EDITORIAL: J.J. Abrams, mais um Geek que deu certo


J.J. Abrams: quando crescer, quero ser igual a ele!

J.J. Abrams: quando crescer, quero ser igual a ele!

Soube hoje, com atraso, que ontem foi comemorado o “Dia Mundial do Orgulho Geek”. Isso é uma vergonha, já que, dadas certas circunstâncias, posso ser considerado um geek ou nerd (e dos veteranos), e nem sabia que havia um dia em minha homenagem! Pois ele existe, e sua comemoração iniciou em 2006, em Madri, quando 300 geeks formaram um enorme Pacman humano, gritando “Quem nunca foi geek que levante sua espada laser!”.

Há vários exemplos de geeks que se tornaram não apenas célebres, mas bem sucedidos – os mais óbvios são Steve Jobs da Apple e Bill Gates da Microsoft. Em Hollywood há vários, mas o geek-mor do momento é o roteirista/produtor/diretor J.J. Abrams, que recentemente cumpriu, com pleno sucesso, a missão de ressuscitar a franquia Jornada nas Estrelas com a vibrante  aventura sci fi que é Star Trek. E isso que ele é mais fã de Star Wars do que de Jornada – o que, para o pavor de muitos trekkers xiitas, transparece em alguns aspectos do filme.

O estranho nessa história do Abrams é que por muito tempo, apesar dele ser gordinho e usar óculos, o mundo ingênuo não desconfiou que ele era um geek, e dos grandes. Sua primeira série para a TV, Felicity, não deu muitas pistas a respeito. As minhas suspeitas surgiram quando comecei a assistir sua série posterior, Alias, e nela, além de várias referências cinematográficas, encontrei um interessante elemento de ficção científica representado pelo arco de Carlo Rambaldi, uma espécie de Leonardo da Vinci que, há séculos, teria criado algumas engenhocas que desafiavam a ciência conhecida.

Depois veio Lost, série que em tese era de suspense e mistério, mas que eu muito cedo passei a considerar como sci fi, em razão de lidar com fenômenos eletromagnéticos inexplicáveis, paranormalidade e monstros de fumaça. Recentemente ela enveredou pesadamente pelas viagens no tempo, o que me fez rir da declaração dos realizadores feita há alguns anos de que Lost “não é ficção científica”. Bem, no início eles podem ter enganado a todos, menos a mim… Também, foi a partir de Lost que J.J. e sua equipe passaram a se aventurar mais a fundo na internet, praticamente inaugurando o marketing viral hoje tão em moda.

Atualmente Abrams e seus fiéis escudeiros nerds Damon Lindelof, Roberto Orci e Alex Kurtzman, além do já citado Star Trek (neste momento eles devem estar reunidos discutindo idéias para a continuação, com os demais já tendo rejeitado uma idéia do Orci para incluir Jar-Jar Binks em uma ponta), se divertem com a série Fringe, uma espécie de novo Arquivo X com toques de Quinta Dimensão e Além da Imaginação, que no final de sua primeira temporada trouxe a participação de luxo de ninguém menos que Leonard Nimoy – o Sr. Spock da Série Clássica de Jornada nas Estrelas. Uma verdadeira apoteose geek!

A Abrams e associados, meus parabéns – ainda que atrasados – pelo “nosso” dia. Vocês, no momento, são o maior exemplo a ser seguido pelos geeks de todo o mundo: a combinação perfeita de nerdice para trazer sucesso, grana e  – que a “Força” esteja com vocês – mulheres!

Jorge Saldanha
Dedico este texto à minha querida amiga nerd Luciana Hörlle, a quem desejo uma rápida e completa recuperação!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s