The Housemartins

Numa daquelas lembranças de infância, ficou marcado em minha vida uma música cantada em inglês, que para mim o refrão soava como “papapapapel”. Hoje tenho trinta anos, mas nunca havia resolvido esta incógnita: como em uma letra de música em inglês poderia constar a palavra papel?

Outro dia voltou à minha mente esse refrão, e comecei a cantá-lo como quando criança. Foi então que resolvi ouvir a música para finalmente entender o que dizia a letra. Entrei no Google e escrevi… Bem, o que iria escrever? Não sabia o nome da música, nem quem cantava! Fiquei imóvel na frente do computador por uns minutos, e de repente me veio a idéia esdruxula de escrever “papapapapel”. Dei risada de mim mesmo mas escrevi e cliquei em pesquisar: estava lá! Papapapapel logo no primeiro resultado! Quase não acreditei! Cliquei no link e, não só ouvi a música como assisti ao clipe da época também!

Resolvi escrever este artigo porque foi daí que comecei uma busca pelas músicas dos anos 1980, ou seja, da minha infância. E como foi rica aquela década musicalmente! Muitas melodias, muitas baladas de amor, muitos bons vocalistas, bandas ainda bem preparadas. Minha busca foi de Tim Moore com sua inesquecível Yes a Simply Red, de If You don’t Know me by Now; passando por Cindy Lauper de True Colors e A-ha de Hunting High and Low; Entre as trilhas de cinema, minha paixão, Chariots of Fire, clássico de Vangelis, e Top Gun, de Harold Faltermeyer; para completar, o hino das minhas primeiras e marcantes olimpíadas de Seul, Hand in Hand, de Giorgio Moroder.

O que mais me impressionou nisto tudo foi ver como a internet mudou nossa vida, e como a história da humanidade está inteira lá. É claro que antes do século XX não havia gravações sonoras nem de vídeo, mas a história, mesmo do século XIX para trás está lá, com textos e pesquisas de pessoas respeitadas.

Outro fator relevante é verificar o quanto a música faz parte de nossa formação humana, como ela é importante para o desenvolvimento de uma pessoa, e como ela ajuda a formar a personalidade. Se hoje sinto falta de melodias simples mas inteligentes soando nas mídias, é porque em algum momento da minha vida tive contato com esse tipo de música, harmônica e honesta. Nem só da razão se faz um grande compositor. A simplicidade é a grande síntese. E creio que em tudo na vida dá pra se utilizar desse conceito. Pelé atingiu à perfeição quando, ao invés de marcar um gol, deu um passe perfeito para o Carlos Alberto encher o pé na final da Copa de 1970. E como é simples a concepção de mundo de uma criança! Ela canta papapapapel em inglês sem nenhuma cerimônia, mas não deixa de cantar.

Bem, não poderia encerrar este texto sem esclarecer qual é o nome da banda: The Housemartins. Ah! O que a música dizia?! Por incrível que pareça o cantor pronuncia a palavra build (construir), mas com um sotaque que soa como pel, ou seja, “papapapa build”. Não ficava melhor papapapapel?

Tarso Ramos

Anúncios