Resenha: TRANSFORMERS – O LADO OCULTO DA LUA (Edição Limitada Blu-ray triplo 2D+3D


Produção: 2011
Duração: 154 min.
Direção: Michael Bay
Elenco: Shia LaBeouf, Rosie Huntington-Whiteley, John Turturro, Ken Jeong, John Malkovich, Patrick Dempsey, Peter Cullen, Leonard Nimoy, Hugo Weaving, Frances McDormand, Josh Duhamel, Tyrese Gibson, Alan Tudyk
Vídeo: 2.39:1 1080p/AVC MPEG-4 (2D), 1080p/MVC MPEG-4 (3D)
Áudio: Inglês (Dolby TrueHD 7.1, Dolby Digital 5.1), Português, Francês, Espanhol (Dolby Digital 5.1)
Legendas: Português, Inglês, Espanhol, Francês
Região: A, B, C
Distribuidora: Paramount
Discos: 3 (50Gb)
Lançamento: 12/03/2012
Cotações: Som: ***** Imagem 2D: ***** Imagem 3D: **** Filme: *** Extras & Menus: **** Geral: **** 

SINOPSE
Os Autobots, liderados por Optimus Prime (Peter Cullen), participam de missões secretas ao lado dos humanos, onde tentam exterminar os Decepticons existentes no planeta. Um dia Optimus descobre que os humanos lhe esconderam algo ocorrido no lado oculto da Lua. Trata-se da queda de uma espaçonave vinda de Cybertron, comandada por Sentinel Prime (Leonard Nimoy), que desencadeou a corrida espacial entre Estados Unidos e União Soviética nos anos 1960. Os Autobots resolvem ir à Lua para resgatar o antigo líder, além das cápsulas que ainda estão no local. Paralelamente, Sam Witwicky (Shia LaBeouf) vive com sua nova namorada, Carly (Rosie Huntington-Whiteley), e está à procura de emprego. Ele sente-se diminuído, já que salvou o planeta duas vezes e ganhou uma medalha do presidente Barack Obama, mas nada disto parece ajudá-lo a se estabelecer no mercado de trabalho. Para piorar, Carly ganha bem e é assediada pelo chefe, o bilionário Dylan Gould (Patrick Dempsey). Pouco depois de enfim conseguir emprego, Sam recebe uma mensagem de Jerry (Ken Jeong), que trabalha no mesmo lugar. Jerry trabalhou na NASA durante a corrida espacial e agora é chantageado pelos Decepticons. Sam procura mais uma vez os Autobots, mas apesar de seus feitos do passado ele encontra resistência da nova comandante, Marissa Faireborn (Frances McDormand).

COMENTÁRIOS
Quanto à trama de TRANSFORMERS – O LADO OCULTO DA LUA, a resenha já é bem explicativa. Acrescento que o terceiro filme da franquia, que sucede ao decepcionante TRANSFORMERS – A VINGANÇA DOS DERROTADOS (onde o diretor Michael Bay provocou uma overdose de tudo o que funcionou no filme original de 2007 e fez desandar a receita) traz, em sua metade final, um épico ataque das máquinas Decepticons a Chicago, onde enfrentarão a resistência dos Autobots e seus aliados humanos. Sem ser tão bom quanto o primeiro, O LADO OCULTO DA LUA é bem melhor que o segundo, ainda que mais uma vez excessivamente longo e que, em sua primeira metade, Bay continue a insistir em fazer graça com robozinhos irritantes e personagens supérfluos como o de John Malkovich (pagando mico mas certamente enchendo os bolsos).

Por sorte o roteiro, dessa vez a cargo apenas de Ehren Kruger, traz uma história mais interessante e melhor estruturada, tornando a mitologia dos robôs transformistas a origem da corrida espacial EUA x URSS para chegar à Lua. Entre os protagonistas, o grande destaque fica por conta da modelo inglesa Rosie Huntington-Whiteley, que assumiu a vaga de Megan Fox como Carly, novo interesse amoroso de Sam (Shia LaBeouf). A moça, indiscutivelmente, é uma curvilínea beldade de lábios carnudos, e até que não se sai (muito) mal em sua primeira incursão como atriz, mas ela certamente não tem aquela exuberância pecaminosa de Fox.

Também merecem menção Leonard Nimoy (o eterno Sr. Spock de JORNADA NAS ESTRELAS, que agora só faz dublagens) como Sentinel Prime, e a “musa” dos filmes dos irmãos Cohen, Frances McDormand, que assim como John Turturro deu um tempo nos filmes mais “cabeça” para se divertir na franquia descerebrada de Bay e Steven Spielberg. Que, se avaliada por seus aspectos técnicos, é assombrosa. Claro que isso não é tudo que esperamos de um filme, mas como já dito acima, pelo menos parte dos problemas de A VINGANÇA DOS DERROTADOS foi solucionada, e com isso podemos nos divertir sem grande peso na consciência com os espantosos efeitos visuais e os destruidores combates entre as máquinas rivais que trazem uma novidade que torna o filme mais violento: agora os Transformers sangram – e bastante.

Mas talvez a maior novidade de todas é que, dessa vez, o longa foi rodado com uma combinação de câmeras 35mm tradicionais, de vídeo em alta definição e 3D digitais – estas, as mesmas utilizadas por James Cameron em AVATAR, e como resultado temos aqui um dos melhores empregos já feitos do efeito 3D – mais detalhes adiante. De resto, apesar de seus detratores a franquia TRANSFORMERS segue de vento em popa e cada vez mais rentável. Na TV, com uma nova série em animação computadorizada, e no cinema com o já anunciado TRANSFORMERS 4, que apesar de manter Michael Bay na direção deverá trazer um elenco (humano) renovado.

SOBRE O BD
O primeiro lançamento em Blu-ray de TRANSFORMERS – O LADO OCULTO DA LUA, ano passado, provocou muito bate-boca. Isso porque o filme saiu em um disco simples, apenas com a versão 2D (apesar dos elogios generalizados aos seus efeitos 3D no cinema) que certamente seria comprado pelos fãs mais apressados, em uma clara estratégia da Paramount para faturar novamente com um lançamento posterior e mais completo. Que chegou agora com esta caprichada edição limitada – um combo 2D+3D com três discos, envoltos por uma bonita luva de cartolina, que inclui um BD só para os extras que faltaram na primeira edição (o combo norte-americano ainda inclui um DVD com cópias digitais). Os títulos anteriores da franquia receberam edições que, tecnicamente, foram referência à época de seu lançamento, e o mesmo volta a acontecer com este terceiro filme. O disco com a versão 2D do filme é, na realidade, o mesmo que havia sido lançado previamente, trazendo uma impecável transferência 1080p/AVC MPEG-4 no aspect ratio original 2.39:1. Apesar de 2D, a sensação de profundidade que ela passa nos dá a impressão de estarmos vendo imagens tridimensionais, com elevada resolução e detalhamento fino excelente, mesmo em cenas mais escuras. As cores são vívidas e perfeitamente saturadas, com um exemplar equilíbrio do branco. A granulação varia de acordo com o tipo de câmera empregado em determinados segmentos, mas de modo geral preserva uma aparência “fílmica”. Dependendo da regulagem de sua TV os tons de pele poderão tender demasiadamente para o laranja, mas isso não decorre de falha da transfer, mas sim da paleta de cores empregada nas filmagens. Filtros como DNR e EE inexistem, mas algumas cenas de efeitos digitais apresentam pequeno banding; porém, não o suficiente para que eu deixe de dar nota máxima à qualidade do vídeo 2D.

Como mencionado anteriormente, o filme foi rodado com diferentes tipos de câmeras 2D e 3D, sendo a intenção do diretor reservar o efeito 3D para trechos específicos do filme – de modo similar ao que vimos em TRON: O LEGADO. Sob esta ótica, o resultado alcançado é estupendo, com a transferência 1080p/MVC MPEG-4 fazendo a transição do 2D para o 3D de forma natural e efetiva. É uma aplicação inteligente do efeito, que realça sobremaneira os momentos em que a tela ganha profundidade e dimensão. Sou relativamente novo no reino do 3D doméstico, mas até agora já pude perceber que, na maior parte dos casos, há uma significativa perda de qualidade quando comparadas as versões 2D e 3D de um Blu-ray. Pois bem, isso aqui não acontece. Mesmo quando vista com os famigerados óculos, a imagem permanece vívida e brilhante, com grande contraste. Detalhes faciais nos rostos dos atores, ou marcas nas superfícies metálicas dos robôs são sempre visíveis. Os destroços que, durante as cenas de combate, voam pelo ar, são nítidos e sólidos. Os níveis de preto são espessos, e os detalhes de sombras, para uma transferência 3D, são excepcionais. As características da paleta de cores empregada se mantém basicamente iguais às da apresentação 2D. Certamente o 3D doméstico ainda apresenta limitações como o crosstalk, mas cada vez mais há melhorias notáveis como as que temos aqui. Resta, apenas, nos libertarmos dos benditos óculos – o que, acredito, não demorará muito.

Se as apresentações visuais 2D e 3D do filme possuem algumas diferenças, quanto ao seu áudio não há dúvida: a faixa lossless original em inglês Dolby TrueHD 7.1 é simplesmente perfeita e de referência em qualquer dos casos. Aliás, não se poderia se esperar outra coisa da primeira mixagem 7.1 de um filme de Michael Bay, que gosta de som em abundância e com volume. Ela já surpreende quando os característicos sons eletrônicos dos filmes da franquia circulam o ouvinte com elevada separação e clareza, enquanto as estrelas do logotipo da Paramount voam pela tela. A música é envolvente e rica, e a ambientação imersiva é proporcionada pelos sete canais. Até mesmo pequenos efeitos direcionais são perfeitamente distinguíveis e efetivos. Não se admire de, em determinados momentos, instintivamente olhar para os lados ou para trás, tal o realismo dos sons que nos cercam por todos os lados. E quando chegarem as cenas de ação, o ataque sonoro justificará plenamente a existência de seu sistema de home theater multicanal. Sem surpresa, temos graves avassaladores com a potência de um tsunami sonoro, porém mesmo nos momentos mais caóticos o som mantém a espacialidade, a nitidez e o detalhe. É um sound design extremamente agressivo, mas que, espantosamente, permanece harmônico e claro, com cada tipo de som perfeitamente discernível. Indiscutivelmente, TRANSFORMERS – O LADO OCULTO DA LUA traz uma das melhores mixagens já nascidas das mesas dos engenheiros de som. Ambas as versões do filme trazem dublagens lossy Dolby Digital 5.1 em português, espanhol, francês e, redundantemente, em inglês – mesmos idiomas das legendas disponíveis. Os menus pop-up e principal (animado), como é praxe nos BDs das Paramount, estão apenas em inglês.

EXTRAS
Com um disco dedicado exclusivamente aos extras, a edição limitada de TRANSFORMERS – O LADO OCULTO DA LUA traz todos os suplementos que os fãs desejavam, a maior parte deles criados especialmente para o Blu-ray e que fogem do padrão meramente publicitário dos EPKs (Electronic Press Kits) típicos de divulgação. Tudo está em full HD (1080p), com áudio em inglês e legendas em português (exceto trailers). Apesar do menu estar em inglês, utilizei os títulos traduzidos dos extras, conforme divulgados pela distribuidora:

  • Muito Mais Além – Explorando O Lado Oculto da Lua (110:46 min.) – Longo making of dividido em cinco capítulos, que podem ser assistidos em um só bloco ou individualmente e que abrangem os principais aspectos da produção, desde a sua concepção (onde integrantes da equipe e do elenco falam francamente sobre as falhas do filme anterior) até a pós-produção e lançamento. Muitas entrevistas, cenas de bastidores das filmagens de sequências específicas (como as do ataque a Chicago e o salto base-jump dos “homens-pássaros”) e, no segmento final, uma retrospectiva da franquia fazem deste um documentário interessante, informativo e divertido de se ver;
  • Território Inexplorado: O Futuro da NASA Antes e Agora (26:15 min.) – Como que retribuindo o apoio que a NASA deu à produção, este documentário revê a história do programa espacial norte-americano, nos leva até a Estação Espacial Internacional e projeta o futuro do programa;
  • Desconstruindo Chicago: Sequências Multiângulo (35:41 min.) – Temos aqui várias opções para que você compare, usando a função multiângulo, os trabalhos de pré-visualização e de efeitos visuais com as tomadas finais. “Pré-Visualizações” (17:05 min.) traz comentários opcionais do diretor Michael Bay e do supervisor de pré-visualização Steve Yamamoto. “Efeitos Visuais” (18:36 min.) tem a opção de ouvirmos comentários dos supervisores de efeitos Scott Farrar e Matthew Butler;
  • A Arte de Cybertron – Grande galeria de fotos que inclui Autobots, Decepticons, Armas, Naves, etc;
  • Arquivo do Lado Oculto da Lua (19 min.) – Esta seção traz cinco featurettes que abordam tópicos como as filmagens em 3D (onde há uma rasgação de seda explícita entre Michael Bay e James Cameron), a premiére do filme, a cena do salto de base-jump e o fantástico sound design;
  • A Matriz do Marketing – Nesta seção encontramos o teaser (2:34 min.) e o trailer de cinema (2:32 min.) e mais uma galeria de imagens com cartazes e outros itens promocionais.

Jorge Saldanha

Anúncios

3 comentários sobre “Resenha: TRANSFORMERS – O LADO OCULTO DA LUA (Edição Limitada Blu-ray triplo 2D+3D

  1. Texto maravilhoso. Estou a procura de informações sobre a edição, que pretendo comprar, mas já não encontro em lugar algum, e encontrei mais do que esperava por aqui.

    Parabéns pelo trabalho!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s