Resenha: TROPA DE ELITE (Blu-ray HK)


Produção: 2007
Duração: 115 min.
Direção: José Padilha
Elenco: Wagner Moura, Caio Junqueira, André Ramiro, Milhem Cortaz, Fernanda de Freitas, Fernanda Machado, Thelmo Fernandes, Maria Ribeiro, Emerson Gomes, Fábio Lago, Paulo Vilela
Vídeo: Widescreen Anamórfico 1.85:1 (1080p/VC-1)
Áudio: Português (Dolby TrueHD 5.1, Dolby Digital 5.1)
Legendas: Português, Inglês, Chinês
Região: A
Distribuidora: CN Entertainment
Discos: 1
Lançamento: 29/11/2010
Cotações: Som: ***** Imagem: **** Filme: ****½ Extras & Menus: * Geral: ***½

 SINOPSE
Rio de Janeiro, 1997. Nascimento (Wagner Moura), capitão do BOPE, a Tropa de Elite do Rio de Janeiro, é designado para chefiar uma das equipes que tem como missão “apaziguar” o Morro do Turano por um motivo que ele considera insensato. Mas ele tem que cumprir as ordens enquanto procura por um substituto. Sua mulher, que está no final de uma gravidez, lhe pede todos os dias para que saia da linha de frente do batalhão. Pressionado, Nascimento sente os efeitos do estresse. Eis que surgem os aspirantes Neto (Caio Junqueira) e Matias (André Ramiro), que vão modificar as ações do BOPE. No curso chefiado pelo Capitão Nascimento, Neto destaca-se pela coragem, e Matias pela inteligência. Se ele pudesse reunir as duas qualidades num homem só, já teria encontrado seu substituto.

COMENTÁRIOS
TROPA DE ELITE (2007), antes mesmo de ter entrado em cartaz nos cinemas de todo o país, graças à pirataria já fazia uma carreira de sucesso nas bancas de camelôs, e também criava polêmicas. As acusações de que o filme era fascista por mostrar um esquadrão especial da polícia militar do Rio usando métodos violentos contra o tráfico nas favelas, eram simplórias. Afinal, como disse o próprio diretor José Padilha, o que está errado é a mensagem, e não o mensageiro. Não vou me aprofundar muito sobre isso, deixo a tarefa para aqueles que adoram abordar tais assuntos sob um ponto de vista “sócio-político-cultural-esotérico”.

Só acho que entre fazer a apologia do “olho por olho” e simplesmente mostrar a realidade das forças policiais do país, atingidas pela corrupção e a falta de mínimos recursos para agir, que têm de enfrentar o que hoje é uma guerra contra uma verdadeira máfia muito bem armada e organizada, há uma grande diferença. Se o público aplaude o BOPE quando tortura e mata, a culpa é de quem? Acho que não preciso dizer, vocês já sabem a resposta.

O que realmente me interessa é apontar o fato de que, com TROPA DE ELITE, finalmente e com um grande atraso, tivemos no cinema um produto nacional bem acabado tecnicamente, que mesmo saindo fora do padrão “Xuxa/Trapalhões/dramalhão/filme sobre a ditadura” teve poder de fogo para ser um verdadeiro campeão de bilheterias e méritos para ser bem recebido pela crítica – tanto que ganhou vários prêmios internacionais, sendo o principal o Urso de Ouro de melhor filme no festival de Berlim. O diretor José Padilha mostrou o caminho para que nossos cineastas fizessem um tipo de filme que nosso público quer ver, sem precisar buscar sempre produções internacionais para isso.

Porque não se iludam, analisado tematicamente, TROPA DE ELITE não tem nada muito original. Afinal, agentes da lei violentos e com problemas pessoais já vimos inúmeras vezes em filmes e séries de TV norte-americanos. Já em 1971, o diretor Don Siegel colocou nas telas o primeiro filme da série Dirty Harry (no Brasil, PERSEGUIDOR IMPLACÁVEL), no qual o inspetor da polícia de São Francisco Harry Callahan (Clint Eastwood) usava métodos não-ortodoxos para combater o crime. Traduzindo: violência e tortura. Como TROPA DE ELITE, o filme foi muito criticado, igualmente acusado de ser fascista e de apregoar a violência policial.

O charme de TROPA DE ELITE foi transplantar com competência de sobra essa tradição cinematográfica para a realidade nacional, num longa-metragem de alta qualidade técnica (sou da época em que entender os diálogos num filme brasileiro era uma missão quase impossível), com cenas de ação impecavelmente realizadas e com um elenco de primeira. Wagner Moura, com seus bordões memoráveis, fez do seu Capitão Nascimento um personagem já clássico do nosso cinema, esbanjando ironia e brutalidade física e psicológica, inclusive nas já antológicas sequências do treinamento dos candidatos ao BOPE.

TROPA DE ELITE, mesmo sem deixar de lado o “engajamento” que, conforme convencionado pelos intelectualóides tupiniquins, todo filme brasileiro “sério” deve conter, foi um trabalho impecável, capaz de atender à grande parcela do público também interessada em assistir a um bem feito filme comercial ou de ação – e tanto faz que, no caso, os métodos utilizados por mocinhos e bandidos não sejam muito diferentes. TROPA DE ELITE fez história, e provavelmente sem ele não teríamos produções de nível hollywoodiano como NOSSO LAR (2010). E acho que, novamente, não preciso dizer mais nada…

SOBRE O BD
Ícone da pirataria no mercado nacional (meses antes de seu lançamento nos cinemas uma cópia internacional vazara e era vendida nas ruas), TROPA DE ELITE saiu em DVD por aqui via Universal, que até o momento não demonstrou a intenção de disponibilizar no Brasil o filme em Blu-ray. Pode ser que haja alguma disputa por direitos, já que as três edições em BD que existem no mundo são de distribuidoras independentes. O fato é que o colecionador brasileiro que queira ter o filme com a melhor qualidade de imagem e som terá de recorrer à importação. As edições disponíveis na Europa são a britânica (Região B, áudio DTS-HD Master Audio 5.1) e a sueca (Região livre, áudio Dolby Digital 5.1). Como se vê a sueca, ao contrário da britânica, pode ser reproduzida em nossos players mas tem apenas áudio lossy. Portanto a opção mais indicada ao colecionador, em que pese a capa feia e quase toda escrita em chinês, é a de Hong Kong, como as demais apresentando o filme em seu aspecto original 1.85:1 mas é Região A (a nossa), e além de uma faixa de áudio em português Dolby Digital 5.1 também disponibiliza uma impecável mixagem em alta definição Dolby TrueHD 5.1 no nosso idioma.

Por melhor que seja o áudio Dolby Digital, ele não se compara ao dinamismo do áudio lossless nas sequências de tiroteio passadas nas favelas. Além da excelente fidelidade da mixagem, ela faz um uso eficiente e agressivo dos canais traseiros, envolvendo o ouvinte com sons de gritos e disparos. As músicas são reproduzidas com peso e potência, e como já acontecia no cinema, os diálogos repletos de palavrões estão sempre claros. É uma mixagem de áudio nacional de primeira classe, livre de ruídos e chiados. As legendas estão disponíveis nos idiomas inglês e chinês – tradicional e simplificado -, sendo o menu principal animado bilíngue (chinês/inglês).

Quanto à imagem, é bom ressaltar que a de TROPA DE ELITE não é “bonita”, é granulada e pesadamente processada pelos realizadores a fim de levar ao espectador a sensação documental de que ele está nas favelas, muitas vezes criando uma sensação de desconforto e caos. Predomina um tom de cores amarelado / esverdeado, com forte brilho e contraste estourado nas cenas diurnas. Opções criativas à parte, a transferência (que traz a versão internacional do filme, com créditos em inglês) é exemplar em reproduzir fielmente e com ótimo nível de detalhamento o visual pretendido pelo diretor, e não fosse por um pouco de ruído que notamos em alguns momentos, ela seria impecável – não saberia dizer se esse problema é inerente à filmagem ou decorre da digitalização. De resto a master empregada está livre de marcas, riscos e outros danos de película.

EXTRAS
Se a edição britânica em Blu-ray de TROPA DE ELITE é esquálida em termos de extras, esta de Hong Kong é mais ainda, já que traz apenas um trailer internacional, em resolução 480i. Bem que a Universal poderia aproveitar que TROPA DE ELITE 2 está saindo em Blu-ray agora em fevereiro (pela novata Vinny Filmes) e também lançar o filme original no formato, de preferência com os extras que ele merece e os fãs desejam. Não custa sonhar…

Jorge Saldanha

Anúncios

13 comentários sobre “Resenha: TROPA DE ELITE (Blu-ray HK)

  1. Bom dia! Alguma indicação de loja idônea para adquirir o blu-ray?
    Encontrei a play-asia.com, mas nunca comprei nada deles e o site não tem opção de língua (apenas em mandarim é de lascar…).
    Abraço e parabéns pelas matérias!!

    Curtir

    1. Edson, vá de Play-Asia e seja feliz, foi de lá que importamos o BD de Tropa de Elite. Quanto ao idioma da página, vá no fim dela e encontrará as opções de idioma para exibição, selecione English e faça seu cadastro.

      Curtir

  2. Por favor, teria como postar como é o menu da tela (se é em chinês) e uma imagem do rótulo (label) do blu ray (eu não comprei as versões sueca e britânica por achar muito feias).

    Curtir

    1. Como citado na resenha, o menu é bilíngue – as opções estão simultaneamente em chinês e inglês. O selo do disco tem uma foto do Wagner Moura, com o título do filme também em chinês (em destaque) e inglês.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s