PLANETA DOS MACACOS – A ORIGEM (Rise of The Planet of The Apes, EUA, 2011)
Duração: 106 min.
Gênero: Ficção Científica
Elenco: James Franco, Tom Felton, Freida Pinto, Andy Serkis, Brian Cox, John Lithgow, Tyler Labine, David Hewlett, Sonja Bennett, Jamie Harris, Leah Gibson,David Oyelowo
Compositor: Patrick Doyle
Roteiristas: Rick Jaffa, Amanda Silver
Diretor: Rupert Wyatt
Cotação: ****

Dificilmente alguém que tenha acompanhado a saga PLANETA DOS MACACOS a partir do antológico longa dirigido por Franklin J. Schaffner em 1968 não sentirá arrepios ao assistir este PLANETA DOS MACACOS – A ORIGEM (2011), dirigido com louvor pelo inglês Rupert Wyatt, de THE ESCAPIST (2008). O que de início salta aos olhos é que, pela primeira vez na história da franquia, os macacos foram totalmente criados em computação gráfica, pela WETA Digital de Peter Jackson. E o fato é que eles roubam a cena dos protagonistas humanos, em especial Andy Serkis, que via captura de movimentos interpreta o chimpanzé César. Serkis já foi o Gollum da trilogia O SENHOR DOS ANÉIS (e voltará a sê-lo em O HOBBIT, atualmente em filmagem na Nova Zelândia) e o KING KONG da refilmagem de 2005, e muitos já estão fazendo campanha para que ele seja indicado ao Oscar por esta nova interpretação digital.

Mas os acertos do filme não estão restritos apenas à sua parte técnica já que ele é uma inteligente reinvenção da franquia, atualizando-a para os tempos atuais mas sempre respeitando e homenageando os filmes originais. O roteiro segue a linha de A CONQUISTA DO PLANETA DOS MACACOS (1972), e mostra a insurreição símia que será o primeiro passo para a dominação da Terra. James Franco interpreta Will, um cientista que, com os recursos de uma grande corporação farmacêutica, trabalha para encontrar uma cura para o Mal de Alzheimer, doença que afeta seu pai (John Lithgow, em grande desempenho). Como resultado ele cria um composto virótico que não apenas propicia a regeneração dos neurônios, mas também aumenta o QI dos chimpanzés utilizados como cobaias. César nasce de uma das macacas de laboratório inoculadas com a substância, e dela herda uma inteligência superior.

Will leva César para casa, onde passa a viver até que, após um incidente envolvendo seu pai, o chimpanzé ataca um vizinho (David Hewlett) e por determinação judicial é recolhido para um abrigo de primatas de São Francisco. A partir daí temos uma espécie de “filme de prisão”, que culminará com uma rebelião liderada por César. Os fãs certamente não deixarão de notar as homenagens e referências aos antigos longas: por exemplo, boa parte dos personagens (humanos e símios) foram batizados com os nomes de pessoas envolvidas na realização dos filmes originais; a célebre frase “Tire as patas sujas de mim, seu macaco imundo maldito”, dita por Charlton Heston no primeiro filme da série, é repetida por um dos personagens humanos; uma epidemia em escala mundial será crucial para a ascenção dos macacos; e não menos importante são as sutis referências a uma missão tripulada a Marte que foi dada como perdida – o que poderá ser o ponto de partida para o próximo filme, caso decidam utilizar como base o original de 1968.

PLANETA DOS MACACOS – A ORIGEM é o principal candidato a melhor blockbuster do ano. É um filme que diverte e traz um rico conteúdo, herdado de uma das mais célebres franquias de ficção científica da história do cinema.

Jorge Saldanha

Anúncios