Resenha: AMOR & OUTRAS DROGAS (Filme em Destaque)


AMOR & OUTRAS DROGAS (Love & Other Drugs, EUA, 2010)
Gênero: Comédia
Duração: 115 min.
Elenco: Jake Gyllenhaal, Anne Hathaway, Oliver Platt, Hank Azaria, Josh Gad, Gabriel Macht
CompositorJames Newton Howard
RoteiristasEdward Zwick, Charles Randolph, Marshall Herskovitz, Jamie Reidy
Diretor: Edward Zwick
Cotação: ***

Uma das coisas que mais chama atenção nessa comédia dramática é o fato de se passar na segunda metade dos anos 1990, e isso ser mostrado também através de canções que marcaram o período. Assim, quando o filme começa em 1996, a música que toca é “Two Princes”, dos Spin Doctors; depois “Cannoball”, dos Breeders; mais na frente, “Praise you”, do Fatboy Slim; e “Jack-Ass”, do Beck. Canções-chave de uma década que está começando a se tornar História no cinema – A REDE SOCIAL, aproxima ainda mais com o início dos anos 2000. Quer dizer, a História recente já pode ser vista com distanciamento e em alguns casos com um pouco de saudosismo.

AMOR & OUTRAS DROGAS (2010) tem uma proposta relativamente original: mostrar o relacionamento entre um galanteador representante de remédios e uma jovem diagnosticada precocemente com o Mal de Parkinson, mas que adora um bom sexo casual. Jake Gyllenhaal e Anne Hathaway fazem um belo par e todas as cenas em que os dois estão juntos são boas. O diretor Edward Zwick teve sorte na escolha de seus protagonistas. Só não teve muita sorte no final, que, depois de um bom desenvolvimento agridoce, procura seguir a fórmula das comédias românticas mais manjadas. Agrada ao público que quer sair um pouco mais feliz do cinema, mas acaba criando um pastel de vento com isso.

No entanto, o filme tem os seus méritos. A começar pela ousadia em mostrar os dois astros nus em diversos momentos, o que demonstra entrega aos papéis. Ambos foram indicados ao Globo de Ouro nas categorias de melhor ator e atriz (comédia ou musical), mas ficaram de fora das indicações do Oscar. Talvez pelo preconceito com as comédias ou talvez por não haver espaço para eles entre os demais indicados. Se bem que o filme possui mais momentos dramáticos do que cômicos. Assim, acaba sendo um corpo estranho no cenário.

Lidar com uma doença degenerativa como o Mal de Parkinson não é fácil e o diretor até que soube se virar. Pena que, assim como acontece em todos os seus filmes, ele não consegue em momento algum criar uma sequência realmente emocionante. E eu vejo isso mais como uma série de tentativas frustradas do que como um estilo contido de direção.

Ailton Monteiro

Anúncios

2 comentários sobre “Resenha: AMOR & OUTRAS DROGAS (Filme em Destaque)

  1. Bem escrito e bem informativo sua resenha, concordo em termos com ela.
    No entanto eu gosto dos finais inusitados e mais realistas, “pastel de vento” concordo com o termo.

    bjOos

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s