Resenhas - Filmes

Resenha: CONTÁGIO (Filme em Destaque)

CONTÁGIO (Contagion, EUA, 2011)
Gênero: Drama
Duração: 106 min.
Elenco: Matt Damon, Marion Cotillard, Kate Winslet, Gwyneth Paltrow, Jude Law, Laurence Fishburne, John Hawkes, Tien You Chui, Josie Ho, Daria Strokous
Trilha Sonora Original: Cliff Martinez
Roteiro: Scott Z. Burns
Direção: Steven Soderbergh
Cotação: ***½

Será que essas declarações de Steven Soderbergh de que vai se aposentar não são para valer? Afinal, no IMDB consta ainda HAYWIRE, a ser lançado este ano, e mais outros três trabalhos para os próximos anos (MAGIC MIKE, THE MAN FROM U.N.C.L.E. e LIBERACE). Alternando entre grandes produções e filmes pequenos e independentes, Soderbergh sempre fez o que quis em Hollywood. Parece que foi ontem que vi pela primeira vez o seu longa de estreia, SEXO, MENTIRAS E VIDEOTAPE (1989). De lá para cá, sua carreira foi oscilando e trilhando caminhos cada vez mais distintos.

CONTÁGIO (2011) está entre as superproduções do diretor. Custou 60 milhões de dólares, mas provavelmente o custo se deve ao elenco estelar. Reunir num mesmo filme Matt Damon, Laurence Fishburne, Marion Cotillard, Kate Winslet, Jude Law, Gwyneth Paltrow e Elliot Gould não é para qualquer um. A trama por si só já é bastante atraente para nós, tão obcecados que somos por tragédias apocalípticas, seja através da natureza, seja por invasão alienígena, por zumbis ou por doenças. Esse último caso, inclusive, é o que mais se aproxima da realidade. O vírus Ebola e as gripes suína e aviária foram exemplos do quanto a população ficou apavorada com uma possível epidemia de grandes proporções. Por isso CONTÁGIO deve conseguir uma boa plateia pagante.

O filme começa com a personagem de Gwyneth Paltrow voltando para casa, já doente. Aparentemente é a partir dela que o mal se espalha por todo o globo. O marido, vivido por Matt Damon, não estava preparado para perder ao mesmo tempo a esposa e o enteado. Enquanto isso, cientistas como a personagem de Kate Winslet, investem seu tempo e se sacrificam para encontrar uma solução para o problema. Há também a figura do blogueiro (Jude Law) que tem milhões de seguidores e que prega que o sistema está escondendo e lucrando com a doença. Pouco comentada, até por ser uma atriz pouco conhecida, a personagem de Jennifer Ehle é uma das mais interessantes para a trama do filme.

Um dos aspectos mais ofensivos de CONTÁGIO é julgar tão mal a internet, pintando-a como mais maléfica do que a televisão e a imprensa oficiais, quando sabemos que a coisa não é bem assim. Isso acaba depondo contra o filme. Afinal, apesar de tudo, as redes sociais têm um papel fundamental hoje para dar voz aos excluídos, aos silenciados pelos órgãos oficiais. Outro problema é que, a julgar pelo trailer, era de se esperar um filme mais emocional. O que vemos é um trabalho que se detém mais sobre os aspectos científicos da doença, o que não é nenhum pecado, apenas não gera catarse e trata a situação com distanciamento.

É uma opção estética de Soderbergh para o seu filme, que, diferente de TRAFFIC (2001) e de BUBBLE (2006), dois trabalhos que lidam com múltiplos personagens mas que conseguem compartilhar seus problemas com o espectador com mais intensidade, prefere a precisão da montagem, muito bem construída em sua colcha de retalhos. Por essas e outras razões é que se pode dizer que CONTÁGIO é um dos melhores trabalhos
sobre epidemia já realizados.

Ailton Monteiro

About these ads

Um comentário sobre “Resenha: CONTÁGIO (Filme em Destaque)

  1. Pingback: Resenha: TERAPIA DE RISCO (Filme em Destaque) | ScoreTrack.net

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s