Resenha: PASSE LIVRE (Filme em Destaque)


PASSE LIVRE (Hall Pass, EUA, 2011)
Gênero: Comédia
Duração: 105 min.
Elenco: Owen Wilson, Alyssa Milano, Christina Applegate, Jenna Fischer, Richard Jenkins, Jason Sudeikis, Alexandra Daddario
Roteiristas: Pete Jones, Peter Farrelly, Kevin Barnett, Bobby Farrelly
Diretores: Bobby Farrelly, Peter Farrelly
Cotação: ****

E os bons e velhos irmãos Peter e Bobby Farrelly estão de volta às antigas presepadas. Nada contra os seus filmes mais comportados – afinal, meu preferido deles continua sendo AMOR EM JOGO (2005), por razões particulares -, mas estava sentindo falta da ousadia e até da escatologia que fez a fama da dupla em clássicos como DÉBI & LÓIDE – DOIS IDIOTAS EM APUROS (1994) e QUEM VAI FICAR COM MARY? (1998). Já em O AMOR É CEGO (2001), ainda que eles não ligassem muito para o politicamente correto, já se mostravam românticos e o filme até chegou a fazer muita gente chorar. Pois bem.

PASSE LIVRE (2011) é o retorno daquele humor de outrora, que fez tantos dizerem que aquilo era comédia de mau gosto. Ao mesmo tempo, o fato de mostrar dois homens casados vivendo o dilema de desejarem outras mulheres e esse fato ser notado por suas esposas mostra que os irmãos envelheceram e, junto com eles, seus personagens. Mas é um envelhecimento relativo, afinal, quando os personagens de Owen Wilson e Jason Sudeikis recebem o tal “passe livre” de suas esposas, o que significa uma semana para fazer o que quiserem, e com as mulheres que quiserem, os irmãos Farrelly mostram que a maturidade mental nem sempre acompanha a maturidade física.

Independente de eventuais falhas que possa ter, PASSE LIVRE é uma das comédias mais engraçadas dos últimos anos, sendo até difícil lembrar de outra tão engraçada quanto. O fato de eles estenderem as piadas até o limite, como na cena da masturbação no carro e a da garota no hotel, mostra o quanto os diretores ainda estão em forma. Sem falar na tal cena da banheira da academia, que ao contrário do que eu esperava, fez rir toda a plateia do cinema, inclusive, o público mais idoso.

PASSE LIVRE se torna ainda mais dinâmico quando sua montagem alterna a diversão dos rapazes com a de suas esposas. Há também uma diversidade de coadjuvantes que só contribui para tornar o filme mais rico. Eles não estão ali apenas para contribuir com mais uma piada; eles têm uma relação com o todo. Tomemos a personagem da babá e a situação embaraçosa no carro envolvendo Owen Wilson. Trata-se de um bom exemplo de como lidar com um personagem bem desenvolvido e uma coadjuvante cujas intenções não são (ainda) claras. E isso ajuda a tornar o filme mais rico. Outra beleza de PASSE LIVRE é ver o quanto a adorável Jenna Fischer pode ter ainda sucesso no cinema, agora que a série THE OFFICE está agonizando.

Ailton Monteiro

Anúncios

Um comentário sobre “Resenha: PASSE LIVRE (Filme em Destaque)

  1. Pingback: Resenha: QUERO MATAR MEU CHEFE (Filme em Destaque) | ScoreTrack.net

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s