Resenha: A PERSEGUIÇÃO (Filme em Destaque)


A PERSEGUIÇÃO (The Grey, EUA, Canadá, 2012)
Gênero: Suspense
Duração: 117 min.
ElencoLiam Neeson, Dermot Mulroney, James Badge Dale, Nonso Anozie, Joe Anderson, Frank Grillo, Dallas Roberts, Larissa Stadnichuk, Ben Bray, James Bitonti, Jonathan Bitonti
Trilha Sonora: Marc Streitenfeld
Roteiro: Joe Carnahan, Ian Mackenzie Jeffers
Direção: Joe Carnahan
Cotação: ***½

Impressionante como Liam Neeson tem se saído bem como herói de filmes de ação. Sorte dos diretores que podem contar com um ator do seu naipe, pois acaba fazendo toda a diferença no produto final. Depois que Neeson surpreendeu a muitos com o ótimo thriller BUSCA IMPLACÁVEL, à procura de sua filha sequestrada; e com DESCONHECIDO, sendo vítima de um intrincado complô; agora é a vez de o astro interpretar um homem que encara a própria natureza e, em especial, uma matilha de lobos.

A PERSEGUIÇÃO (2011) é a segunda parceria de Neeson com o diretor Joe Carnahan. A primeira havia sido em ESQUADRÃO CLASSE A (2010), aliás, outro exemplar de filme de ação com o ator, mas não listado acima por não ser tão bom quanto os citados. Em A PERSEGUIÇÃO, ele interpreta um atormentado operário de um posto de petróleo no Alasca. Ele sofre a morte de sua esposa, que sempre aparece em seus pensamentos dizendo-lhe para não ter medo. Coincidentemente, a esposa de Neeson também morreu em 2009 em um acidente, e desde então o ator tem se dedicado sem descanso aos filmes. Aqui, pensando até mesmo em cometer suicídio, o personagem acaba tendo que liderar o grupo de sobreviventes da queda do avião, que cai em um lugar que, além de ser extremamente gelado, é povoado por enormes e famintos lobos.

Carregado de tensão, mas também com momentos de intimismo nas conversas entre o grupo de homens, o filme deve muito de sua força ao desempenho de Neeson, que compensa as interpretações apenas razoáveis dos demais. A PERSEGUIÇÃO também conta com ótimos efeitos de som, que funcionam para fazer o espectador se sentir rodeado pelos lobos, e uma opressiva trilha sonora de Marc Streitenfeld. O aspecto existencialista surge entre um e outro ataque dos lobos, quando os personagens passam a pensar sobre suas vidas, sobre aquelas pessoas a quem eles deixaram, e sobre a cada vez menor possibilidade de sair vivo daquela situação. Esse tom amargo do filme é um de seus trunfos, bem como o seu belo final.

Ailton Monteiro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s