Resenha: A ORIGEM (Filme em Destaque)


A ORIGEM (Inception, EUA / Inglaterra, 2010)
Gênero: Ficção Científica
Duração: 148 min.
Elenco: Leonardo DiCaprio, Marion Cotillard, Joseph Gordon-Levitt, Ellen Page, Ken Watanabe, Cillian Murphy, Tom Hardy, Tom Berenger, Michael Caine, Lukas Haas
Compositor: Hans Zimmer
Roteirista: Christopher Nolan
Direção: Christopher Nolan
Cotação: *****

Um sonho, dentro de um sonho que está dentro de um sonho… ou uma laranja com várias cascas. Creio que assim pode ser definido A ORIGEM (INCEPTION, 2010), novo exemplar da consistente filmografia do diretor britânico Christopher Nolan, que vem conseguindo aliar o entretenimento à melhor arte cinematográfica – algo raro hoje em dia.

Cobb (Leonado DiCaprio) é um “extrator”, pessoa que utiliza ilegalmente uma tecnologia (não muito explicada) que permite a ele e sua equipe entrarem nos sonhos das pessoas, a fim de manipulá-los e extraírem informações confidenciais que serão vendidas a peso de ouro. Injustamente acusado nos EUA pela morte da esposa (Marion Cotillard) e desesperado para rever seus filhos, Cobb recebe a proposta de um último golpe, cuja recompensa será a retirada das acusações que pesam sobre ele: mas ao invés de extrair algo da mente de alguém, ele terá de fazer a inserção (a “inception” do título original) de uma idéia. Algo considerado impossível, exceto por Cobb – que sabe qual foi a verdadeira causa do suicídio de sua esposa, cuja presença é uma ameaça constante em seus sonhos e poderá inviabilizar a missão.

Nolan, tanto nos filmes da franquia BATMAN como no admirável O GRANDE TRUQUE (THE PRESTIGE), já demonstrara seu apego à temática da ilusão, da teatralidade, e aqui ele retoma o assunto – mas, no lugar das artes ninjas do Homem-Morcego ou do ilusionismo dos mágicos, temos o sonho como forma não apenas de manipulação, mas como o próprio palco da ação em uma trama que por vezes lembra MATRIX, por outras ONZE HOMENS E UM SEGREDO. Mas isto é apenas uma das cascas, ou camadas, do filme, e A ORIGEM é mais do que isso.

Escrito e dirigido por Nolan, A ORIGEM é sua obra mais pessoal até o momento, e talvez mesmo seu melhor filme, que expande as fronteiras de sua cumplicidade com a platéia. O diretor, como bom ilusionista que é, conta com essa cumplicidade, necessária para que o roteiro funcione. Selado o pacto, o espectador verá em A ORIGEM uma sólida ficção científica que troca as profundezas do espaço exterior pelas entranhas da mente humana, e que – coisa rara em um blockbuster – abre-se para várias interpretações e deixa, na saída do cinema, uma série de questões: afinal, o que era sonho e o que era realidade? Personagens “inocentes”, como o de Michael Caine, são o que realmente aparentam? É mera coincidência que Mal seja interpretada pela atriz Marion Cotillard, que já foi Edith Piaf no cinema – sendo que a canção de Piaf “Non, Je Ne Regrette Rien” exerce função importante no filme? E etc., etc., etc…

As boas bilheterias vêm comprovando que o público aceitou a fascinante proposta do diretor, levada por um elenco que inclui atores já habituais nos filmes de Nolan (Michael Caine, Ken Watanabe, Cillian Murphy), e “novidades” bem-vindas como Leonardo DiCaprio, Marion Cotillard, Joseph Gordon-Levitt e Ellen Page. Com sua trama instigante, imagens geniais, cenas de ação criativas e a melhor trilha sonora de Hans Zimmer para um de seus filmes, Nolan prova mais uma vez ser um cineasta de idéias que, como bem mostrado em A ORIGEM, definem uma pessoa. E ao final o diretor recompensa seu público – seus “cúmplices” – com a possibilidade de, questionamentos à parte, escolher o que lhe agradar mais: a realidade ou a ilusão. Melhor que isso, só em sonhos.

Jorge Saldanha

Anúncios

16 opiniões sobre “Resenha: A ORIGEM (Filme em Destaque)”

  1. Caramba, a pior trilha de Hans Zimmer entre as que eu me recordo. A música soa exageradamente intensa, com um material repetitivo e pouco original. Resultado: Se submeter a 2h e tanto desse score é uma experiência altamente enfadonha.

    Curtir

  2. Não concordo nem um pouco com o comentario do Junior, pra mim essa trilha do Hanz Zimmer encaixa perfeitamente com a intensidade do filme, sem exagero. Não é um trilha sonora que fica em segundo plano, em muitas cenas do filme é impossível sentir a intensidade da cena sem a ajuda de Hanz. A repetição das notas não cansa nem um pouco nas 2h de filme, apenas ajuda a criar a identidade da trilha, liga as duas coisas mais ainda. Não acho que posso criticar em nada esse filme, ainda vou ver mais umas 10x hehe

    Curtir

  3. Sou fã e colecionador de trilhas sonoras. Sou extremamente exigente, apesar de colecionar quase tudo. Conheço o trabalho do Hans, que é inconfundível, e apesar de repetir algumas notas, ela consegue dar ao filme, ritmo, intensidade e nos levar ao mundo dos sonhos, não tem como não ficar tenso. Sinceramente creio ser um dos melhores trabalhos do Hans, digno de Oscar.

    Curtir

  4. Também gostei bastante da trilha – do filme como um todo.
    Não acho que foi casual a escolha de Marion e a música de Piaf. Senti como se fosse uma referência mesmo, uma brincadeira! De muito bom gosto, por sinal.

    Escrevi uma resenha também , no meu blog, quando tiver um tempo, dá uma olhadinha…

    Curtir

  5. Não assisti no cinema, creio que seria muito melhor, mas vi muita gente comparando A Origem com matrix.
    Quem o compara com Matrix, inicialmente não compreendeu o próprio roteiro de Matrix, são dois filmes complentamentes diferentes em sua essência. Claro que, as técnicas visualmente usadas nos dois filmes podem se assemelhar, mas a complexidade de tais estórias diferem e muito. Vejo A Origem, como uma surpresa (agradável) e potencialmente, um filme que será injustiçado no Oscar, pela previsibilidade da Academia.
    Enfim, roteiro brilhante, bem desenvolvido e principalmente, atuações extraordinárias (salve especial para Ellen Page), fazem de A Origem uma ótima pedida para quem está afim de cinema como entretenimento e sem dúvidas, como arte!

    Curtir

  6. Ao meu ver, existiram 3 finais.

    1º – Ele esta realmente no mundo real, Conseguiu cumprir toda a missao e voltou para os seus filhos.
    2º – Ele nao conseguiu cumprir a missao, e ficou preso no limbo.
    3º – Tudo que foi passado no filme foi um sonho, e a mulher dele esta tentando retira-lo desse sonho, ja que o “toten” que ele usava, era o da esposa dele, e poderia muito bem, no mundo que ele achava ser real, dar certo, e nos sonhos dele, rodar, sem fim.

    Se mais alguem achou isso, porfavor comente.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s