ao clássico 2001 – UMA ODISSÉIA NO ESPAÇO,  de Stanley Kubrick). Mas o resultado final, com fortes influências de H. P. Lovecraft e Erich Von Däniken, gerou controvérsias, sendo amado por uns e detestado por outros – reflexo talvez de uma indecisão criativa da produção, que mesmo revisando o roteiro para afastar-se (na realidade, disfarçar) da fórmula de ALIEN, no fundo a seguiu à risca, especialmente em sua parte final.

Além disso o roteiro, propositalmente (?), deixa muitas questões em aberto e mesmo gera certa confusão no espectador menos atento, que poderá pensar que a ação se desenrola no mesmo planeta (ou lua) de ALIEN, LV-426. A confusão é reforçada ao final, quando a personagem de Noomi Rapace grava uma mensagem de perigo, alertando as espaçonaves para que não se aproximem do planeta. Mas este, obviamente, não é o caso, o que também acaba deixando uma impressão de “coincidência forçada” quanto aos eventos ocorridos em LV-223 e LV-426. A única dedução possível é que ameaça que atingiu os Engenheiros (os alienígenas que criaram a humanidade) os acompanhou por diversos mundos.

Apesar de sua ambição, PROMETHEUS não se envergonha de apelar para alguns clichês típicos dos filmes sci fi de horror, o que acaba prejudicando o impacto pretendido. Destaco, por exemplo, o comportamento estúpido de certos personagens: uns, apesar de cientistas, esquecem por completo as precauções básicas para evitar a contaminação biológica por organismos alienígenas; outro, como em um desenho animado, corre em linha reta e morre esmagado, quando bastaria desviar para um lado para se salvar. E não podemos esquecer do clichê “heroína durona semi-nua” (cuja Ripley do filme de 1979 foi a precursora), que aqui chega ao cúmulo de fazer uma auto-cesariana para, logo em seguida, enfrentar alienígenas a muque.

Mas apesar das inconsistências, no saldo geral gostei de PROMETHEUS, que em meio à mediocridade reinante pelo menos buscou ser um pouco original e, como é praxe em filmes de Ridley Scott, presenteia o espectador com a grandiosidade audio-visual que os caracterizam. E se você quer pelo menos uma razão para assistir ao filme, aqui está ela: Michael Fassbender. O ator, que muitos gostariam que fosse o sucessor de Daniel Craig como 007, está nada menos que excelente como o androide David. No mais, Scott já anunciou uma continuação (intitulada provisoriamente PARADISE), que dará seguimento à saga dos sobreviventes da nave Prometheus e que fornecerá pelo menos algumas das respostas que faltaram aqui.

SOBRE O BD
Um dos filmes mais interessantes de ficção lançados em 2012, dirigido e produzido por Ridley Scott, o mestre de BLADE RUNNER e ALIEN – O OITAVO PASSAGEIRO, tem sua edição lançada para o mercado de home video. Foram lançadas no Brasil as versões simples (com apenas um disco em BD), versão dupla com o filme em BD 2D+3D e a Edição de Colecionador (com DVD+Cópia Digital+2 Discos Blu-ray+Blu-ray 3D), além do DVD+Cópia Digital. Analisamos aqui a edição especial inglesa, que contém os filmes em alta definição em 2D (com dois discos, um com extras imperdíveis) e em 3D.

Versão 2D
A qualidade técnica do produto é simplesmente impecável. A imagem está exuberante, com níveis de detalhes e coloração que acompanham a exibição do filme nos cinemas. Não há nenhuma presença de filtros que poderiam denegrir a sua qualidade no formato. A transcrição para o formato digital utiliza o codec  AVCMPEG-4 1080p, o melhor e mais adequado. A taxa de transferência foi cuidadosa, avaliando cada cena e sua compressão. O filme ocupa boa parte do disco de dupla camada (BD50).

O áudio acompanha a qualidade do vídeo, no idioma original com trilha sem compressão DTS-HD MA, claramente cuidada cena a cena para dar a devida ambientação e efeitos nos seus 7.1 canais.  Há detalhes que são quase imperceptíveis, assim como assombra o belo uso do subwoofer nas cenas mais dramáticas e de ação. A dublagem em português está perfeita, mesmo que apenas em em Dolby Digital nos tradicionais 5.1 canais. Agrada a gregos e troianos (não acho mesmo justo ou interessante que a trilha nacional tenha a mesma qualidade técnica, no meu ponto de vista o filme tem que ser assistido no seu idioma original).

Versão 3D
Desde que o lançamento de filmes em 3D se tornou rotineiro (graças a AVATAR), poucos trouxeram o recurso como um diferencial efetivo. Digo com certeza que PROMETHEUS é um desses poucos, e sua transposição para Blu-ray torna-se altamente recomendável por preservar intactos os méritos visuais da tela grande. A transferência 1080p/MPEG-4 MVC é, sob qualquer aspecto, perfeita, fornecendo um visual que, dentro dos padrões do 3D doméstico, é impressionante. Em razão dos problemas do 3D em cenas muito escuras, durante toda a filmagem o brilho da imagem foi ajustado em tempo real com o auxílio de monitores (uma das vantagens do filme ser concebido e rodado em 3D). Graças a isso, mesmo em cenas mais sombrias nunca há perda de profundidade, nitidez e detalhes finos.

Livre do crosstalk a que está acostumado (mas isso também dependerá da qualidade de seu equipamento), o espectador sente-se como se estivesse na plateia de um teatro, com uma imagem caracterizada acima de tudo por um senso de profundidade acentuado quase que o tempo todo, onde a transição dos objetos em primeiro plano para os mais distantes ocorre de forma natural e realista. Evitando o clichê de lançar objetos em direção ao espectador, Ridley Scott e sua equipe criaram cenas muito bonitas e de grande envolvimento, como as da nave Prometheus em vôo e pousando, da tempestade as dos hologramas dos Engenheiros. Aliás, qualquer cena do filme que envolva hologramas ou painéis holográficos é um show à parte, com destaque para aquela em que o androide David descobre o “planetário” dos Engenheiros.

Quanto ao áudio, vale a mesma avaliação feita para o Blu-ray da versão 2D. O destaque absoluto, obviamente, vai para a faixa lossless DTS-HD Master Audio 7.1 original em inglês, simplesmente de demonstração e que complementa à altura a excelência do vídeo. É o tipo de mixagem HD que merece ser ouvida em alto volume, impactando o ouvinte com sua força e envolvimento, tanto em cenas calmas como de ação.

EXTRAS
O material extra é bem interessante nesta versão especial que traz um dois exclusivo para eles. Há de tudo um pouco. Para quem adquiriu a cópia simples, fica a desejar. Vale gastar um pouco mais, pois o segundo disco é repleto de materiais bem legais e até importantes, até mesmo para uma melhor compreensão do filme. Todos estão em HD 16:9 e legendados (exceto quando citados). E ainda tem bons menus, bem realizados e devidamente traduzidos:

Disco 1
Comentários em Áudio do Diretor/Produtor Ridley Scott (sem legendas): O diretor comenta de forma técnica os mais diversos aspectos de sua criação. Tem algumas boas revelações, é interessante para quem quer saber detalhes sobre o trabalho de um diretor. Mas sem legendas, é para poucos;

Comentários em Áudio dos Roteiristas Jon Spaiths e Damon Lindelof (sem legendas): Aborda alguns detalhes da história do filme, com boas informações. Assim como o anterior, perde por não ter legendas;

Cenas Excluídas e Alternativas: São 14 cenas adicionais e/ou estendidas, algumas não finalizadas. Há a opção de comentários do diretor e do editor Pietro Scalia sobre a opção de sua não utilização (não legendados), mas no geral há cenas que certamente poderiam estar na edição final do filme. Se assistidas de uma só vez totalizam 36:51 min. São elas: “Chegada dos Engenheiros”, “É Natal”, “Nosso Primeiro Alienígena”, “Pele”,  “Não Estamos Mais Sozinhos”, “Parceiros Estranhos”, “A Ressaca de Holloway”, “O Objetivo de David”, “ Janek Conversa com Vickers”, “Todo Rei Tem Seu Reinado”, “Fifeld Ataca”, “O Engenheiro Fala”, “A Batalha Final” e “Paraíso”. Há uma interessante sinopse em texto antes da escolha de cada uma, no próprio menu;

Clipes Promocionais na Internet  ou The Peter Wayland File: São quatro featurettes que fizeram parte da campanha “viral” do filme, apresentados cada um como um pequeno dossiê com um texto descritivo interessante. São eles: “Em Foco: Elizabeth Shaw”, “Feliz Aniversário, David”, “Transmissão de Prometheus”, “Conferência TED, 2023”. Se exibidos de uma sóvez totalizam 18:57 min.

Disco 2
Deuses Furiosos: Criando Prometheus: Um grande número de featurettes que formam um belo e extenso making of feito por Charles de Lauzirika, o criador dos documentários da quadrilogia ALIEN. Este possui nada menos que 3 horas e 41 minutos no total, abordando os mais diversos temas, com ótimos depoimentos da equipe técnica  e de atores, entremeados por cenas de bastidores, detalhes de roteiro, storyboards  e muito mais. Não vou detalhar muito, pois há boas surpresas no seu conteúdo, há muitas comparações com os trabalhos anteriores da equipe, como BLADE RUNNER e ALIEN. E, é claro, revelações. Pode se optar ainda por um modo de “aprimoramento”, onde ao aparecer um ícone se tem acesso aos Podcasts de Aprimoramento – material adicional que também pode ser selecionado à parte via menu, que agregam ainda mais detalhes à matéria abordada. Os featurettes são:

Conquistando o Paraíso: Renovando a História: Sobre os detalhes do roteiro e a concepção inicial do filme e sua versão final;

Embaixo da Pirâmide – LV-223: Sobre a concepção de um filme de ficção e sua estética/design, tentando evitar um “deja vu” em seus “monstros”, alienígenas e cenários. Há bons detalhes sobre os alienígenas…;

Engenharia Reversa – USCSS Prometheus: Sobre a concepção dos cenários e realização da nave. O set de filmagens é impressionante, por exemplo. E há maiores detalhes do que é real e do que foi criado por CGI (computação gráfica);

Manifesto Humano – Elenco e Figurino: Como o título sugere, apresenta desde testes com o elenco até depoimentos dos envolvidos, dos que escolheram e dos que foram escolhidos, além de mostrar detalhes bem legais sobre as vestimentas usadas no filme;

Um Mundo Sem o Verde – Pinewood Studios, 2011: Detalha desde a construção dos monumentais cenários até os detalhes das filmagens e seus problemas não previstos;

Demônios no Escuro – Desenho das Criaturas: Todos os detalhes nos “animatronics” das criaturas concebidas e o uso do CGI. A cada dia se tem mais recursos, é impressionante!

Perigo Pago – Dublês e Ação: Como o tema sugere, aqui se tem o igualmente impressionante trabalho da equipe de dublês nas ótimas cenas de ação, interessante por apresentar a integração do trabalho deles com os atores e a direção;

Fogo No Céu – Efeitos Visuais: Aqui a equipe de CGI expõe os detalhes do seu impressionante trabalho, um dos mais importantes do filme. O envolvimento de Scott, o diretor, é ainda mais impressionante;

Prometheus Desvendado – Pós-Produção e Estreia: A edição final do filme é contemplada por este segmento. Os detalhes farão com que muitas pessoas se impressionem com este trabalho, um dos mais importantes na realização de um filme. E ainda o trabalho de divulgação. Haja informação!

Podcasts de Aprimoramento: São os vídeos (nada menos que 23!) que podem ser acessados durante o documentário, aqui separados via menu e que totalizam 1 hora e 11 minutos de duração. Esse material detalha ainda mais os bastidores da produção, que vão desde a escolha do título do filme até a as referências do cinema de Scott., passando por detalhes da escolha e as gravações da cena inicial na Islândia, os idiomas inventados para os “deuses”, e por aí vai.

Arquivo da Weyland Corp

  • Pré-Produção

A Arte de Prometheus: Galerias de arte com imagens dos mais variados temas (o texto explicativo está apenas em Inglês): “Ridlegrams”, “Giger & Gutalin”, “Arte Conceitual”, “Desenho de Figurino”, “Desenho das Criaturas”, “Veículos”, “Objetos de Cena”, “Logos e Artes;

Pré- Visualizações: Clipes com imagens criadas por cumputação gráfica (CGI) sem muito acabamento, apenas para mostrar a concepção do que viria a ser o trabalho final, dividido nos temas “Prólogo”, “Descobrindo o Planeta”, “Med-Pod R”, “Acordando o Engenheiro”, “Prometheus Vs. Juggernault”, totalizando 25:47 min.

  • Produção

Testes de Tela: Testes de cena: “Noomi Como Shaw” (com 9:55 min.) e “Figurino/ Maquiagem/ Teste de Cabelo”, com comentário opcional do elenco e 11:28 min.;

Sequência Lapso de Tempo – Juggernaut: Uma câmera é colocada no topo da construção do cenário mais impressionante do filme, que de forma acelerada vai mostrando a sua construção, com opção de comentário do desenhista de produção.  Com quase 2 minutos;

Unidade de Fotografia: Mais uma Galeria de Fotos divididas entre “Prometheus”, “Pirâmide”, “Juggernaut”, “Oficina de Criaturas e “Islândia”.

  • Pós-Produção e Estreia

    Galeria de Marketing: Galerias de imagens com as “Opções de Pôster” e “Arte Principal” (outros tipos de cartazes e artes);

    Trailers e Spot de TV: Como o nome sugere, temos uma série de 4 trailers (dos EUA e “internacionais”, 2 de cada, teaser e final). Sem legendas, com opção de serem visualizados em 2D e 3D. Já Os Spots (28!!!) são comerciais que foram exibidos nas TVs, legendados;

    Extras Promocionais: São quatro featurettes temáticos de divulgação, quase que trailers, com cenas de bastidores e depoimentos, realizados para a TV e Internet, totalizando mais 18 minutos: “30 Anos de Produção”, “Criação”, “Criação Internacional” e “Viagem ao Espaço”;

    HBO First Look – Prometheus: Mini documentário promocional realizado para a TV por assinatura, com 12 minutos.

Edinho Pasquale (Extras, Versão 2D), Jorge Saldanha (Filme, Versão 3D)
[via DVD Magazine]

5 opiniões sobre “Resenha: PROMETHEUS (Blu-ray 2D+3D UK)”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s