Produção: 1982
Duração: 129 min.
Direção: John Milius
Elenco: Arnold Schwarzenegger, James Earl JonesSandahl Bergman, Bem Davidson, Garry Lopes, Mako, William Smith, Max von Sydow
Vídeo: Widescreen Anamórfico 2.35:1
Áudio: Inglês (DTS-HD Master Audio 5.1), Português, Espanhol (Dolby Digital 5.1)
Legendas: Português, Inglês, Espanhol
Região: A, B, C
Distribuidora: Fox
Discos: 1 (50GB)
Lançamento: 27/07/2011
Cotações: Som: ***½ Imagem: ***½ Filme: **** Extras & Menus: ***½ Geral: ***½

SINOPSE
Arnold Schwarzenegger faz sua marcante estreia como protagonista nas telas de cinema no papel do legendário guerreiro e herói Conan, O Bárbaro. O sanguinário líder religioso Thulsa Doom (James Earl Jones) e sua corja de brutais seguidores matam os pais de Conan, fazendo com que o órfão tenha que submeter-se a uma infância de impiedosa escravidão, vindo posteriormente a transformar-se em um gladiador para divertir seus senhores. Enviado ao Oriente para aperfeiçoar suas habilidades de luta, Conan é libertado e, em suas viagens, conhece o arqueiro Subotai (Gerry Lopez), o mago Akiro (Mako) e Valéria, a Rainha dos Ladrões (Sandahl Bergman), que será seu grande amor. Com seus companheiros Conan deverá enfrentar o vilão, vingar a morte de seus pais e desvendar o Enigma do Aço.

COMENTÁRIOS
O personagem mais célebre criado pelo escritor Robert E. Howard foi o bárbaro guerreiro Conan, que dos contos publicados em revistas de fantasia passou para os quadrinhos da Marvel e, posteriormente, para o cinema e a TV. Até o momento a melhor adaptação do personagem é este CONAN, O BÁRBARO (CONAN THE BARBARIAN, 1982), produzido por Dino de Laurentiis e dirigido por John Millius. Porém, apesar do sucesso que ajudou a levar Arnold Schwarzenegger ao estrelato, na época o filme não teve uma recepção muito boa junto à crítica, mais acostumada aos filmes de fantasia leves.

Além de dirigir, John Millius colaborou no roteiro, originalmente escrito por Oliver Stone (PLATOON), que continha muitas cenas violentas, e inclusive, um pouco de sexo e nudez. Muito permaneceu no filme, e isso chocou quem esperava uma adaptação mais leve do herói. O lançamento nacional em Blu-ray da primeira das duas aventuras de Conan estreladas por Schwarzenegger (a segunda, CONAN – O DESTRUIDOR, também já foi lançada no exterior em alta definição) é um bom momento para se constatar como o cinema de entretenimento norte-americano degradou-se posteriormente, tornando-se formulaico e privilegiando a ação descerebrada.

Aliás, parece que isso já ocorreu no segundo filme do bárbaro, que após as críticas recebidas pelo primeiro tornou-se mais uma aventura infanto-juvenil, na qual o diretor Millius foi substituído por Richard Fleischer. Mas tomemos um exemplo similar mais  recente – O ESCORPIÃO REI, de temática similar com 20 anos separando-o do  primeiro CONAN. Mesmo tendo o filme de Millius seus problemas, não há comparação possível: “defeitos” atribuídos à época de seu lançamento podem hoje até ser considerados méritos face à assombrosa pasteurização, falta de imaginação, personagens vazios e infantilização cinematográfica. Isso sem falar na antológica trilha sonora musical do prematuramente falecido Basil Poledouris, que transforma o filme de 1982 em algo maior do que realmente é.

Vamos ver se o novo CONAN, O BÁRBARO, dirigido por Marcus Nispel e estrelado pelo havaiano Jason Momoa (o Khal Drogo de GAME OF THRONES) fará jus às fantasias adultas e sangrentas de Robert E. Howard – apesar de que será difícil desafiar a caracterização perfeita de Schwarzenegger.

SOBRE O BD
CONAN, O BÁRBARO foi lançado em Blu-ray nos EUA pela Universal, e na Europa e no Brasil pela Fox. Provavelmente nossa edição, tendo em vista as várias opções de áudio e legendas disponíveis (além das que constam na capa), traz o mesmo conteúdo que a europeia; já a norte-americana, como é praxe nos BDs da Universal lá lançados, não possui nada em português.

Remasterizado em alta definição, o filme recebeu uma nova transfer 1080p/AVC MPEG-4, no formato original de tela 2.35:1. O que de saída chama a atenção é a ausência dos danos e sujeiras de película que apareciam na antiga versão em DVD. A imagem agora é limpa (apesar de que os mais atentos ainda perceberão uma que outra marca residual), mais clara e, obviamente, possui um nível de resolução e detalhe muito superior. O contraste é bem balanceado, e os pretos são na maior parte do tempo consistentes – já nas cenas noturnas eles deixam um pouco a desejar. As cores são adequadamente saturadas, e apresentam tons naturais. A imagem possui um pouco de granulação de película, e temos ótimos detalhes e texturas nos cenários, figurinos e rostos. O problema é que em algumas cenas a imagem é menos nítida, denotando as deficiências da fonte utilizada – além disso é provável que tenha sido levemente aplicado DNR na transferência, o que piora a condição dessas sequências. Por outro lado, graças aos discretos halos que envolvem os objetos, é perceptível o emprego de edge enhancemente, mas felizmente não é algo que prejudique em excesso a qualidade do vídeo. Apesar desses “pecados” os méritos da transferência são maiores, e creio que, em Blu-ray, dificilmente veremos CONAN, O BÁRBARO com uma melhor apresentação visual do que esta.

Dentre as várias opções de áudio, que incluem a nossa dublagem original em português remasterizada para Dolby Digital 5.1, destaca-se a faixa lossless DTS-HD Master Audio 5.1 em inglês que, dada a idade do material, é bem satisfatória. O áudio original do filme era mono, e a remixagem para 5.1 canais buscou respeitar o sound design dando um senso de espacialidade discreto mas de boa presença. A ação na maior parte do tempo se concentra nos canais frontais, com os surround utilizados para a reprodução de efeitos tímidos e, principalmente, da excelente trilha sonora de Poledouris – sem dúvida a melhor beneficiada nesta remasterização, que nos permite discernir com clareza os instrumentos e vozes do coral. Quanto às legendas, temos uma grande variedade de opções, que incluem português do Brasil e Portugal.

EXTRAS
O BD de CONAN, O BÁRBARO inclui os extras que já estavam disponíveis no antigo DVD, acrescidos de três novos featurettes. Exceto pelos comentários em áudio, tudo recebeu legendas em português.

  • Comentários em Áudio – O diretor John Milius e o astro Arnold Schwarzenegger basicamente narram o que aparece na tela, e por vezes fica claro que o austríaco há muito não via o filme, já que em algumas ocasiões ele afirma não se lembrar de determinadas cenas. Como não recebeu legendas em português, a faixa vale apenas para quem domina o idioma bretão (há opção de legendas em inglês, o que pode facilitar para quem compreende melhor o inglês escrito que o falado);
  • Libertando Conan: O Making Of (SD, 53 min.) – Gravado em 2000, este ótimo making of reúne depoimentos dos principais envolvidos no filme – Millius, Stone, Schwarzenegger, Bergman, Dino Di Laurentiis, Max Von Sydow, etc. De especial menção é o fato de que boa parte é dedicada a Basil Poledouris comentando
    aspectos da sua antológica trilha sonora, inclusive a inesperada colaboração de sua filha Zöe (à época, com apenas nove anos) na música para a cena da orgia;
  • A Arte do Aço: Os Ferreiros e Mestres das Espadas (HD, 15 min.) – Novidade nos extras do Blu-ray, este interessante featurette em alta definição é focado na arte da manufatura de espadas e a esgrima. Inclui depoimentos de construtores de espadas e do mestre japonês que treinou Schwarzenegger e, no filme, interpretou o instrutor de Conan;
  • Conan: O Surgimento de Uma Lenda (SD, 18 min.) – Outro bom featurette inédito (porém em resolução standard), no qual especialistas na obra de Robert E. Howard, criadores do gibi de Conan e o ator James Earl Jones falam sobre o escritor e sua maior criação, bem como a passagem do bárbaro por diversas mídias e sua influência no cinema de fantasia. O curioso é que este documentário não consta no BD norte-americano – dessa vez levamos vantagem;
  • Conan: Curiosidades dos Arquivos (HD, 10 min.) – Última novidade nos extras, temos aqui uma seleção de entrevistas gravadas na época da produção do filme, mas que recentemente foram encontradas. Apesar de estar em alta definição, a qualidade da imagem original das entrevistas é medíocre;
  • Efeitos Especiais (SD, 2 min) – Comparação em split-screen da cena em que os espíritos tentam levar Conan, que se recupera dos ferimentos decorrentes de sua crucificação;
  • Os Arquivos de Conan (SD, 12 min) – Galeria de desenhos, arte conceitual e fotos de produção e divulgação, acompanhadas da trilha sonora do filme;
  • Cenas Excluídas (SD, 6 min.) – Coleção de seis cenas que foram cortadas na montagem final. Em uma, o próprio John Millius é um vendedor de “lagarto no espeto”; noutra, Schwarzenegger é mordido no pé e derrubado por um dos cães selvagens do filme;
  • Trailers (SD, 4 min.) – Dois trailers do filme encerram o material suplementar.

Jorge Saldanha

Anúncios