Resenha: LINCOLN (Filme em Destaque)


266273LINCOLN (Lincoln, EUA, 2012)
Gênero: Drama
Duração: 153 min.
Elenco: Daniel Day-LewisTommy Lee Jones, Michael Stuhlbarg, Jackie Earle Haley, Joseph Gordon-LevittGloria Reuben, Adam Driver, Jared Harris, Sally Field, James Spader, Lee Pace, Gulliver McGrath, Walton Goggins, JohnHawkes, David Strathairn, David Oyelowo, Hal Holbrook
Trilha Sonora Original: John Williams
Roteiro:  Tony Kushner, John Logan, Paul Webb
Direção: Steven Spielberg
Cotação***

O que provavelmente gere frustração em muita gente é a expectativa causada pelo próprio título do filme, LINCOLN (2012), que passa a impressão de ser uma obra sobre a vida de um dos mais célebres presidentes dos Estados Unidos, o homem que se esforçou para acabar com a escravidão no país, mesmo que para isso milhares de vidas fossem ceifadas e muito sangue fosse derramado. Em determinado momento do filme, Lincoln, representado brilhantemente mas de forma sutil por Daniel Day-Lewis, visita um hospital onde estão internados soldados que perderam suas pernas durante a batalha. E ele chega com uma expressão calorosa, desejando força e pedindo para que eles se alimentem bem.

A imagem de Lincoln é a do sujeito também que se aproxima das pessoas comuns, não a do presidente que a gente está acostumado a ver, distante e cheio de seguranças, para não ser incomodado pelas pessoas. O filme também destaca um pouco a relação do presidente com sua esposa, vivida por Sally Field. Aliás, chega a ser gritante a diferença de registro entre as duas formas de interpretação: Day-Lewis fazendo um personagem excessivamente introspectivo. Tão introspectivo que chega a ser corcunda. Já Sally Field tem alguns ataques de histeria em alguns momentos, o que não quer dizer que ela não tenha suas razões.

Mas o recorte do filme gera um pouco de sono e é preciso estar bem disposto para a longa duração de uma obra com muitas discussões políticas, principalmente relacionadas às 13ª Emenda Constitucional, aquela que proibirá toda e qualquer escravidão no país, exceto por penalidade causada por algum crime. E haja discussões acaloradas entre republicanos e democratas. O curioso é que os republicanos é que fazem o papel dos mocinhos do filme, se é que se pode dizer assim, de maneira tão simplista.

Porque de simplista o filme não tem nada. Ou até pode ter, mas dentro de uma organização complicada, cheia de personagens que entram e saem, muitos deles mais conhecidos dos americanos ou dos estudiosos da história da Guerra da Secessão. O que mais se destaca é, sem dúvida, Thaddeus Stevens, vivido com maestria por Tommy Lee Jones. Ele diz: “Eu não concordo com a igualdade em todas as coisas, eu concordo com a igualdade perante a Lei e nada mais”.

No mais, LINCOLN é um filme em que Steven Spielberg está muito comedido. Fica a impressão de que ele teme soar sentimentalóide, como havia acontecido com CAVALO DE GUERRA (2011) e tantos outros trabalhos seus. Mas difícil não admirá-lo como um dos cineastas clássicos mais importantes da atualidade. Não é nenhum exagero dizer que ele, ao lado de Clint Eastwood, são os herdeiros mais próximos do cinema de John Ford. Mas os tempos são outros, e as pessoas nem sempre estão dispostas a ver um excessivo patriotismo, por isso esse sentimento é mostrado de maneira tão tímida, assim como a discreta trilha sonora de John Williams.

Para o bem e para o mal, isso acaba contribuindo para uma obra sóbria, mas cansativa, que pode despertar o desinteresse do espectador. Quem sabe uma leitura do livro que inspirou o filme, Team of Rivals: The Political Genius of Abraham Lincoln, de Doris Kearns Goodwin, não torne a apreciação do filme mais agradável e interessante.

Quanto à polêmica acerca da versão editada para o mercado internacional, que conta com cartelas no início do filme, com um texto explicando a Guerra da Secessão para as plateias de outros países, pelo que eu pude comparar com a cópia disponibilizada na internet, se houve algum corte na curtíssima cena de batalha, ele foi praticamente imperceptível. Mas dentro de um filme que é por si um tanto confuso e que opta pela omissão dos fatos sangrentos, em detrimento de muitas conversas e discussões do direito americano do século XIX, as tais cartelas se mostram totalmente inúteis. Nada que alguém não possa verificar depois na wikipedia ou, melhor ainda, em um bom livro de História Geral.

LINCOLN recebeu doze indicações ao Oscar: filme, direção, ator (Daniel Day-Lewis), ator coadjuvante (Tommy Lee Jones), atriz coadjuvante (Sally Field), roteiro adaptado, fotografia, montagem, direção de arte, figurinos, trilha sonora e mixagem de som.

Ailton Monteiro

About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s